Base Nacional Comum Curricular e o ensino de língua inglesa

refletindo sobre cidadania, diversidade e criticidade à luz do letramento crítico

  • Fernanda Costa Ribas UFU
Palavras-chave: BNCC, Cidadania, Criticidade, Letramento crítico, Ensino de língua inglesa

Resumo

Amparada nos pressupostos do letramento crítico (MONTE MÓR, 2013, 2014, 2015; MONTE MÓR; MORGAN, 2014; ROCHA, 2014; ROCHA; MACIEL, 2015), analiso, neste artigo, os pressupostos pedagógicos que embasam a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) no que diz respeito ao ensino de língua inglesa. Utilizo como recurso metodológico o software de análise lexical AntConc, o qual foi empregado em minha análise para buscar conceitos de indivíduo e sociedade atrelados aos processos de ensinar e aprender a língua inglesa no referido documento. Resultados dessa análise apontam para descompassos e limitações nas concepções que permeiam a BNCC, principalmente quanto ao que se entende por cidadania, criticidade e diversidade, que trazem implicações e desdobramentos para a formação dos aprendizes em língua inglesa. Defendo como o letramento crítico pode ser empregado de forma a ressignificar as concepções depreendidas na BNCC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Costa Ribas, UFU
graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista de São José do Rio Preto (2002) e doutorado em Estudos Lingüísticos, área de Lingüística Aplicada também pela Unesp (2008). Doutorado sanduíche (Capes) em Educação pela Universidade de Maryland (2007). Professora associada na Universidade Federal de Uberlândia, onde trabalha na área de língua inglesa, metodologias de ensino e estágio supervisionado. Tem atuado principalmente nos seguintes temas: motivação, ansiedade, crenças, autocrenças, tecnologias, letramentos, ensino de inglês nas escolas públicas e formação de professores.

Referências

AJAYI, L. Meaning-making, multimodal representation, and transformative pedagogy: an exploration of meaning construction instructional practices in an ESL high school classroom. Journal of language, identity and education, v. 7, p. 206-229, 2008. https://doi.org/10.1080/15348450802237822

BIESTA, G. Good education: what it is and why we need it. Inaugural lecture. The Stirling Institute of Education, University of Stirling, 2009. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/242597554/Biesta-2009-Good-Education-What-It-is-and-Why-We-Need-It. Acesso em: 22 de set. 2017.

BLOMMAERT, J.; COLLINS, J.; SLEMBROUCK, S. Spaces of multilingualism. Language & Communication, v. 25, p. 197-216, 2005. https://doi.org/10.1016/j.langcom.2005.05.002

BRAGA, D. B. Tecnologia e participação social no processo de produção e consumo de bens culturais: novas possibilidades trazidas pelas práticas letradas digitais mediadas pela Internet. Trabalhos em Linguística Aplicada, v.49, n. 2, p. 373-391, 2010. https://doi.org/10.1590/S0103-18132010000200005

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Versão final. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCCpublicacao.pdf. Acesso em: 06 abril 2017.

CANAGARAJAH, S. A. Literacy as Translingual Practice: between communities and classrooms. New York and London: Routledge, 2013. https://doi.org/10.4324/9780203120293

CENPEP. Consensos e dissensos em torno de uma Base Nacional Comum Curricular no Brasil: Relatório de pesquisa. São Paulo: CENPEP, 2015. 47p.

COMBER, B. Negotiating critical literacies. National Council of Teachers of English, v.6, n. 3, p. 1-2, 2001. https://doi.org/10.4324/9781410600288

GREGORY, A. E.; CAHILL, M. A. Constructing critical literacy: self-reflexive ways for curriculum and pedagogy. Critical literacy: theories and practices, v. 3, n. 2, p. 6-16, 2009.

HACKMAN, H. W. Five essential components for social justice education. Equity & Excellence in Education, v. 38, p. 103-109, 2005. https://doi.org/10.1080/10665680590935034

HYTTEN, K.; BETTEZ, S. C. Understanding education for social justice. Educational Foundations, v. 25, n. 1, p. 7-24, 2011.

KALANTZIS, M.; COPE, B.; CLOONAN, A. A multiliteracies perspective on the new literacies. In: BAKER, E.A. (Ed.). The new literacies: multiple perspectives on research and practice. New York, London: The Guilford Press, 2010, p. 61-87.

JUNQUEIRA, E. S.; BUZATO, M. E. K. New literacies in the context of Brazilian historical social-economic inequality. IN: ______ (eds). New literacies, new agencies? A Brazilian perspective on mindsets, digital practices and tools for social action in and out of school. New York: Peter Lang, 2013, p. 1-21.

KUMARAVADIVELU, B. Dangerous liaison: globalisation, Empire and TESOL. In: EDGE, J. (Re) locating TESOL in an Age of Empire. London: Palgrave Macmillan, 2006, p. 1-26.

______. Globalización cultural y educación del lenguaje. In: CÁRDENAS, M.; FARIAS, C.; GONZÁLEZ, C. Lenguaje, cultura y educación. Monterrey: Fondo Editorial de Nuevo León, 2008, p. 73-89.

______. Individual identity, cultural globalisation, and Teaching English as an International Language: the case for an epistemic break. In: ALSAGOFF, R.; RENANDYA, W.; HU, G.; McKAY, S. (eds) Teaching English as an International Language: principles and practices. New York: Routledge, 2012, p. 9-27.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Literacies: social, cultural and historical perspectives. New York: Peter Lang, 2011.

MELO, S. H. D. Pragmática e educação: um olhar sobre documentos oficiais e seus atos de fala. In: CORREA, D. A. (org). Política linguística e ensino de línguas. Campinas: Pontes editores, 2014, p. 83-97.

MONTE MÓR, W. The Development of Agency in a New Literacies Proposal for Teacher Education in Brazil. In: JUNQUEIRA, E. S.; BUZATO, M. E. K. (orgs) New Literacies, New Agencies? A Brazilian Perspective on Mindsets, Digital Practices and Tools for Social Action In and Out of School. Nova York: Peter Lang Publishers, 2013.

______. Convergência e diversidade no ensino de línguas: expandindo visões sobre a "diferença" Revista Polifonia, v. 1, n. 29, p. 234-253, 2014. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/issue/view/152

______. Crítica e letramentos críticos: reflexões preliminares. In: ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. (Org.). Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas: Pontes Editores, 2015, p. 31-50.

MONTE MÓR, W.; MORGAN, B. Between Conformity and Critique. Developing ‘Activism’ and Active Citizenship: Dangerous Pedagogies? Revista Interfaces, v. 14, n. 2, p 16-35, 2014. Disponível em: http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/interfaces.

MOREIRA, M. A. O. Um ambiente virtual de aprendizagem e a expansão do sistema de atividade Ensinar e aprender inglês em uma escola pública. 2015. 275f. Tese (Doutorado em Estudos de Linguagem). Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015.

RAJAGOPALAN, K. O professor de línguas e a suma importância de seu entrosamento na política linguística de seu país. In: CORREA, D. A. (org). Política linguística e ensino de línguas. Campinas: Pontes Editores, 2014, p. 73-82.

RIZVI, F.; LINGARD, B. Globalizing education policy. London; New York: Routledge, 2010.

ROCHA, C.H. Formação cidadã, tecnologia e ensino de línguas na perspectiva do letramento crítico. In: SANTOS, L. I. S; SILVA, R. R. (eds.). Multiletramentos: educação, linguagem e sociedade. Colóquio Nacional de Estudos linguísticos e literários. Unemat Campus Sinop, Faculdade de Educação e Linguagem, Curso de Letras, Sinop: Editora Unemat, 2015, p. 8-18.

ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. Língua estrangeira, formação cidadã e tecnologia: ensino e pesquisa como participação democrática. In: ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. (orgs) Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. Campinas: Pontes, 2015, p. 13-29.

SANTOS, R. R. P.; IFA, S. O letramento crítico e o ensino de inglês: reflexões sobre a prática do professor em formação continuada. The ESPecialist, v. 34, n. 1, p. 1-23, 2013.

WESTHEIMER, J.; KHANE, J. What kind of citizen? The politics of educating for democracy. American educational research journal, v. 41, n. 2, p. 237-269, 2004. https://doi.org/10.3102/00028312041002237

Publicado
2018-09-21
Como Citar
RIBAS, F. C. Base Nacional Comum Curricular e o ensino de língua inglesa. Domínios de Lingu@gem, v. 12, n. 3, p. 1784-1824, 21 set. 2018.