O ensino de leitura e a formação do sujeito do conhecimento

Palavras-chave: Linguagem, Metáfora, Ensino de Leitura, Discurso, Sentido

Resumo

Neste artigo, problematizo o uso de instrumentos e certas práticas educacionais para o ensino da leitura. A partir de uma posição discursiva, compreendo que capacitar, preparar e adequar o sujeito para práticas cotidianas promove, como efeito, o controle e a ordenação do trabalho de interpretação que demanda uma posição significativa por parte do sujeito com a língua, isto é, parto da compreensão de que o sentido se constitui na/pela relação com o significante. Neste trabalho, também mostro, a partir da análise de corpus, uma possibilidade de promover o deslocamento do sujeito de uma posição que busca a identificação de sentidos numa determinada superfície material, para uma posição que o coloque numa relação com o objeto simbólico que o provoque à produção de conhecimento à medida que o articula com os processos significativos da sua vivência no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Chrystina Bianchi de Barros, Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS)
Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem da UNIVÁS. Pós-Doutora em linguística pelo Laboratório de Estudos Urbanos (LABEURB) da UNICAMP.

Referências

AGUSTINI, C. L. H.; RODRIGUES, E. A. O processo de (re)escrita de textos no espaço político-simbólico escolar: rasura, subjetividade, (neo)liberalismo. In.: Revista Letras & Letras. Uberlândia. vol. 32/3. Especial. Dez, 2016. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/33629/19142. Acesso em 25/01/2017.

ALVES, M. da C. P.; BARROS, R. C. B. de.; CARROZZA, N. G. As dimensões política e simbólica do índice de desenvolvimento da educação básica (ideb). (no prelo)

BARROS, R. C. B. de; RODRIGUES, E. A. Efeitos da instrumentalização da arte sobre a leitura da diversidade: “Pelos olhos de (Nicolas)”. In: COSTA, G. C. da; CHIARETTI, P. Cultura e diversidade. Campinas: Pontes Editores, 2016. pp.51-82.

BARROS, R. C. B. A singularidade da clínica fonoaudiológica. Campinas: Editora RG, 2012.

BRASIL. Avaliação nacional tem início nesta segunda-feira para 2,7 milhões de estudantes do terceiro ano. [Ministério da Educação]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/tags/tag/36188. Acessado em 21/02/2017.

HENRY, P. Os fundamentos teóricos da “análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969). In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêchuex. Trad. Bethania Mariani (et al). 4ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2010. pp.11-38.

GADET. F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Campinas: Pontes Editores, 2004.

ORLANDI, E. P. Formação ou capacitação?: duas formas de ligar sociedade e conhecimento. In: FERREIRA, E. L.; ORLANDI, E. (Orgs.). Discursos sobre a inclusão. Niterói: Intertexto, 2014. p. 141-186.

______. Quando a falha fala. Materialidade, sujeito, sentido. In: ______. Discurso em Análise. Sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes Editores, 2012. pp. 69-82.

______. Formas de Conhecimento, Informação e Políticas Públicas. Animus - Revista Interamericana de Comunicação Midiática. v.17, jan-junho 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/animus/article/download/2373/2458. Acessado em 28/12/2015.

______. Discurso e leitura. 5ed. (Coleção passando a limpo). São Paulo: Ed. Cortez; Campinas: Editora da UNICAMP, 2000.

______. Interpretação. Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.

______. Significação, leitura e redação. Trabalhos em Linguística Aplicada. V.3, 1984. Disponível em: http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/tla/article/view/3765/4339. Acesso em: 25/11/2014.

PÊCHEUX, M. Metáfora e interdiscurso. In.: ______. Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos escolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2011. pp.151-161.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectiva (1975). In: GADET, F.; HAK, T. (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania Mariani (et al). 4ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2010. pp.159-249.

RODRIGUES, E. A.; BARROS, R. C. B. de. Discursos sobre língua(gem) e sujeito em documentos reguladores da educação: a questão da inclusão. Revista Polifonia, Cuiabá, MT, v. 22, n. 31, p. 372-406, janeiro-junho, 2015. Disponível em: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/2196. Acessado em 20/12/2016.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO RIO DE JANEIRO. Cartilha de Língua Portuguesa (2º Bimestre). Disponível em: http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/4679740/4120181/LP4_2BIM_ALUNO_2014.pdf. Acesso em: 07/02/2017.

SOBRINHO, J. S.; CASTELLO BRANCO, L. K. A. Teoria em voz de poeta. In: RODRIGUES, E. A.; SANTOS, G. L. dos; CASTELLO BRANCO, Luiza K. A. (orgs.) Análise de discurso do Brasil. Pensando o impensado sempre. Uma homenagem à Eni Orlandi. Campinas: RG Editores, 2011. pp.181-196

Publicado
2017-11-07
Como Citar
BARROS, R. C. B. DE. O ensino de leitura e a formação do sujeito do conhecimento. Domínios de Lingu@gem, v. 11, n. 4, p. 1152-1174, 7 nov. 2017.