Tradição e inovação nos Estudos da Interpretação

uma análise pessoal para 2016

  • Daniel Gile Université Paris Sorbonne Nouvelle
Palavras-chave: Estudos da Interpretação, Interpretação de Conferências, Tradição e Inovação

Resumo

Em consonância com o tema principal deste número, Tradição e Inovação, esta revisão dos Estudos da Interpretação trata do que pode ser considerado como tradição nesta jovem (sub)disciplina e tenta identificar tendências que marcam as mudanças na área. Uma vez que a formação e experiência deste pesquisador estão centradas em torno da interpretação de conferências, esta é o ponto de vista natural para a sua análise. Os dados disponíveis para a análise podem ser considerados representativos do trabalho de interpretação de conferências e permite fazer algumas reivindicações. O pesquisador tem compilado dados sobre a interpretação de conferências sistematicamente por mais de 25 anos, mas não é possível determinar até que ponto os dados são representativos para outras formas de interpretação, o que dificulta a avaliação quantitativa de tendências gerais nos Estudos da Interpretação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Gile, Université Paris Sorbonne Nouvelle
Professor Emeritus

Referências

ANGELELLI, C. V.; BAER, B. J. (Ed.). Researching Translation and Interpreting. London; New York: Routledge, 2016.

BENDAZZOLI, C.; MONACELLI, C. (Ed.). Addressing Methodological Challenges in Interpreting Studies Research. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars, 2016.

FUKUII, H.; ASANO, T. Eigotsuuyaku no jissai (An English Interpreter’s Manual). Tokyo: Kenkyusha, 1961.

GAO, B.; CHAI, M. J. A Citation Analysis of Simultaneous Interpreting Studies in China. East Journal of Translation, Shangai, Special Issue, p. 16-23, 2014. English translation of the same paper published in Chinese in the Chinese Translators Journal, Shangai, n. 4, p. 15-20, 2010.

GILE, D. Regards sur la recherche en interprétation de conférence. Lille: Presses Universitaires de Lille, 1995.

GILE, D.; DAM, H ; DUBSLAFF, F.; MARTINSEN, B.; SCHOLDAGER, A. (Ed.). Getting Started in Interpreting Research, Amsterdam; Philadelphia: John Benjamins, 2001. https://doi.org/10.1075/btl.33

HALE, S.; NAPIER, J. Research Methods in Interpreting. London; New York: Bloombury, 2013.

HERBERT, J. Le manuel de l’interprète. Genève: Georg, 1952.

HERMANS, T. Crosscultural Transgressions: Research Methods in Translation Studies II. Manchester: St. Jerome, 2002.

HOLMES, J. The name and nature of translation studies. In: VENUTI, L. (Ed.) The Translation Studies Reader. London; New York: Routledge, 2000 [1972], p. 172-185.

MARTIN, A. Interpreting and Ideology: Research Trends and Methods. In: BENDAZZOLI, C.; MONACELLI, C. (Ed.). Addressing Methodological Challenges in Interpreting Studies Research. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, p. 225-244, 2016.

NICODEMUS, B.; SWABEY, L. (Ed). Advances in Interpreting Research: Inquiry in Action. Amsterdam; Philadelphia: John Benjamins, 2011. https://doi.org/10.1075/btl.99

PÖCHHACKER, F. Interpreting Studies. In: ______. (Ed.). Routledge Encyclopedia of Interpreting Studies. London; New York: Routledge, 2015, p. 201-206.

ROZAN, J. F. La prise de notes en interprétation consécutive. Genève: Georg, 1956.

SACHS, J.S. Recognition memory for syntactic and semantic aspects of connected discourse. Perception and psychophysics, Madison, v. 2, n. 9, p. 437-442, 1967. https://doi.org/10.3758/BF03208784

SALDANHA, G.; O’BRIEN, S. Research Methodologies in Translation Studies. Manchester: St. Jerome, 2014.

WADENSJÖ, C. Interpreting as Interaction: On Dialogue Interpreting in Immigration Hearings and Medical Encounters. Linköping: Linköping University, 1992.

Publicado
2017-12-21
Como Citar
GILE, D. Tradição e inovação nos Estudos da Interpretação. Domínios de Lingu@gem, v. 11, n. 5, p. 1424-1439, 21 dez. 2017.