Do espanhol ao português

por uma tradução funcional dos pretéritos perfeito simples e perfeito composto

Palavras-chave: Pretérito perfeito simples, Pretérito perfeito composto, Tempo, Aspecto, Modalidade, Tradução funcionalista.

Resumo

Neste artigo, abordamos a tradução dos pretéritos perfeito simples e perfeito composto do Espanhol ao Português, conjugando pressupostos advindos da tradução funcional, do Funcionalismo linguístico e da metodologia de sequência didática. Aplicamos a dois grupos de estudantes de Espanhol, falantes nativos de Português, a metodologia de sequência didática à tradução de um fragmento do conto “¡Diles que no me maten!”, de Juan Rulfo. Após contato prévio com o conto, os alunos procederam à primeira tradução; seguiram-se módulos referentes aos valores temporais, aspectuais e modais dos pretéritos sob análise; por fim, houve a segunda tradução. Os dados das duas traduções foram comparados visando a demonstrar que conhecimentos adquiridos sobre os valores temporais, aspectuais e modais, durante a sequência didática, permitiram aos alunos aprimoramento da tradução, tornando o texto meta o mais próximo possível do texto base. Verificamos, outrossim, que equívocos de tradução decorrem, basicamente, do fato de os estudantes, na tradução do pretérito perfeito composto do Espanhol ao simples do Português, não inserirem marcadores temporais, não optarem por perífrases imperfectivas e desconsiderarem possibilidade de interpretação irreais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdecy Oliveira Pontes, UFC

Doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2012) e pós-doutorado em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014).

Denísia Kênia Feliciano Duarte, UFC

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da Universidade Federal do Ceará (UFC). Licenciada em Letras-Espanhol e suas Literatura pela UFC.

Márluce Coan, UFC
Doutorado em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003) e aperfeiçoamento em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995). Atualmente, é Professor Associado da Universidade Federal do Ceará. Bolsista de Produtividade do CNPq

Referências

ALARCOS LLORACH, E. Gramática de la lengua española. Madrid: Espasa-Calpe, 1994.

ALCAÍNE, A. ¿Son compatibles los cambios inducidos por contacto y las tendencias internas al sistema?. Madrid, 18 de julio, 2007. Consultado em 1 de julio de 2015 em: http://web.uam.es/personal_pdi/filoyletras/alcaine/Homenaje%20zimmermann.pdf.

BARBOSA, J. B. Os tempos do pretérito no português brasileiro: perfeito simples e perfeito composto. 115 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Araraquara, 2003.

_____. Tenho feito/fiz a tese: uma proposta de caracterização do pretérito perfeito no português. 280f. Tese (Doutorado em Lingüística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Araraquara, 2008.

BOLÉO, M. P. O perfeito e o pretérito em português em confronto com outras línguas românicas. Coimbra, 1936.

CARTAGENA, N. Los tempos compuestos. En: BOSQUE, I.; DEMONTE, V. Gramática Descriptiva de la Lengua Española. Real Academia Española. Colección Nebrija & Bello. Madrid: Espasa, 1999, p. 2935-2975.

CASTILHO. A. T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

_____. Introdução ao estudo do aspecto verbal na língua portuguesa. São Paulo: ALFA de Marília, 1967.

CASTRO, F. Uso de la gramática española (elemental). Madrid, Edelsa, 1996.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1985.

CUNHA, C. Gramática do português contemporâneo. Belo Horizonte: Editora Bernado Àlvares S.A.,1970.

DIAS, A. E. SILVA. Sintaxe histórica portuguesa. 2ª ed. Lisboa: Clássica, 1933.

DIAS, L. S. Uma leitura semântico-pragmática da oposição Pretérito Simple/Pretérito Compuesto no espanhol da América. Dissertação (Mestrado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Federal do Paraná: Curitiba, 2004.

DOMINGOS, R. de F.de A. Variação no uso do pretérito imperfeito (indicativo e subjuntivo) na função de cotemporalidade a um ponto de referência passado. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M; SCHNEUWLY, B. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: DOLZ, J; NOVERRAZ, M; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2004.

DUARTE, D. K. F.; COAN, M.; PONTES, V.O. A variação entre o pretérito perfeito simples e o pretérito perfeito composto no espanhol argentino. Signo y Seña - Revista del Instituto de Lingüística, v. 30, p. 91-107, 2016.

FREITAG, R. M. Ko. A expressão do passado imperfectivo no português: variação/gramaticalização e mudança. Tese (Doutorado em Linguística)- Curso de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis: UFSC, 2007.

GABARDO, T. L. Reflexões sobre tempo e aspecto nas línguas portuguesa e espanhola. Dissertação (Mestrado em Linguística da Língua Portuguesa)- Curso de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Paraná, Curitiba: UFPR, 2001.

GARCÍA FERNÁNDEZ, L. Diccionario de perífrasis verbales. Madrid: Gredos, 2006.

GIVÓN, T. Tense-Aspect-Modality. In: Syntax: a functional-typological introduction. V. 1. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1984, p. 269-320. https://doi.org/10.1075/z.17

_____. Verbal Inflections: Tense, Aspect, Modality and Negation. In: English Grammar: a functional-based introduction. Vol I e II. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins Publishing Co, 1995.

_____. Syntax: an introduction. Amsterdam: J. Benjamins, 2001. https://doi.org/10.1075/z.syn1

_____ . Propositional modalities. In: ______. Context as other minds: The Pragmatics of Sociality, Cognition and Communication. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2005. p. 149-177. https://doi.org/10.1075/z.130

GUTIÉRREZ ARAUS, M. L. Formas temporales del pasado en indicativo. Madrid: Arco/Libros, 1997.

HARRIS, M. Studies in Romance Verb. London: Croom Helm, 1982.

ILARI, R. A expressão do tempo em português: expressões da duração e da reiteração, os adjuntos que focalizam eventos, momentos estruturais na descrição dos tempos. São Paulo: Contexto, 2001.

_____ . Filologia Românica. São Paulo, Ática, 1996.

LEAL, A. B. Funcionalismo e tradução literária: o modelo de Christiane Nord em três contos ingleses contemporâneos. Curitiba, 110f. Monografia (Bacharelado em Letras Inglês-Português, com ênfase nos estudos da tradução). Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, 2005.

MATTE-BON, F. Gramática comunicativa del español: de la idea a la lengua. Tomo II. Barcelona: Edelsa Disal, 2010.

MELO, G. C. Gramática fundamental da língua portuguesa. Rio de Janeiro, Acadêmica, 1968.

MILANI, E. M. Gramática de espanhol para brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2006.

MOTA, M. S. O. Verbo no português contemporâneo do Brasil: aspectos morfológicos, sintáticos e semânticos. Relatório do Projeto PIBIC/CNPq. Araraquara, Unesp, 1998. Consultado em 20 de junho de 2016 em https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/103584/barbosa_jb_dr_arafcl.pdf?sequence=1

NEVES, M. H. M. A modalidade. En KOCH, I. V. (Org.). Gramática do português falado: desenvolvimentos. Campinas: Unicamp / São Paulo, 1996, p. 58-78.

NORD, C. Text Analysis in Translation: theory, methodology and didactic application of a model of translation-oriented text analysis. Amsterdam; Atlanta: Rodopi, 1991.

_____. Texto Base-Texto Meta: Un modelo funcional de análisis pretraslativo. Universitat Jaume I. Servei de Comunicació i Publicacions, 2012. https://doi.org/10.6035/EstudisTraduccio.2012.19

OLIVEIRA, F. Modalidade e Modo. In: MIRA MATEUS, M. H. et al. Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Editorial Caminho, 2003.

OLIVEIRA, L. C. As duas formas do pretérito perfeito em espanhol: análise de corpus. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

_____. Estágio da gramaticalização do pretérito perfeito composto do espanhol escrito de sete capitais hispano-falantes. 270f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

PAIXÃO, F. T. O valor aspectual veiculado ao pretérito perfeito composto do espanhol na variante mexicana. Dissertação (Mestrado em Letras Neolatinas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

PEREIRA, E. C. Gramática histórica. 5 ed. São Paulo, Nacional, 1927.

PONTES, V. O. Abordagem das categorias verbais de tempo, aspecto e modalidade por livros didáticos de língua portuguesa e de língua espanhola: uma análise contrastiva. Monografia apresentada no Curso de Especialização em Linguística Aplicada da Faculdade 7 de setembro, Fortaleza, 2009.

____. O pretérito imperfeito do indicativo e as perífrases imperfectivas de passado em contos literários escritos em espanhol: um estudo sociofuncionalista. 265f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012.

PONTES, V. O.; COAN, M.; SOUZA, D. N. Contribuições da sociolinguística para os estudos da tradução: algumas considerações sobre

a noção de equivalência. In: PONTES, V. de O.; CUNHA, R. B.; CARVALHO, E.; TAVARES, M. da G. G. (Org.). A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: CRV, 2015, p. 171-184. https://doi.org/10.24824/978854440440.9

REISS, K.; VERMEER, H. J. Fundamentos para una Teoría Funcional de la Traducción. Tradução Santa García Reina e Celia Martín de Léon. Edição Akal, 1996.

ROJO, G.; VEIGA, A. El tiempo Verbal. Los Tiempos Simples. In: BOSQUE, I; DEMONTE, V. (ed.) Gramática Descriptiva de la Lengua Española. Madrid: Espasa Calpe, 1999.

RULFO, J. ¡Diles que no me maten! In: El llano en llamas. Madrid: Editorial Planeta, 2007.

RUIZ, T. M. B. Aspecto: um estudo de sua expressão pelas flexões verbais. Dissertação (Mestrado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1992.

SANTOS, C. F. Variação e mudança linguística dos pretéritos simples e composto, uma perspectiva sociolinguística e discursiva: amostras de Madrid, Cidade do México e Buenos Aires. 259f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

TRAVAGLIA, L. C. O aspecto verbal no português: a categoria e sua expressão. 3 ed. Uberlândia, UFU, 1994.

TRAVAGLIA, N. G. Tradução retextualização: a tradução numa perspectiva textual. 2. ed. Uberlândia: EDUFU, 2013.

VENDLER, Z. Verbs and Times. In: Linguistics in philosophy. New York: University Press, 1967.

Publicado
2018-09-21
Como Citar
PONTES, V. O.; DUARTE, D. K. F.; COAN, M. Do espanhol ao português. Domínios de Lingu@gem, v. 12, n. 3, p. 1630-1661, 21 set. 2018.