Uma abordagem fonológica para as postônicas não-finais

  • Arthur Pereira Santana Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Neutralização, Vogais médias, Postônica não-final

Resumo

Este artigo analisa as vogais médias postônicas não-finais. Especificamente, a motivação fonológica para a emergência das formas altas e, em dialetos em que isso é possível, para a emergência de médias-baixas. Para tanto, realizou-se um experimento controlado com 40 indivíduos de duas localidades, São Paulo e São Luís, que resultou em um corpus balanceado de 4720 palavras. Após análise estatística, observou-se, principalmente, a correlação das formas assumidas na postônica não-final com a vogal átona final. Por meio da Geometria de traços (CLEMENTS, 1985) e assumindo a proposta de Wetzels (2011) de neutralização como um mecanismo de mudança no valor do traço, propõem-se duas regras fonológicas: (i) a primeira, para a emergência das vogais altas, um espraiamento do nó vocálico da átona não-final para a postônica não-final; (ii) e a segunda, para a emergência das médias-baixas, um espraiamento de [+aberto3] da átona-final para a postônica não-final. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Pereira Santana, Universidade de São Paulo
Mestre. Doutorando do Programa de Pós-graduação em Semiótica e Linguística Geral da Universidade de São Paulo
Publicado
2016-06-27
Como Citar
SANTANA, A. P. Uma abordagem fonológica para as postônicas não-finais. Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 2, p. 494-518, 27 jun. 2016.