Sons da alfabetização no Brasil Império: atualidade de Castilho e Jacotot

Main Article Content

Suzana Lopes de Albuquerque
Carlota Boto

Resumo

Ao indicar a “instrução fônica sistemática” como um de seus princípios norteadores, a Política Nacional de Alfabetização – PNA (2019) ressoa uma latente discussão metodológica imperial que perpassava as querelas entre as marchas sintética e analítica no ensino da língua materna. Esse artigo apresenta as matrizes do método fônico, criado pelo português António Feliciano de Castilho (1855), e do método analítico do Ensino Universal, criado por Joseph Jacotot (1834), que circularam e geraram embates em solo brasileiro no século XIX. Restringir as divergências do processo de alfabetização ao aspecto metodológico da adoção dessas marchas reitera o viés tecnicista desacoplado do contexto social, histórico, político e cultural dos sujeitos envolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Albuquerque, S. L. de, & Boto, C. (2020). Sons da alfabetização no Brasil Império: atualidade de Castilho e Jacotot. Cadernos De História Da Educação, 20(Contínua), e018. https://doi.org/10.14393/che-v20-2021-18
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Suzana Lopes de Albuquerque, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (Brasil)

https://orcid.org/0000-0002-2001-5942
http://lattes.cnpq.br/8411090283710343
suialopes@hotmail.com

Referências

AGUAYO, A.M. Didática da Escola Nova. PENNA, J. B. Damasco; D’AVILA, Antônio (trad. e notas). São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1959. (Atualidades Pedagógicas, 15.)

ALBUQUERQUE, Suzana Lopes de. Métodos de ensino de leitura no Império brasileiro: António Feliciano de Castilho e Joseph Jacotot. 2019. 240f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação. Universidade de São Paulo, USP, 2019.

BOTO, Carlota. A escola primária como rito de passagem: ler, escrever, contar e se comportar. Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012.

BOTO, Carlota; ALBUQUERQUE, Suzana Lopes de. Entre idas e vindas: vicissitudes do método Castilho no Brasil do século XIX. História da educação (on-line). Porto Alegre, v.22 n.56, set.-dez., p. 16-37, 2018. https://doi.org/10.1590/2236-3459/70697

BRASIL. Ministério da Educação. PNA. Política Nacional de Alfabetização. Secretaria da Alfabetização. Brasília: MEC, Sealf, 2019.

BRASLAVSKY, Berta P. de. Problemas e métodos no ensino da leitura. São Paulo: Melhoramentos e Editora da USP, 1971. MINICUCCI, Agostinho (trad.). Prof. Lourenço Filho (Prefácio).

CARDOSO, Beatriz; GUIDA, Andrea; SEPÚLVEDA, Angélica; PAULET, Nicole. Contribuições para o debate sobre alfabetização a propósito do lançamento da PNA. Revista Brasileira de Alfabetização. Edição Especial: Dossiê Política Nacional de Alfabetização em Foco: olhares de professores e pesquisadores. n.10. 2019. p. 94-96.

CASTILHO, António Feliciano. Correspondência pedagógica. CASTELO-BRANCO, Fernando (seleção, introdução e notas). Instituto Gulbenkian de Ciência. Centro de Investigação Pedagógica. Lisboa, 1975.

CASTILHO, António Feliciano. Método Castilho para o ensino rapido e aprasivel do ler impresso, manuscrito, e numeração e do escrever, 1853. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2012.

CASTILHO, António Feliciano. Resposta aos novíssimos impugnadores do método português. Lisboa: Empreza da História de Portugal, v.2, 1909b.

CASTILHO, Julio de. Memórias de Castilho. Coimbra: Imprensa da Universidade, Livro I, Tomo I. 2. ed. 1926.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. A escrita na Política Nacional de Alfabetização. Revista Brasileira de Alfabetização. Edição Especial: Dossiê Política Nacional de Alfabetização em Foco: olhares de professores e pesquisadores. Belo Horizonte, v.1, n.10. jul.-dez. 2019. p. 125-128.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva. Um paradigma científico e evidências a ele relacionadas resolveriam os problemas da alfabetização brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização. Edição Especial: Dossiê Política Nacional de Alfabetização em Foco: olhares de professores e pesquisadores. Belo Horizonte, v.1, n.10. jul.-dez. 2019. p. 15-25.

FRADE, Isabel Cristina Alves da Silva; MONTEIRO, Sara Mourão. Política nacional em foco: olhares de pesquisadores e professores. Revista Brasileira de Alfabetização. Edição Especial: Dossiê Política Nacional de Alfabetização em Foco: olhares de professores e pesquisadores. Belo Horizonte, v.1, n.10. jul.-dez. 2019. p. 10-13.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados, Cortez, 1989.

HAMILTON, David. O revivescimento da aprendizagem? Educação & Sociedade, Campinas, v.23, n.78, p. 1-9, abr. 2002. https://doi.org/10.1590/S0101-73302002000200011

JACOTOT, Joseph. Enseignement Universel. Langue Maternelle. Paris: Chez Mansut fils, Cinquième Édition, 1834.

JACOTOT, Joseph. Enseignement Universel. Musique. Louvain, Chez F. Michel, Imp.-Lib., 1824.

KOHAN, Walter. Paulo Freire, mais do que nunca: uma biografia filosófica. Belo Horizonte: Vestígio, 2019.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. A Política Nacional de Alfabetização (Brasil, 2019): uma “guinada” (ideo) metodológica para trás e pela direita. Revista Brasileira de Alfabetização. Edição Especial: Dossiê Política Nacional de Alfabetização em Foco: olhares de professores e pesquisadores. Belo Horizonte, v.1, n.10. jul.-dez. 2019. p. 26-31.

QUAGLIO, Clemente. Qual o methodo de ensino da leitura que mais de perto acompanha a evolução, mental da creança? In: Primeiro Congresso Brasileiro de Protecção à Infancia. Rio de Janeiro: Empr. Graphica Editora, 1925.

RAISKY, Claude. Joseph Jacotot: Le pédagogue paradoxal. Dijon, Editions Raison et Passions, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, 3. ed.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. FONTERRADA, Marisa Trench de O.; SILVA, Magda R. Gomes; PASCOAL, Maria Lúcia (trad.). São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 1991.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2017.

VALLE, Lilian do. Pedra de tropeço: a igualdade como ponto de partida. Educação e Sociedade. Campinas, v.24, n.82, p. 259-266, abr,, 2003. https://doi.org/10.1590/S0101-73302003000100016