“Nós vamos ter que dar dez beijos em cada um”

a gênese de discurso direto em um processo de escritura a dois

  • Eduardo Calil Titular Professor, Federal University of Alagoas (UFAL) Researcher, National Council for Scientific and Technological Development (CNPq) Coordinator, Laboratory of School Manuscript (LAME) Leader, Group Research Writing, Text & Creation (ET&C)
  • Kall Anne Sheyla Amorim Braga Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
Palavras-chave: Narrativa ficcional, Manuscrito escolar, Processo de escritura em ato, Discurso reportado, Discurso direto

Resumo

A escrita de falas de personagens (discurso direto) em narrativas ficcionais é um fenômeno linguístico-enunciativo complexo, envolvendo desdobramentos de diferentes planos enunciativos (passagem da voz do narrador para as vozes dos personagens e vice-versa), ao mesmo tempo em que requer do aluno o domínio de recursos gráficos e linguísticos para representá-las no texto escrito. Esta complexidade tem sido discutida pela literatura especializada a partir da análise de manuscritos escolares, onde as falas dos personagens já estão escritas. Apesar do produto textual ser um importante elemento para discutir como escreventes novatos podem representar o discurso direto, o texto acabado não permite observar como este discurso foi construído ao longo do processo de escritura. Partindo da Genética Textual e da Linguística Enunciativa, este trabalho discute o processo genético e criativo do discurso direto proposto por uma dupla de alunas recém-alfabetizadas (6-7 anos), quando o professor da turma solicitou que combinassem e escrevessem um único texto em sala de aula. Com o apoio do registro fílmico de todo o processo de escritura, a análise pôde identificar que a gênese textual da fala de um personagem passa por intensas (re) formulações antes de sua inscrição e linearização na folha de papel. Foi igualmente observado que a criação e o registro escrito do discurso direto são influenciados pelo conteúdo narrado, bem como pela condição letrada e subjetividade dos escreventes novatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Calil, Titular Professor, Federal University of Alagoas (UFAL) Researcher, National Council for Scientific and Technological Development (CNPq) Coordinator, Laboratory of School Manuscript (LAME) Leader, Group Research Writing, Text & Creation (ET&C)

Eduardo Calil é doutor em Psicolinguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem (UNICAMP, 1995) e Professor Titular da Universidade Federal de Alagoas. Atualmente, lidera o Grupo de Pesquisa Escritura, Texto e Criação (ET&C), dirige o Laboratório do Manuscrito Escolar (LAME) e é pesquisador do CNPq (nível 1D). Fez estágios de pós-doutoramento no Institut des Texts et Manuscrits Modernes

Kall Anne Sheyla Amorim Braga, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), linha de pesquisa Educação e Linguagem. Na interface teórica dos estudos desenvolvidos em Genética Textual e Linguística da Enunciação, tem se dedicado a investigar processos de escritura colaborativa em sala de aula, quando alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental escrevem seus primeiros textos, debruçando-se sobre a construção coenunciativa do discurso reportado.

Referências

BESSONNAT, D. Paroles de personnages: bâtir une progression. Pratiques, n. 83, p. 5-34, set., 1994.

BIASI, P.-M. de. A genética dos textos. Tradução de Marie-Hélène Paret Passos. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2010. 176p. (Coleção DELFUS, 2).

BORÉ, C. Le brouillon, introuvable objet d’étude? Pratiques, n. 105/106, p. 23-49, jun., 2000.

BORÉ, C. Discours rapportés dans les brouillons d’élèves: vrai dialogisme pour une polyphonie à construire. Pratiques, n. 123-124, p. 143-169, dez., 2004a.

BORÉ, C. L’écriture scolaire: langue, norme, “style”, quelques exemples dans le discours rapporté. Linx, n. 51, p. 91-106, 2004b.

BORÉ, C. L’éscriture scolaire de fiction comme rencontre du langage de l’autre. In: PLANE, S.; FRANÇOIS, F. (Eds). La fiction et son écriture. Repères, n. 33, p. 37-60, 2006.

BORÉ, C. Le dialogue de fiction scolaire, moteur de l’invention. In: ______. Modalités de la fiction dans l’écriture scolaire. Éditions l’Harmattan, collection Savoir et Formation, préface de Frédéric François, 2010, Cap. 4, p. 149-173.

BORÉ, C. Le discours direct dans des écrits fictionnels scolaires: marques et significations. In: BRANCA-ROSOFF, S. et. al (Eds.). L’Hétérogène à l’oeuvre dans la langue et les discours. Hommage à Jacqueline Authier-Revuz. Limoges: Editions Lambert-Lucas, 2012, Cap. 7, p. 117-134.

BOUCHARD, R.; MONDADA, L. (Eds.). Les processus de la rédaction collaborative. Paris: L’Harmattan, 2005.

BRAGA, K. A. S. A. Construção co-enunciativa do discurso direto em processos de escritura de histórias em quadrinhos no 2º ano do ensino fundamental. 2012. 109f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Alagoas, Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Maceió, 2012.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. Brasília: Ministério da Educação, 1997.

CALIL, E. Escutar o invisível: escritura & poesia na sala de aula. São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: FUNARTE, 2008, 154p.

CALIL, E. Autoria: a criança e a escrita de histórias inventadas. 2.ed. Londrina: Eduel, 2009, 202p.

CALIL, E. A menina dos títulos: repetição e paralelismo em manuscritos de Isabel. Alfa: Revista de Linguística. São Paulo, v. 54, n. 2, p. 533-564, 2010.

CALIL, E. Dialogues between two pupils during the process of writing a fictional story Verbal erasures and their forms of representation. In: COOREN, F.; LÉTOURNEAU, A. (Eds.) (Re)presentations and Dialogue. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2012a, p. 325-341.

CALIL, E. A Rainha Comilona: dialogismo e memória na escritura escolar. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, v. 7, p. 24­45, 2012b.

CALIL, E. Rasuras orais em madrasta e as duas irmãs: processo de escritura de uma díade recém­alfabetizada. Educação e Pesquisa (USP. Impresso), v. 38, p. 589­ 602, 2012c.

CALIL, E. Do amarelo ao quem tem fé: séries associativas na escritura de um poema em sala de aula. In: DEL RÉ, A.; ROMERO, M. (Org.). Na Língua do outro: estudos interdisciplinares em aquisição de linguagens. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012d, p. 257-276.

CALIL, E. La rature orale en processus d’écriture en acte: lieu de tension et production du sens. In: LORDA, C. (Ed.) Polifonía e Intertextualidad en el Diálogo. Oralia, n. 6, Arco Libros: Madrid, 2012e, p. 215-230.

CALIL, E. Dialogisme, hasard et rature orale? Analyse génétique de la création d’un texte par des élèves de 6 ans. In: CALIL, E.; BORÉ, C. (Org.). L’école, l’écriture et la création: études franco­brésiliennes. Louvain­la­neuve: L’Harmattan­Academia s.a., 2013, p. 157­188.

CALIL, E. O sentido das palavras e como eles se relacionam com o texto em curso: estudo sobre comentários semânticos feitos por uma díade de alunas de 7 anos de idade. Alfa: São Paulo, v. 60, n. 3, p. 531-555, 2016.

CALIL, E. Rasura Oral Comentada: definição, funcionamento e tipos em processos de escritura a dois. In: DEL RÉ, A.; ROMERO, M. (Org.) Aquisição de linguagem. Editora da UNIFESP (no prelo), 2017.

CALIL, E.; AMORIM, K.; BORÉ, C. Étude comparative des formes de discours rapportés dans des contes des origines chez des scripteurs français et brésiliens (7-8 ans): premiers résultats. SHS Web of Conferences. Les Ulis: EDP Sciences. 2015.

CALIL, E.; BORÉ, C. Formas de discurso reportado em narrativas ficcionais escritas por alunos brasileiros e franceses. XVI Congresso Internacional de la ALFAL. S-7 Lingüística Aplicada. Alcalá, p. 2807-2815, 2011.

CALIL, E.; DEL RÉ, A. Análise multimodal de uma história inventada: o caso da onomatopeia visual. Revista da Anpoll, v. 2, n. 27, p. 13-41, 2009.

DE GAULMYN, M.-M; BOUCHARD, R.; RABATEL, A. (Éds.) Le processus rédactionnel: écrire à plusieurs vois. L’Harmattan. Paris, 2001.

DIKSON, D.; CALIL, E. A constituição tópico-discursivo de histórias em quadrinhos em sala de aula por alunas recém-alfabetizadas. Revista (Con) Textos Linguísticos, v. 9, n. 13, p. 58-73, 2015.

DOQUET, C. L’écriture débutant: pratiques scripturales à l’école élémentaire. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2011.

FABRE, C. Frontières et variantes du discours rapporté dans quelques narrations de scripteurs débutants. Le français dans tous ses états, 13. CRDP de Montpellier, 1990.

FABRE, C. “Variantes de réécriture, citations, discours rapportes a l’ecole elementaire”. Cahiers d’Acquisition et de pathologie du langage: réécriture & interactive en situation scolaire:, fascicule 9. Centre National de la Recherche Scientifique Université Rene Descartes. Paris V, p. 9-19, 1992.

FELIPETO, C. Rasura e equívoco no processo de escritura na sala de aula. Londrina: EDUEL, 2008.

FERREIRO, E. Os limites do discurso: pontuação e organização textual. In: FERREIRO, E.; MOREIRA, N. R. (Org). Chapeuzinho Vermelho aprende a escrever: estudos psicolingüísticos comparativos em três línguas. São Paulo: Ática, 1996.

FERREIRO, E.; PONTECORVO, C. Managing the written text: the beginning of punctuation in children’s writing. Learning and Instruction 9, p. 543–564, 1999.

FIGUEIREDO, J. B. A reprodução da enunciação indireta em narrativas infantis. Rev. de Letras, v.1/2, n. 20, p. 91-102, jan./dez. 1998.

GRÉSILLON, A. Elementos de Crítica Genética: ler os manuscritos modernos. Tradução de Cristina de Campos Velho Birck, Letícia Cobalchini, Simone Nunes Reis e Vincent Leclerq. Revisão de Patrícia Chittoni Ramos Reuillard. Rio Grande do Sul: Editora da UFRGS, 2007.

LEBRAVE, J.-L.; GRÉSILLON, A. Linguistique et génétique des textes: un décalogue, 2009.

LIRA, L.E. Formas de manifestação do discurso reportado: criação de textos em histórias em quadrinhos de alunos de uma turma do 2° ano do Ensino Fundamental. 2011. 172f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Alagoas, Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Maceió, 2011.

PLANE, S.; RONDELLI, F.; VENERIN, C. Variantions, fidélité, infidélité: l’écriture et la réécriture de discours rapportés par de jeunes scripteurs. In: DESOUTTER, C.; MELLET, C.(Dir.). Le discours rapporté: approches linguistiques et perspectives didactiques. Peter Lang, 2013, p. 215-232.

SANTOS, J.P.; CALIL, E. Como representar onomatopeias? – um estudo em manuscritos escolares de histórias em quadrinhos escritas por alunos do 2º ano do Ensino Fundamental. Leitura. Teoria & Prática, v. 54, p. 74-85, 2010.

Publicado
2017-11-07
Como Citar
CALIL, E.; BRAGA, K. A. S. A. “Nós vamos ter que dar dez beijos em cada um”. Domínios de Lingu@gem, v. 11, n. 4, p. 1175-1193, 7 nov. 2017.