Polifonia como estratégia no processo de recontextualização da ciência no gênero reportagem televisiva

Palavras-chave: Recontextualização, Vozes, Posições Enunciativas

Resumo

Este artigo apresenta uma análise das vozes apresentadas nas reportagens de popularização da ciência (PC), especificamente no programa Globo Ecologia veiculado pela Rede Globo de Televisão, a fim de identificar como ocorre o processo de popularização da ciência a partir das vozes. Para esta pesquisa, foram analisadas 5 reportagens do programa sob a perspectiva da Análise Crítica do Discurso (Fairclough, 2001) e sob a ótica da Teoria da Representação dos Atores Sociais (Leeuwen, 1996), juntamente com os pressupostos teóricos de Bakhtin (1992, 2008) acerca da polifonia. Os resultados indicam que o corpus apresenta uma multiplicidade de vozes, as quais juntamente com as diferentes posições enunciativas, representadas por jornalista/repórter/apresentador, instituições, pesquisador, público, governo, ONU e UNESCO, podem ser interpretadas como recursos linguísticos que contribuem para demarcar a recontextualização do conhecimento especializado para o público telespectador. Este artigo é um recorte da pesquisa “A recontextualização do discurso midiático no processo de popularização da ciência”- edital universal MCTI/CNPq n. 14/2013.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Santos Albarello, Centro Universitário Franciscano

Área de Linguistica Aplicada;

Linguística do Texto

Referências

ASSIS, F; LAURINDO, R; MELO, J. Gêneros Jornalísticos: teoria e práxis. Blumenau: Edifurb, 2012.

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, M. Problemas da Poética de Dostoiévski. Tradução: Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Florense Universitária, 2008.

BELL, B; FREYBERG, P. Learning in Science. In: Language in the Classroom of Sciences. London: Freyberg, 1987.

BEZERRA, P. Polifonia. In: BRAIT, Beth. Bakhtin: Conceitos-Chave. 4. Ed. São Paulo: Contexto, 2008.

BONINI, A. O conceito de gênero textual/discursivo: teorias versus fenômeno. In: CRISTÓVÃO, V. L. L; NASCIMENTO, E. L. Gêneros textuais: teoria e prática. Paraná: Moriá, 2004.

BORILLO, A. Discours ou métadiscours? In. DRVAV Revue de linguistique. Métalangue. Métadiscours. Métacommunication, 1985.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: UNB, 2001.

FARACO, C. A. Linguagem e Diálogo- as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. Paraná: Criar Edições, 2003.

GANZ, P. A Reportagem em Rádio e Televisão. Lisboa: Editorial Síntesis, 1996.

GARCÍA, J. B. Realización de los Géneros Televisivos. Madrid: Editorial Síntesis, 1996.

HEMAIS, B. Gêneros discursivos e multimodalidade: desafios, reflexões e propostas no ensino de inglês. São Paulo: 2015.

MACHADO, I. Gêneros Discursivos. In: BRAIT, B. Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2012.

MAINARDES, J; STREMEL, S. A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), 2010.

MARCUZZO, P. Ciência em Debate: Uma Análise do Gênero Notícia de Popularização da Ciência. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 7, n. 2, (40-54), jul-dez, 2010.

MARCUZZO, P. Diálogo inconcluso: os conceitos de dialogismo e polifonia na obra de Mikhail Bakhtin. Cadernos do IL, Porto Alegre, nº 36, junho/2008.

MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005.

OLIVEIRA, F. Jornalismo Científico. São Paulo: Contexto, 2005.

PINHEIRO, N. Saúde Masculina: invisível até na TV. In: XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Recife, 2011.

RIBEIRO; SACRAMENTO. Bakhtin: Linguagem, Cultura e Mídia. São Paulo: Pedro e João editores, 2010.

VAN LEEUWEN. T. The Representation of Social Actors. In: CALDAS- COULTHARD, C. R.; COULTHARD, M. (Eds). Texts and Practice. London: Routledge, 1996.

Publicado
2017-11-07
Como Citar
ALBARELLO, P. S.; PINHEIRO, N. F. Polifonia como estratégia no processo de recontextualização da ciência no gênero reportagem televisiva. Domínios de Lingu@gem, v. 11, n. 4, p. 1344-1365, 7 nov. 2017.