Tecnologias e formação de tradutores

  • Erika Nogueira de Andrade Stupiello Universidade Estadual Paulista - Unesp - Campus de São José do Rio Preto/Professora Assistente Doutora
  • Marileide Dias Esqueda Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Sistema de memória de tradução, Pesquisa-ação, Semiautomação, Tecnologias de tradução

Resumo

Os sistemas de memórias de tradução e as novas aplicações de programas de tradução automática são parte do cotidiano de tradutores que trabalham com traduções especializadas e que prestam serviços para a indústria da localização. A integração dessas tecnologias está promovendo mudanças em muitos cursos universitários de formação de tradutores que, gradativamente, estão revendo seus currículos para incluir o treinamento em ferramentas. Este trabalho relata resultados de dois estudos conduzidos em dois cursos de graduação em tradução em duas universidades públicas brasileiras. Os resultados apontam para a importância de se incluírem, nas aulas de prática de tradução, discussões que estimulem o desenvolvimento de um olhar crítico em relação às ferramentas que os tradutores utilizam, para que aprendam a valorizar seu papel como negociador de sentidos em todo trabalho de tradução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erika Nogueira de Andrade Stupiello, Universidade Estadual Paulista - Unesp - Campus de São José do Rio Preto/Professora Assistente Doutora

Professora de Prática de Tradução e Tecnologias de Tradução junto ao Departamento de Letras Modernas da Unesp de São José do Rio Preto. 

Pesquisadora e professora do programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Unesp de São José do Rio Preto. Área de concentração: Estudos da Tradução.

Marileide Dias Esqueda, Universidade Federal de Uberlândia
Professora do Instituto de Letras e Linguística da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ALVES, F. Ritmo cognitivo, meta-função e experiência: parâmetros de análise processual no desempenho de tradutores novatos e experientes. In: ALVES, F.; MAGALHÃES, C. M.; PAGANO, A. S. (Org.). Competência em tradução: cognição e discurso. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2005, p. 109-169.

BIAU GIL, J. R.; PYM, A. Technology and translation (a pedagogical overview). In: PYM, A., A., PEREKRESTENKO, A., STARINK, B. Translation technology and its teaching. Tarragona. Disponível em: http://isg.urv.es/publicity/isg/publications/technology_2006/index.htm. Acesso em: 22 nov. 2016.

BOWKER, L. Productivity vs. quality: a pilot study on the impact of translation memory systems. Localisation Focus, Limerick, 2005, v. 4, n. 1, p. 13-20.

______. Computer-aided Translation: Translator Training. In: SIN-WAI, C. (Ed.) Routledge encyclopedia of translation technology. London: Routledge, 2015, p. 88-104.

CHESTERMAN, A.; WILLIAMS, J. The map: a beginner’s guide to doing research in translation studies. Manchester: St. Jerome, 2002. 149p.

CHRISTENSEN, T. P.; SCHJOLDAGER, A. Translation-memory (TM) research: What do we know and how do we know it? Hermes, Aarhus, v. 44, p. 1-13, 2010.

COLOMINAS, C. Towards chunk-based translation memories. Babel, Amsterdam, v. 54, n. 4, p. 343-354, 2008. https://doi.org/10.1075/babel.54.4.03col

DECLERCQ, C. Editing in translation technology. In: SIN-WAI, C. (Ed.) Routledge encyclopedia of translation technology. London: Routledge, 2015, p. 480-493.

DILLON, S., FRASER, J. Translators and TM: An investigation of translators’ perceptions of translation memory adoption. Machine Translation, Dublin, v. 20, n. 2, p. 67-79, 2006. https://doi.org/10.1007/s10590-006-9004-8

DRAGSTED, B. Computer-aided translation as a distributed cognitive task. Pragmatics & Cognition, Amsterdam, v. 14, n. 2, p. 443-464, 2006. https://doi.org/10.1075/pc.14.2.17dra

______. Segmentation in translation: differences across levels of expertise and difficulty. Target, Amsterdam, n. 17, v. 1, p. 49-70, 2005.

GARCIA, I. The Proper Place of Professionals (and Non-Professionals and Machines in Web Translation). Revista Tradumática, Barcelona, n. 8. 2010. Disponível em: http://revistes.uab.cat/tradumatica/article/view/98. Acesso em: 21 ago. 2016.

______. Beyond translation memory: Computers and the professional translator, JoSTrans – The Journal of Specialised Translation. London, n. 12, p. 199-214, 2009.

KENNY, D. Translation memories and parallel corpora: Challenges for the translation trainer. In: KENNY, D.; RYOU, K. (Eds.) Across Boundaries: International Perspectives on Translation. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing, 2007, p. 192-208.

HALE, S.; NAPIER, J. Research methods in interpreting: a practical resource. London: Bloomsbury, 2013.

LAGOUDAKI, E. Translation memory systems: enlightening user’s perspective. London: Imperial College, 2006.

LEBLANC, M. Translators on translation memory (TM): results of an ethnographic study in three translation services and agencies. Translation & Interpreting, Sidney, v. 5, n. 2, p. 1-13, 2013.

MELBY, A. MT+TM+QA: the future is ours. Revista Tradumática, 2006, v. 4. Disponível em: http://www.fti.uab.es/tradumatica/revista/num4/articles/04/04. Acesso em: 21 ago. 2016.

O’BRIEN, S. Eye-tracking and translation memory matches. Perspectives, London, v. 14, n. 3, p. 185-205, 2007.

PACTE. Investigating translation competence: conceptual and methodological issues. Meta, Montréal, v. 50, n. 2, p. 609-619, 2005.

SOMERS, H. Translation memory systems. In: SOMERS, H. (Ed.). Computers and translation: a translator’s guide. Amsterdam: John Benjamins, 2003, p. 31-46. https://doi.org/10.1075/btl.35

STUPIELLO, E. N. A. Ética profissional na tradução assistida por sistemas de memórias. São Paulo: Editora Unesp, 2015. 205p.

______. O texto adaptado à máquina: estratégias de controle autoral para implementação da tradução automática. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 39, p. 696-706, 2010.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
STUPIELLO, E. N. DE A.; ESQUEDA, M. D. Tecnologias e formação de tradutores. Domínios de Lingu@gem, v. 11, n. 5, p. 1764-1781, 21 dez. 2017.