As elites contra a democracia: a concepção minimalista no campo hegemônico da teoria democrática

  • Pedro Henrique Alcantara Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Democracia, Elites, Sociedade

Resumo

Neste artigo apresentamos de maneira resumida algumas das principais questões levantadas pela abordagem hegemônica da teoria democrática, tributária da virada webero-schumpeteriana e formuladora de uma concepção minimalista que operou verdadeira domesticação do ideal democrático ao buscar harmonizar a relação improvável entre a democracia e as elites. Para isso, como tentaremos evidenciar, legitima as desigualdades no acesso aos recursos de poder, opera verdadeiro rebaixamento da participação política e confere à apatia política centralidade na manutenção da estabilidade institucional. Para a melhor compreensão dessa perspectiva trataremos duas de suas principais correntes: o elitismo competitivo e o "pluralismo". Buscaremos evidenciar o caráter de continuidade entre essas duas versões do campo hegemônico. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Alcantara, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduado em Ciências Sociais pela UFPE

Mestre em Ciência Política pela UFPE

Doutorando em Ciências Sociais pela UFRN

Subareas: teoria política; teoria da democracia 

Referências

ALMOND, G. e S. VERBA. The civic culture. Political attitudes and democracy in five nations. Boston, Litle/Brown, 1965.

AVRITZER, Leonardo. Teoria Democrática e Deliberação Pública. Lua Nova Revista de Cultura e Política, n. 50, São Paulo, pp. 25-46. 2000.

BACHRACH, Peter. Crítica de la teoría elitista de la democracia. Buenos Aires: Amorrortu [1967], 1973.

BACHRACH, Peter; BOTWINICK, Aryeh.Power and Empowerment: A Radical Theory of Participatory Democracy. Philadelphia: Temple University Press, 1992.

BOBBIO, Norberto. Qual socialismo? Discussão de uma alternativa. 2ª ed. Trad. Iza de Salles Freaza. São Paulo: Paz e Terra, 1983.

BOTTOMORE, Thomas B. As elites e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

DAHL, Robert. Análise Política Moderna. Brasília. Ed. Universidade de Brasília, 1981.

DOWNS, Anthony. Uma Teoria Econômica da Democracia. São Paulo: EDUSP, 1999.

ELSTER, John. O mercado e o fórum: três variações na teoria política. . In: WERLE, Denílson Luiz; MELO, Rúrion Soares (orgs). Democracia Deliberativa. São Paulo: Editora Singula

FINEY, Moses -Democracia antiga e moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1978.GARCIA, José. González. (1988). Crítica de la Teoria Económica de la Democracia, in GARCIA, José. González; CASTRO, Fernando Quesada. Teorias de la democracia. Barcelona: Anthropos.

HADDAD, Fernando. O mercado no fórum (uma teoria econômica da demagogia). In: Lua Nova, nº 50. São Paulo, 2000.

HELD, David. Modelos de democracia. Belo Horizonte: Paidéia, 1987.HIRST, Paul. A democracia representativa e seus limites. Tradução: Maria Luiz X. De A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

MACPHERSON, C. B. A Democracia Liberal: origens e evoluções. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MAGALHÃES, Bruno Dias. A evolução dos Modelos Democráticos. Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, 36º, 2012, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro.

MIGUEL, Luís Felipe. A democracia domesticada: bases antidemocráticas do pensamento democrático contemporâneo. Dados, v.45, n.3, 2002.

MOSCA, G. e BOUTHOUL, G. História das Doutrinas Políticas. Rio de Janeiro, Editora Zahar, 1980.PATEMAN, Carole. Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1992.

SANTOS, Boaventura Souza. (ORG.) Democratizar a Democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2002.SARTORI, Giovanni. Teoria Democrática. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura: 1965.

VITULLO, G. E. Teorias Alternativas de democracia: uma análise comparada. Dissertação de mestrado, PPGCP/UFRGS. Rio Grande do Sul, 1999.

WEBER, Max. A Política como Vocação. In: WEBER, Max. Ciência e Política, Duas Vocações. São Paulo: Editora Cultrix, 1996.

Publicado
2018-08-05