Variabilidade e estabilidade na produção de sinais da Libras

  • André Nogueira Xavier UFPR
  • Felipe Venâncio Barbosa USP
Palavras-chave: Libras, Variação intra-sujeito, Variação inter-sujeito, Variabilidade, Estabilidade

Resumo

Semelhantemente às línguas orais, a realização concreta de palavras nas línguas sinalizadas é suscetível à variação intra e inter-sujeito. Objetivando ilustrar esse fenômeno na língua brasileira de sinais (Libras), o presente artigo reporta a análise de três produções de seis itens lexicais dessa língua por 12 sinalizantes surdos da cidade de São Paulo. Os resultados mostram que, apesar da variabilidade em alguns parâmetros articulatórios, as diferentes produções desses sinais exibem alguma estabilidade. Tal fato deve garantir a percepção destas como diferentes realizações de uma mesma palavra e não como realizações de palavras distintas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, F.V. Língua de Sinais na Fonoaudiologia: perspectivas para uma nova visao da atenção à saúde da comunicação humana. In: LAMÔNICA, D.A.C.; BRITTO, D.B.O. Tratado de Linguagem: perspectivas contemporâneas. Ribeirão Preto, SP: BookToy. 2016.

¬¬¬______. A Clínica Fonoaudiológica Bilíngue e a Escola de Surdos na Identificação da Língua de Sinais Atípica. Educ. Real., Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 731-754, Sept. 2016.

______; NEVES, S.L.G. (ORG.) Língua de Sinais e Cognição (Lisco): estudos em avaliação fonoaudiológica baseada na Língua Brasileira de Sinais. Barueri (SP): Pró-Fono, 2017.

BATTISON, R. et al. A good rule of thumb: Variable phonology in American Sign Language. In: FASOLD, R. W.; SHUY, R. W. (Org.). Analyzing variation in language. Washington,

D.C.: Georgetown University Press, 1975. p. 291-302.

______. Lexical borrowing in American Sign Language. Silver Spring, MD: Linstok, 1978. 240p.

BRENNAN, M. The Visual World of BSL: An Introduction. In: BRIEN, D. (Org.). Dictionary of British Sign Language/English. London: Faber & Faber, 1992. p. 1-133.

CRASBORN, Onno. Phonetic implementation of phonological categories in Sign Language of the Netherlands. 2001. 371 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Leiden, Leiden, 2001.

FELIPE DE SOUZA, T. A. A relação sintático-semântica dos verbos e seus argumentos na língua brasileira de sinais (Libras). 1998. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

HOCKETT, C. F. The Origin of Speech, Scientific American, 203. 1960. https://doi.org/10.1038/scientificamerican0960-88

HOOPES, R. A preliminary examination of pinky extension: Suggestions regarding its occurrence, constraints, and function. In: LUCAS, C. (Org.). Pinky extension and eye gaze: Language use in Deaf communities. Washington, DC: Gallaudet University Press, 1998. p. 3–17.

LUCAS, C. et al. Sociolinguistic variation in American Sign Language. Washington, DC: Gallaudet University Press, 2001. 237p. https://doi.org/10.1017/CBO9780511612824

QUADROS, R. M. Estudos de línguas de sinais: uma entrevista com Ronice Müller de Quadros. ReVEL, vol. 10, n. 19, 2012 [www.revel.inf.br].

STOKOE, W. Sign Language Structure: An Outline of the Visual Communication Systems of the American Deaf. Studies in Linguistics: Occasional Papers, v. 8, 1960.

TYRONE, H.M. An Investigation on Sign Dysarthria. Tese de Doutorado. Department of Language and Communication Science: The City University. Londres. 2004.

XAVIER, A. N.; BARBOSA, P. A. Diferentes pronúncias em uma língua não sonora? Um estudo da variação na produção de sinais da Libras, D.E.L.T.A, v. 30, n. 2, p. 371-413, 2014. https://doi.org/10.1590/0102-445069770367936329

WOODWARD, J. C. et al. Facing and handling variation in American Sign Language phonology. Sign Language Studies, v. 10, p. 43-51, 1976. https://doi.org/10.1353/sls.1976.0012

______; DESANTIS, S. Two to One It Happens: Dynamic Phonology in Two Sign Languages. Sign Language Studies, v. 17, p. 329-46, 1977. https://doi.org/10.1353/sls.1977.0013

Publicado
2017-10-01
Como Citar
XAVIER, A. N.; BARBOSA, F. V. Variabilidade e estabilidade na produção de sinais da Libras. Domínios de Lingu@gem, v. 11, n. 3, p. 983-1006, 1 out. 2017.