O que é aprender inglês a distância?

Crenças de alunos e a motivação em um ambiente virtual de aprendizagem

  • Cristiane Manzan Perine UFU
Palavras-chave: Crenças, Motivação, Ambientes virtuais de aprendizagem, Língua inglesa

Resumo

Neste artigo, objetivamos investigar as crenças de alunos sobre aprender inglês a distância e sua conexão com a motivação para aprender. O arcabouço teórico é embasado em estudos sobre crenças no ensino e aprendizagem de línguas (BARCELOS, 2001, 2003, 2004, 2006, 2007; PERINE, 2013; BERNAT; GVOZDENKO, 2005; JOHNSON, 1999; SILVA, 2000; HURD, 2008); motivação na aprendizagem de língua estrangeira (DÖRNYEI, 2005; GARDNER, 1985; RIBAS, 2008; FRANCO; 2008; ALVES, 2005; HURD et al., 2001; XIE et al., 2006; BROWN, 1994); e ambientes virtuais de aprendizagem (BUZATO, 2001; BRUNNER, 2004; MESSIAS et al., 2012; CELANI, 2009; LEFFA, 2009). Dez alunos de uma universidade federal no interior de Minas Gerais, inscritos na disciplina “Inglês Instrumental a Distância I” (IngRede) participaram deste estudo de natureza qualitativa. Os dados foram coletados por meio de um questionário, diários reflexivos, entrevista e acompanhamento dos alunos na plataforma Moodle. Na análise dos dados, recorremos à análise de conteúdo (GILLHAM, 2000) em conjunto com o software WordSmith Tools. Esperamos que este estudo traga contribuições à Linguística Aplicada no entendimento de como fatores cognitivo-afetivos, tais como crenças e motivação, se configuram em um ambiente virtual de aprendizagem de língua inglesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Manzan Perine, UFU

Doutora em Linguística pela UFU.

Referências

ALVES, H.M.O. O olhar dos professores e dos alunos sobre as tecnologias no contexto de ensino/aprendizagem de língua inglesa da rede pública. 162f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, 2005.

BARCELOS, A. M. F. Metodologia de pesquisa das crenças sobre aprendizagem de línguas: estado-da-arte. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 1, n. 1, p. 71-92, 2001. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982001000100005

______. Teachers’ and students’ beliefs within a Deweyan framework: conflict and influence. In: KALAJA, P.; ______. (Ed.). Beliefs about SLA: New Research Approaches. Dordrecht: Kluwer, 2003, p. 171-199. http://dx.doi.org/10.1007/978-1-4020-4751-0_8

______. Crenças sobre aprendizagem de línguas, Linguística Aplicada e ensino de línguas. Linguagem e Ensino, Pelotas, v.7, n.1, p.101-121, 2004.

______. Cognição de professores e alunos: tendências recentes na pesquisa de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. In:______. Crenças e Ensino de Línguas, Foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas: Pontes, 2006, p.15-42.

______. Reflexões acerca da mudança de crenças sobre ensino e aprendizagem de línguas. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v.7, n.2, p.109-138, 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982007000200006

BEHAR; P.; FLORES, M; MUSSOI, E. Comunidades virtuais: um novo espaço para aprendizagem. Revista Renote. v. 5, n. 1. 2007. p. 1-10. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/renote/article/view/14241/8159. Acesso em: 10 nov. 2012.

BERNAT, E.; GVOZDENKO, I. Beliefs about language learning: current knowledge, pedagogical implications, and new research directions. Teaching English as a Second or Foreign Language, v. 9, n. 1, p. 1-21, 2005.

BORTONI-RICARDO, S.M. O professor pesquisador, introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Editora Parábola, 2008.

BROWN, H.D. Principles of Language Learning and Teaching. New Jersey: Prentice, 1994.

BRUNNER, J. J. Educação no encontro com as novas tecnologias. In: TEDESCO, J. C. (Org.). Educação e novas tecnologias: esperança ou incerteza? São Paulo: Cortez, 2004.

BUZATO, M. E. K. O letramento eletrônico e o uso do computador no ensino de língua estrangeira: o caso Tereza. In: Anais do 11º INPLA. São Paulo, 2001. Disponível em: http://planeta.terra.com.br/educacao/mbuzato/articles/inpla.htm. Acesso em: 01 dez. 2012.

CELANI, M. A. A. Prefácio. In: TELLES, J. A. (Org.). Teletandem: Um contexto virtual, autônomo e colaborativo para aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas: Pontes, 2009.

DÖRNYEI, Z. Teaching and researching motivation. England: Longman, 2001.

______. The psychology of the language learner: Individual differences in second language acquisition. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2005.

FERREIRA, A. F. O computador no processo de ensino-aprendizagem: da resistência à sedução. Trabalho & Educação, v. 17, n. 2, 2008.

FRANCO, C. P. Autonomia de aprendizes on-line de inglês. Educação Temática Digital, v.9, n.2, p.52-60, 2008.

GARBUIO, L. M. Crenças sobre a língua que ensino: foco na competência implícita do professor de língua estrangeira. In: ABRAHÃO, M. H. V.; BARCELOS, A. M. F. (Org.). Crenças e ensino de línguas: foco no professor, no aluno e na formação de professores. Campinas, SP: Pontes, 2006.

GARDNER; R.C. Social Psychology and Second Language Learning: The role of attitudes and motivation. London: Edward Arnold, 1985.

GILLHAM, B. Displaying the Results for Analysis. In:______. Developing a Questionnaire. Londres: Continuum, 2000, p.49-79.

HURD, S. Second language learning at a distance: Metacognition, affect, learning strategies and learner support in relation to the development of autonomy. 128f. PhD Thesis - Department of Languages, The Open University, Buckinghamshire, 2008.

______. Towards a better understanding of the dynamic role of the distance language learner: Learner perceptions of personality, motivation, roles and approaches. Distance Education, v. 27, n. 3, p. 299-325, 2006. http://dx.doi.org/10.1080/01587910600940406

JOHNSON, K. E. Understanding language teaching. Boston: Heinle & Heinle, 1999.

KELLER, J. M. Motivation and instructional design: A theoretical perspective. Journal of Instructional Development, v. 2, n. 4, p. 26–34, 1979. http://dx.doi.org/10.1007/BF02904345

LEFFA, V. J. Não tem mais cesta: gestão do tempo em cursos à distância. Letras & Letras, v. 25, n. 2, p. 145-162, jul/dez. 2009.

MESSIAS, R. A. L.; GARCIA, D. N. M.; NORTE, M. B.; TÚLIO, P. B. G. Tecnologias de Informação e Comunicação: TICs Aplicadas à LE. 2. ed. UNESP, Redefor, 2012.

PERINE, C. M. “Inglês em rede”: crenças e motivação de aprendizes em um curso a distância. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2013

RIBAS, F. C. Variações motivacionais no ensino e aprendizagem de inglês em contexto de escola pública. 2008. 412f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, SP, 2008.

SILVA, I. M. Percepções do que seja um bom professor de inglês para formandos de letras: um estudo de caso. 2000. 214f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

_________. A person-in-context relational of emergent motivation, self and identity. In: DÖRNYEI, Z.; ________. (Ed.). Motivation, Language Identity and the L2 Self. Bristol: Multilingual Matters, p. 215-228, 2012.

WILLIAMS, M; BURDEN, R. Psychology for language teachers: a social constructivist approach. Cambridge, 1997.

XIE, K; DEBAKER, T. K.; FERGUSON, C. Extending the traditional classroom through online discussion: The role of student motivation. Journal of Educational Computing Research, v. 34, n. 1, p. 67-89, 2006. http://dx.doi.org/10.2190/7BAK-EGAH-3MH1-K7C6

Publicado
2016-08-26
Como Citar
PERINE, C. M. O que é aprender inglês a distância? . Domínios de Lingu@gem, v. 10, n. 3, p. 1046-1075, 26 ago. 2016.