Estereótipos como sedimentadores de ideias de hegemonia em parcerias de teletandem institucional semi-integrado

  • Gabriela Rossatto Franco Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP-IBILCE)
  • Laura Rampazzo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP-IBILCE)
Palavras-chave: Teletandem, Contato intercultural, Estereótipos

Resumo

O presente estudo concentra-se no contexto virtual de ensino-aprendizagem de línguas denominado teletandem (TELLES, 2006, 2011), o qual é caracterizado pela parceria colaborativa entre falantes de diferentes idiomas que trabalham para aprender a língua um do outro ou a língua em que o outro é proficiente. Por meio da observação e posterior transcrição de quatorze sessões de interação oriundas de duas parcerias de teletandem, e da discussão teórica das transcrições, esta pesquisa se propôs a analisar os estereótipos (LAKOFF, 1987; FANT, 2012) presentes no discurso dos interagentes em situação de contato intercultural (KRAMSCH; URYU, 2014) como possíveis sedimentadores de ideias de hegemonia e supremacia de grupos considerados detentores de maior poder econômico. Tendo em vista que estereótipos podem ser vistos como reforçadores de relações de superioridade ou inferioridade, acreditamos que este trabalho apresenta implicações para uma atitude reflexiva dos participantes acerca de seus discursos e para formação de mediadores, na medida em que estes auxiliam os interagentes com relação a suas parcerias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Rossatto Franco, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP-IBILCE)

Licenciada em Letras com Habilitação em Português/Inglês pela UNESP-FCL de Assis. Aluna de mestrado pelo programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL) - IBILCE/UNESP.

 
Laura Rampazzo, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP-IBILCE)

Licenciada em Letras com Habilitação em Português/Inglês pela UNESP-FCL de Assis. Aluna de mestrado pelo programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (PPGEL) - IBILCE/UNESP.

Referências

ANDREU-FUNO, L. Teletandem: Um estudo sobre identidades culturais e sessões de mediação da aprendizagem. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2015.

ARANHA, S., CAVALARI, S. M. S. A trajetória do projeto Teletandem Brasil: da modalidade Institucional Não-Integrada à Institucional Integrada. The ESPecialist, v. 35, n.2, p. 183-201, 2014.

BLATTER, J. K. Study Case. In: GIVEN, L. M. (Ed.). The SAGE Encyclopedia of Qualitative Research Methods. Thousand Oaks, London, Mathura Road: SAGE Publications, p. 68-71, 2008.

BRAMMERTS, H. Tandem language learning via the internet and the International E-Mail Tandem Network. In: D. Little & H. Brammerts (Ed.), A Guide to Language Learning in Tandem via the Internet. CLCS Occasional Paper, 46. Dublin: Trinity College, p. 9-21, 1996.

CANAGARAJAH, S. Postmodernisms and Intercultural Discourse: World Englishes. In: PAULSTON et al (Ed.). The Handbook of Intercultural Discourse and Communication. Malden, Oxford, West Sussex: Blackwell Publishing, p. 110-132, 2012. https:/doi.org/10.1002/9781118247273.ch7

FANT, L. “Those Venezuelans are so easy-going!” National Stereotypes and Self-Representations in Discourse about the Other. In: In: PAULSTON et al (Ed.). The Handbook of Intercultural Discourse and Communication. Malden, Oxford, West Sussex: Blackwell Publishing, p. 272-291, 2012. https:/doi.org/10.1002/9781118247273.ch14

FIRMIN, M. Interpretation. In: GIVEN, L. M. (Ed.) The SAGE Encyclopedia of Qualitative Research Methods. Thousand Oaks, London, Mathura Road: SAGE Publications, 2008.

KRAMSCH, C; URYU, M. Intercultural contact, hybridity, and third space. In: JACKSON, J. (Ed.). The Routledge Handbook of Language and Intercultural Communication. New York: Routledge, p. 211-255, 2014.

LAKOFF, G. Women, Fire and Dangerous Things: What Categories Reveal about the Mind. Cambridge, MA: MIT Press, 1987. https:/doi.org/10.7208/chicago/9780226471013.001.0001

LÜDKE, M; ANDRÉ, M. E. Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso. In: _____. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Editora Pedagógica e Universitária, p. 11-24, 1986. Disponível em: <<http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgT9cAB/pesquisa-educacao-abordagens-qualitativas>> e <<http://www.lite.fe.unicamp.br/papet/2003/ep145/pesq.htm>>; Acesso em: 10 set 2015.

MESSIAS, R. A. L. Teletandem e Formação de Professores: um contexto para reflexão sobre o ensino de línguas português/espanhol. Mimeo.

PRATT, M. L. Arts of the Contact Zone. Profession, p. 33-40, 1991.

SALOMÃO, A. C. A formação do formador de professores: perspectivas de colaboração entre graduandos e pós-graduandos no projeto Teletandem Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 11, n. 3, p. 653-677, 2011. https:/doi.org/10.1590/S1984-63982011000300004

SANTADE, M. S. B. A metodologia de pesquisa: instrumentais e modos de abordagem. In: SIMÕES, D; GARCÍA, F. (Org.). A pesquisa científica como linguagem e práxis. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2014.

SANTOS, B. S. Ciência e senso comum. In ______. Introdução a uma Ciência Pós-Moderna. Porto: Afrontamento, p. 33-49, 1989.

TELLES, J. A.; FERREIRA, J. M. Teletandem: Possibilidades, dificuldades e abrangência de um projeto de comunicação on-line de PLE. Revista Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n. 2, p. 79-104, 2010.

TELLES, J. A. Projeto Teletandem Brasil: Línguas Estrangeiras para Todos - Ensinando e Aprendendo línguas estrangeiras in-tandem via MSN Messenger. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP, 2006. Disponível em: <http://www.teletandembrasil.org/site/docs/TELETANDEM_BRASIL_completo.pdf>; acesso em 4 set 2015.

______. Teletandem and performativity. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, vol.15, n.1, p. 1-30, 2015. Disponível em: <<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-63982015000100001&script=sci_abstract>>. Acesso em 04/01/2016.

______. Teletandem e Transculturalidade na interação on-line em línguas estrangeiras por webcam. Projeto de pesquisa financiado pela FAPESP, 2011.

TELLES, J. A.; VASSALLO, M. L. Foreign Language Learning in-Tandem: Teletandem as an Alternative Proposal in CALLT. The ESPecialist, v. 27, n.2, p. 189-212, 2006.

TELLES, J. A.; VASSALLO, M. L. Ensino e aprendizagem de línguas em ambiente em tandem: princípios teóricos e perspectivas de pesquisa. In: TELLES, J. A. (Org.) Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas, SP: Pontes Editores, 2009, p. 21-42.

VASSALLO, M. L.; TELLES, J. A. Foreign Language Learning in-Tandem: Theoretical principles and research perspectives. The ESPecialist, v.25, n.1, p. 1-37, 2006.

ZAKIR, M. A. Cultura e(m) telecolaboração: uma análise de parcerias de teletandem institucional. (238f). Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2015.

Publicado
2016-11-28
Como Citar
FRANCO, G. R.; RAMPAZZO, L. Estereótipos como sedimentadores de ideias de hegemonia em parcerias de teletandem institucional semi-integrado. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 4, p. 1302-1325, 28 nov. 2016.