“Muita intelectualidade e pouco futebol”

discursos sobre um jogador que lê

  • Francisco Vieira da Silva Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Leitura, Discurso, Jogador-leitor

Resumo

O presente artigo toma como ponto de partida a publicação de um fato, corporificado em várias notícias, em diferentes sites da web, no mês de março de 2015. Tal fato refere-se à criação de um blog de leitura, por parte do zagueiro do Flamengo, Wallace. Levando em conta as discussões suscitadas por Roger Chartier a respeito da leitura como prática cultural, em confluência com as noções de discurso e enunciado, na proposição do método arqueológico, postulado por Michel Foucault, objetivamos, neste artigo, analisar algumas notícias e comentários de leitores das respectivas notícias em torno da criação do blog de Wallace, com vistas a descrever e interpretar determinadas representações que constroem a imagem do jogador-leitor, atentando para os efeitos de sentido e as redes de memória presentes na constituição desses discursos. Metodologicamente, este estudo apresenta um viés descritivo-interpretativo, cuja abordagem segue uma direção eminentemente qualitativa. O corpus é composto por duas notícias e quatro comentários acerca do blog de Wallace, veiculados em sites e blogs brasileiros. As análises demonstram a existência de uma variação nos modos de enunciar acerca de Wallace. Acreditamos que essa variação está articulada aos reflexos que a existência de um jogador-leitor incide na produção de discursos naturalizados sobre a leitura, na exterioridade dos enunciados acerca dessa prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, M. Diferentes maneiras de ler, Memória, Campinas, 2001a. Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/memoria/Ensaios/Marcia/marcia.htm. Acesso em: 30. dez. 2015.

______. Diferença e desigualdade: preconceitos em leitura. In: MARINHO, M. (Org.). Ler e navegar: percursos de leitura. Campinas: Mercado das Letras, ALB, 2001b. p. 139-157.

BAYARD, P. Como falar dos livros que não lemos? Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

BARTHES, R. O rumor da língua. Trad. António Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1987.

BURKE, P. A Escola de Annales (1929-1989): a revolução da historiografia francesa. São Paulo: Editora da UNESP, 2010.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: 1. artes do fazer. Trad. Ephraim F. Alves. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Trad. Maria Manoela Galhardo. Lisboa: DIFEL, 1990.

______. O mundo como representação, Estudos Avançados, São Paulo, 11(5), p. 173-191, 1991. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010

______. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora UNESP/ Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1998a.

______. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XVI e XVIII. Trad. Mary Del Priore. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998b.

______. Leituras e leitores na França do Antigo Regime. Trad. Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora da UNESP, 2003.

COURTINE, J. J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUSCar, 2009.

CURCINO, L. Discursos sobre a leitura: uma análise da emergência e remanência de certas representações do leitor na atualidade. In: ENCONTRO EM ANÁLISE DO DISCURSO, 4, 2013, Araraquara. Anais... Araraquara: FCL/UNESP, 2013, p.139-148. Disponível em: http://www.fclar.unesp.br/Home/PosGraduacao/StrictoSensu/LinguisticaeLinguaPortuguesa/anais-iv-ead.pdf. Acesso em: 12. jul. 2014.

_______. Metamorfoses da autoria na contemporaneidade: a função autor em tempos de circulação virtual de textos. In: PIOVEZANI, C.; CURCINO, L.; SARGENTINI, V. Presenças de Foucault na Análise do Discurso. São Carlos: EdUFSCAR, 2014, p. 81-94.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 19. ed. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Edições Loyola, 2009.

________. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FISCHER, R. M. B. Foucault. In: OLIVEIRA, L. A. Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p.123-151.

KFOURI, J. Prefácio. In: Sócrates, o brasileiro: as crônicas do doutor em Carta Capital. São Paulo: Confiança, 2012, p.12-13.

OLIVEIRA, R. P. Favoritos do público: uma análise das práticas de leitura da comunidade virtual Skoob, Desenredo, Passo Fundo, v.11, n.1, p. 70-91, jan./jun. 2015. http://dx.doi.org/10.5335/rdes.v11i1.4968

RUBIÃO, A. Um elefante na sala de estar. In: MACEDO, A. (Org.). Coletivo 21: antologia. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011, p.19-24.

SALGADO, L. A leitura como um bem: slogan e consenso. In: ______.; MOTTA, A. R. (Orgs.). Fórmulas discursivas. São Paulo: Contexto, 2011, p. 151-162.

SIMÕES. O poder de afetação das celebridades. In: FRANÇA, V. et al. Celebridades no século XXI: transformações no estatuto da fama. Porto Alegre: Sulina, 2014, p. 209-225.

SOUSA, M. E. V. Histórias e possibilidades de pesquisa em leitura. In: SOUSA, M. E. V.; ASSIS, C. (Org.). Pesquisa em língua portuguesa: da construção do objeto à perspectiva analítica. João Pessoa: Editora da UFPB, 2014. (Coleção Todas as Letras, 13), p.137-168.

VARELLA, S. G.; CURCINO, L. Discursos sobre a leitura: uma análise de vídeo-campanhas em prol dessa prática, Desenredo, Passo Fundo, v.10, n.2, p.337-354, jul./dez. 2014. http://dx.doi.org/10.5335/rdes.v10i2.4157

Publicado
2016-08-26
Como Citar
VIEIRA DA SILVA, F. “Muita intelectualidade e pouco futebol”. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 3, p. 1095-1111, 26 ago. 2016.