Do monumento dos museus ao monumento das ruas

o texto literário transmidiado em sala de aula

  • Bruno Cuter Albanese Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Ensino de Literatura, Narrativa Transmídia, Leitura Subjetiva, Coleções

Resumo

Com os estudos sobre práticas de letramento em ambientes multi/hipermidiáticos, tornou-se um desafio repensar teórica e praticamente o ensino de Literatura nas escolas. Sendo assim, o objetivo deste artigo é analisar os deslocamentos e as rupturas causados no trabalho com o texto literário quando inserido em um projeto de construção de uma narrativa transmídia. Trata-se de uma pesquisa-ação realizada com alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II, cujo projeto constitui-se na leitura e na adaptação da obra Senhora para um curta-metragem. Os registros foram coletados por meio de gravações audiovisuais das aulas e pela escrita de um diário de campo do pesquisador. Ao se contrastar o texto literário com o curta-metragem produzido pelos alunos, foram observadas e destacadas as principais diferenças entre as duas obras e, com base nos registros coletados em campo, buscou-se analisar o processo de leitura do romance que produziu alterações na película. A fundamentação teórica levou em conta os postulados da teoria do Sujeito Leitor (LANGLADE, 2013; JOUVE, 2013) sobre a Leitura Subjetiva do texto literário, bem como reflexões baseadas em García-Canclini (1989) sobre os processos de recolecionamento. Como resultado, conclui-se que a inserção de narrativas transmidianas no ensino de Literatura permite que os alunos não somente leiam a obra, como também produzam um novo texto sobre ela ao criar relações intertextuais entre a história criada por José de Alencar e os repertórios de suas coleções de leitura, principalmente aqueles advindos do cinema e da televisão. Dessa forma, a narrativa transmídia produzida pelos alunos rompe com as vitrines de proteção antes construídas para obra e assegura a construção de novos sentidos sobre o romance Senhora, o qual foi ressignificado e reapropriado pelos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Cuter Albanese, Universidade Estadual de Campinas
Doutorando em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas. Licenciado em Letras e Mestrado em Linguística Aplicada pela mesma Universidade.

Referências

ALBANESE, B. C. Trajetórias transmídias de leitura literária na escola. 2016. 154 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

______.O cinema na escola: um multiletramento em sala e em cena no Ensino Fundamental II. (IN) PINHEITO, P. (org.) Multiletramento em teoria e prática: desafios para a escola de hoje. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2017.

DALEY, E. Expandindo o conceito de letramento. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, 49(2): 481-491, Jul./Dez.2010

DENA, C. Transmedia practice: theorizing the practice of expressing a fictional world across distinct media and environments. University of Sydney, Austrália, 2009.

DOMINGOS, A. C. M. Narrativa transmídia: travessia entre Comunicação e Letras. Aletria, v.23, n. 3, Set/dez, 2013.

GARCÍA-CANCLINI, N. Culturas híbridas – estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa; tradução da introdução Gênese Andrade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.

JENKINS, H. Cultura da convergência. Tradução de Susana Alexandria. São Paulo, SP: Editora Aleph, 2009.

JOUVE, V. A leitura como retorno a si: sobre o interesse pedagógico das leituras subjetivas. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, 2013.

LANGLADE, G. O sujeito leitor, autor da singularidade da obra. (IN) ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, 2013.

KNOBEL, M.; LANKSHEAR, C. Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Tradução de Magda França Lopes. Porto Alegre, RS: Artmend, 2008.

MOITA-LOPES, L. P. Pesquisa interpretativista em Linguística Aplicada: a linguagem como condição e solução. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.

NEVES, C. A. B. A literatura no Ensino Médio: gêneros poéticos em travessia no Brasil e na França. 2014. 884 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

NEW LONDON GROUP. A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. Harvard Educational Review, Spring, 66:1, 1996.

NOFFKE, S.; SOMEKH, B. Action Research. In: SOMEKH, B.; LEWIN, C. (orgs.). Research Methods in Social Sciences. Sage. 2005.

PETIT, M. A arte de ler ou como resistir à adversidade. Tradução de Arthur Bueno e Camila Boldrini. São Paulo, SP: Editora 32, 2009.

RANNOU, N. Le sujectlecteus dans l’enseigment Du Français Langue Etrangère. Comunicação oral proferida no III Ciclo de Diálogos em Linguística Aplicada. Campinas – SP, em 15 de abril de 2014.

ROUXEL, A. Mutações epistemológicas e o ensino de literatura: o advento do sujeito leitor. Tradução de Samira Murad. Revista Criação e Crítica, n.9, nov.2012.

______. A tensão entre utilizar e interpretar na recepção de obras literárias em sala de aula: reflexão sobre uma inversão de valores ao longo da escolaridade. (IN) ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.) Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, 2013.

SIGNORINI, I. Letramentos multi-hipermidiáticos e formação de professores de língua. (IN) SIGNORINI, I.; FIAD, R.S. (orgs.) Ensino de língua: das reformas, das inquietações e dos desafios. Belo Horizonte, MG: Editora da UFMG, 2012.

Publicado
2018-09-21
Como Citar
CUTER ALBANESE, B. Do monumento dos museus ao monumento das ruas. Domínios de Lingu@gem, v. 12, n. 3, p. 1759-1783, 21 set. 2018.