O discurso político na mídia

a preservação da face positiva do Presidente Barack Obama

  • Vanessa Hagemeyer Burgo Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
  • João Vieira da Silva Neto
Palavras-chave: Discurso Político, Interação Verbal, Face Positiva

Resumo

Este estudo visa a analisar os procedimentos de preservação da face positiva empregados pelo presidente dos Estados Unidos Barack Obama durante uma interação verbal. Pretendemos discutir as estratégias utilizadas por ele para diminuir a força ilocutória de seus enunciados, amenizando ou distanciando sua imagem de assuntos polêmicos. O aporte teórico da pesquisa tem embasamento nos princípios da Análise da Conversação e o corpus é formado por uma entrevista concedida ao apresentador David Letterman, em seu programa Late Show with David Letterman, transmitida pela rede de televisão americana CBS em 2009. De acordo com os resultados, esses recursos influenciam a atitude linguística do presidente, sobretudo quando exposto, diretamente, a um grande público. Seu discurso é formado por estratégias sociointeracionais destinadas à redução de possíveis ameaças à imagem que quer preservar, a fim de obter a aprovação dos ouvintes e garantir o resguardo do que não deseja ver exibido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Hagemeyer Burgo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul - UFMS
Vanessa Hagemeyer Burgo é doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) e mestre em Estudos da Linguagem pela mesma universidade.

Referências

BROWN, P.; LEVINSON, S. C. Politeness: some universals in language usage. 2ª ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1987. (A primeira edição é de 1978)

BURGO, V. H.; STORTO, L. J.; GALEMBECK, P. de T. O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho que” e “I think” na fala dos presidentes Lula e Obama. Domínios de Lingu@gem, Uberlândia, v. 7, n. 2, p. 289-312, jul./dez., 2013.

CASTILHO, A.T. Para o estudo das unidades discursivas no português falado. In: ______. (Org.). Português culto falado no Brasil. Campinas: Ed. Unicamp. 1989, p. 249-280.

GALEMBECK, P. de T. Preservação da face e manifestação de opiniões: um caso de jogo duplo. In: PRETI, D. (Org.). O discurso oral culto. 3ª ed. São Paulo: Humanitas, 2005, p.173-194.

GOFFMAN, E. Interaction ritual: essays on face-to-face behavior. New York: Anchor book, 1967.

______. A elaboração da face: uma análise dos elementos rituais na interação social. In: FIGUEIRA, S. A. (Org.) Psicanálise e Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980, p.76-114. (Série Psicologia e Psicanálise)

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Les intérations verbales. Paris: Armand Collin, 1990.

______. Análise da conversação: princípios e métodos. (Trad.: Carlos Piovezani Filho). São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

KOCH, I. G. V. A inter-ação pela linguagem. 10ª ed. São Paulo: Contexto, 2006.

MARCUSCHI, L. A. Marcadores conversacionais no português brasileiro: formas, posições e funções. Campinas: Unicamp, 1989.

MEIRELES, S. M. A Dissenção e as Estratégias de trabalho da face em diálogos do alemão. 1997. 282 f. Tese (Doutorado em Letras). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

PRETI, D. Alguns problemas interacionais da conversação. In: ______. (Org.). Interação na fala e na escrita. Publicação do Projeto de Estudo da Norma Linguística Urbana Culta de São Paulo (Projeto Nurc/SP – Núcleo USP). São Paulo: Humanitas/ FFLCH/USP, 2002, p.45-66.

RISSO, M. S.; SILVA, G. M. O.; URBANO, H. Marcadores discursivos: traços definidores. In: KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do português falado. Campinas: Unicamp/FAPESP. V VI. Desenvolvimentos, 1997, p. 21-94.

ROSA, M. de M. Marcadores de atenuação. São Paulo, Contexto, 1992. (Série Repensando a Língua Portuguesa).

Publicado
2016-08-26
Como Citar
BURGO, V. H.; SILVA NETO, J. V. DA. O discurso político na mídia. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 3, p. 883-902, 26 ago. 2016.