O O conceito de letramento multimodal crítico na escola

o que dizem os professores de inglês

Palavras-chave: Recursos semióticos visuais, Letramento multimodal crítico, Professores de inglês

Resumo

Para uma participação bem-sucedida em sociedade, precisamos de conhecimentos de letramento multimodal crítico (LMC), ou seja, conhecimentos sobre a combinação crítica e reflexiva de diferentes recursos semióticos, em especial, destacamos os visuais, em diferentes gêneros discursivos. A escola tem papel fundamental no desenvolvimento de conhecimentos de LMC pelos estudantes, para tanto, o objetivo deste trabalho é verificar como professores de inglês recontextualizam esses conhecimentos na escola. Neste estudo, tomamos como base teórica e metodológica a Análise Crítica de Gênero (MOTTA-ROTH, 2008a), e como corpus respostas a entrevistas de professores de inglês de escolas públicas de Santa Maria, Brasil. A análise das respostas às entrevistas revela que a necessidade de conhecer e de mobilizar os recursos semióticos ao agir socialmente é reconhecida pelos professores. Porém, o elemento crítico do conceito de LMC não é enfocado, o que indica a necessidade de refletirmos sobre nosso papel como professores de inglês, no sentido de possibilitar aos estudantes conhecimentos para a combinação de distintos recursos semióticos em diferentes gêneros e contextos de maneira crítica e reflexiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Aline Kummer, Universidade Federal de Santa Maria
Aluna do curso de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria

Referências

AGA, G. Upgrade your English 1. 1. ed. São Paulo: Richmond, 2010.

BARTON, E. Linguistic Discourse Analysis: How the Language in Text Works. In: BAZERMAN, C.; PRIOR, P. (Ed.). What Writing Does and How It Does It: An introduction to Analyzing Texts and Textual Practices. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2004. p. 57-82.

BEZEMER, J.; KRESS, G. Changing Text: A Social Semiotic Analysis of Textbooks. Designs for Learning, v. 3, n. 1-2. p. 10-29, 2010. http://dx.doi.org/10.16993/dfl.26

BRASIL. MEC/SEC. Orientações curriculares para o ensino médio – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. v. 1. Brasília: MEC/SEC, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em: 10 mai. 2012.

______. Programa Nacional do Livro Didático. Portal do Ministério da Educação. Brasília: MEC/SEF. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=668id=12391option=com_contentview=article. Acesso em: 04 junho 2014.

CATTO, N. R. Letramento multimodal: participação em gêneros discursivos multimodais em livros didáticos de língua inglesa. Pesquisas em Discurso Pedagógico. v. 1, 2014.

CERVETTI, G.; PARDALES, M. J.; DAMICO, J. S. A tale of differences: comparing the traditions, perspectives and educational goals of critical reading and critical literacy. Reading Online, v. 4, n. 9, 2001. Disponível em: http://www.readingonline.org/articles/cervetti/. Acesso em: 13 set. 2014.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Introduction. Multiliteracies: the beginning of an idea. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. (Ed.). Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000. p. 3 – 8.

FAIRCLOUGH, N. Discourse and Social Change. Cambridge: Polity Press. 1992.

______. Analysing Discourse: textual analysis for social research. London: Routledge. 2003.

FLOREK, C. S. Uma análise crítica de gênero de resumos acadêmicos gráficos. 2015. 238f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

FUZER, C.; CABRAL, S. R. S. Introdução à Gramática Sistêmico-Funcional em Língua Portuguesa. Campinas, SP: Mercado das Letras. 2014.

HALLIDAY, M. A. K.; HASAN, R. Language, context, and text: Aspects of language in a social-semiotic perspective. Oxford: Oxford University Press. 1989.

______.; MATHIESSEN, C. An introduction to functional grammar. 1. ed. London: Arnold. 1994.

______. An introduction to functional grammar. 4. ed. London: Arnold. 2014.

HEMAIS, B. J. W. Gêneros discursivos e multimodalidade: desafios, reflexões e propostas no ensino de inglês. Campinas, SP: Pontes Editores. 2015.

HENDGES, G. R. Gramática da imagem: modalidades semióticas não-verbais em artigos acadêmicos de linguística. In: MOTTA-ROTH, D.; BARROS, N. C.; RICHTER, M. G. (Orgs.) Linguagem Cultura e Sociedade. Porto Alegre: Editora e Gráfica Eficiência Ltda. 2006. p. 23 -38.

JEWITT, C. Different approaches to multimodality. In: _____ (Ed.). The Routledge Handbook of Multimodal Analysis. 2. ed. New York: Routledge. 2011. p. 28 – 39.

______; KRESS, G. Multimodal literacy. New York: Peter Lang Publishing, 2003.

KRESS, G. Visual and verbal modes of representation in electronically mediated communication: the potential of new forms of text. In: SNYDER, I. Page to screen: taking literacy into the electronic era. London: Routledge. 1997, p. 53-79.

______ What is mode. In: JEWITT, C. (Ed.). The Routledge Handbook of Multimodal Analysis. 2. ed. New York: Routledge, 2011. p. 54 – 67.

______; VAN LEEUWEN. T. Reading Images: The Grammar of Visual Design. 2. ed. London: Routledge, 2006.

KUMMER, D. A. Letramento multimodal crítico: sob a perspectiva de livros didáticos e professores de inglês e de biologia. 2015. 149f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

MARQUES, P. M. Promovendo o letramento visual a partir do gênero discursivo notícia de popularização da ciência. 2015. 130f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

MEURER, J. L. Integrando estudos de gêneros textuais ao contexto de cultura. In: KAWORSKY, A. M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (Orgs.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial. 2011, p. 175–196.

MOTTA-ROTH, D. Análise crítica de gêneros: contribuições para o ensino e a pesquisa de linguagem. D.E.L.T.A, v. 24, n. 2, p. 341-383, 2008a. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-44502008000200007

______. Para ligar a teoria à prática. In: MOTTA-ROTH, D.; CABAÑAS, T.; HENDGES, G. R. (Orgs.). Análises de textos e de discursos: relações entre teorias e práticas. Santa Maria, RS: Editora do PPGL, 2008b, p. 243-272.

______. Sistemas de gênero e recontextualização da ciência na mídia eletrônica. Revista Gragoatá. n. 28, p. 153-174, 2010.

______. Questões de metodologia em análise de gêneros. In: KAWORSKY, A. M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (Orgs.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial. 2011, p. 153–174.

NASCIMENTO, R. G. Research genres and multiliteracies: channelling the audience’s gaze in powerpoint presentations. 2012, 231f. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal de Santa Catarina: Santa Catarina. 2012.

PREDEBON, N. R. C. Do entretenimento à crítica: letramento multimodal crítico no livro didático de inglês com base em gêneros dos quadrinhos. 2015, 241f. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria: Santa Maria. 2015.

RAMOS, R. C. G. O livro didático de língua inglesa para o ensino fundamental e médio: papéis, avaliação e potencialidades. In: DIAS, R.; CRISTOVÃO, V. L. L. (Org.). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009. p.173-198.

SCHERER, A. S. Engajamento e efeito de monologismo no gênero notícia de popularização científica. 2013, 167f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria: Santa Maria. 2013.

SWALES, J. Genre analysis: English in academic and research settings. Cambridge: Cambridge University Press. 1990.

THE NEW LONDON GROUP. A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. The Harvard Educational Review, v. 1, n. 66, p. 60-92, 1996.

______. A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. In: COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: Literacy learning and the design of social futures. London: Routledge. 2000, p. 9–37.

TICKS, L. K. Contribuições da análise de gênero para o estudo de conceitos de linguagem em livros didáticos e no discurso de professoras de inglês. 2003. 160f. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria. 2003.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria. Disponível em < http://coral.ufsm.br/cep/>. Acesso em 22 abril 2014.

VAN LEEUWEN, T. Genre. In: Van LEEUWEN, T. Introducing Social Semiotics. London: Routledge. 2005, p. 117-138.

Publicado
2016-08-26
Como Citar
KUMMER, D. A. O O conceito de letramento multimodal crítico na escola. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 3, p. 996-1018, 26 ago. 2016.