A teoria dos códigos linguísticos de Basil Bernstein e a questão da modalidade oral da língua

-

  • Claudiana Nair Pothin Narzetti Universidade do Estado do Amazonas
  • Ayene Nobre Universidade do Estado do Amazonas
Palavras-chave: Sociologia da linguagem, Basil Bernstein, Ensino de língua materna, Sociolinguística

Resumo

Este artigo apresenta resultados de pesquisa, de caráter bibliográfico e histórico, que consistiu em um retorno à teoria dos códigos restrito e elaborado, do sociólogo da linguagem Basil Bernstein, elaborada para caracterizar as diferenças entre a linguagem da classe trabalhadora e a linguagem da classe média, bem como para explicar as implicações do domínio desses códigos para o sucesso escolar dos estudantes. A pesquisa justificou-se por se tratar de um tema atual, isto é, a discrepância entre a linguagem falada pelo estudante das classes populares e a linguagem falada na escola, que está na origem, ainda hoje, de problemas de aprendizagem de língua portuguesa no Brasil. O objetivo foi retornar à teoria dos códigos e, confrontando-a com os recentes adquiridos da linguística, inquirir se essa teoria pode, atualmente, oferecer elementos para elaboração de metodologias de ensino de língua materna. O ponto de vista escolhido foi o das reflexões recentes, elaboradas no campo da linguística, sobre as modalidades oral e escrita da língua. A pesquisa constatou que os códigos dos quais tratou Bernstein podem ser concebidos como usos linguísticos na modalidade oral com diferentes níveis de formalidade. Nessa perspectiva, as reflexões do autor inglês suscitam um trabalho mais intenso com a produção de textos orais nas aulas de língua portuguesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudiana Nair Pothin Narzetti, Universidade do Estado do Amazonas
Professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Letras e Artes e do Curso de Letras da Universidade do Estado do Amazonas
Ayene Nobre, Universidade do Estado do Amazonas
Aluna do Curso de Pedagogia da Universidade do Estado do Amazonas. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM)

Referências

BERNSTEIN, B. Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. Londres: Taylor and Francis, 1996.

______. Class, codes and control: The structuring of pedagogic discourse. Londres: Routledge. 1990. v.4.

______. Estrutura social, linguagem e aprendizagem. In: PATTO, M. H. S. (org.). Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1986. p. 129-151.

______. A educação não pode compensar a sociedade. In: GRÁCIO, S; STOER, S. (orgs.) Sociologia da Educação, V. II: A construção social das práticas educativas. Lisboa: Horizonte, 1982. p. 19-31.

______. Class, Codes and Control: Towards A Theory Of Educational Transmissions. Londres: Routledge and Kegan Paul, 1975. v.3. http://dx.doi.org/10.4324/9780203011430

______. Class, Codes and Control: Applied Studies towards a Sociology of Language. London: Routledge and Kegan Paul, 1973. v.2.

______. Class, Codes and Control: Theoretical Studies towards a Sociology of Language. London: Routledge and Kegan Paul, 1971. v.1. http://dx.doi.org/10.4324/9780203014035

BEZERRA, M. A. Padrões de oralidade presentes na explicação de textos na sala de aula. Linguagem e Ensino, Campina Grande, n. 2, p. 27-38, mai. 1997.

BIBER, D. Variation across speech and writing. Cambridge: Cambridge University Press, 1988. http://dx.doi.org/10.1017/CBO9780511621024

FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. O.; AQUINO, Z. G. O. Oralidade e escrita: perspectiva para o ensino de língua materna. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

KATO, M. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática, 1987.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

_______. Linguagem e classes sociais: introdução à teoria dos códigos linguísticos de Basil Bernstein. Porto Alegre: Movimento; Editora da URGS, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1975.

SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 17. ed. São Paulo: Ática, 2002.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Publicado
2016-03-30
Como Citar
NARZETTI, C. N. P.; NOBRE, A. A teoria dos códigos linguísticos de Basil Bernstein e a questão da modalidade oral da língua. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 1, p. 286-303, 30 mar. 2016.