A aprendizagem da leitura e da escrita entre negras e negros escravizados no Brasil: as várias histórias dos “sem arquivos”

Main Article Content

Eliane Peres

Resumo

Neste artigo trabalha-se com anúncios de jornais das primeiras décadas do século XIX com o objetivo de identificar onde, como e com quem, homens, mulheres e crianças escravizadas aprendiam a ler e a escrever. A pesquisa indica que, via de regra, nas próprias residências, padres, senhoras, moças vindas da Europa, por exemplo, estavam entre as pessoas que ensinavam escravos e escravas as habilidades da leitura e da escrita. Além disso, um dos resultados do estudo revela a relação entre o ensino das primeiras letras e o ensino de tarefas domésticas e de ofícios especializados, como indicam os próprios anúncios analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Peres, E. (2020). A aprendizagem da leitura e da escrita entre negras e negros escravizados no Brasil: as várias histórias dos “sem arquivos”. Cadernos De História Da Educação, 19(1), 149-166. https://doi.org/10.14393/che-v19n1-2020-10
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Eliane Peres, Universidade Federal de Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq
https://orcid.org/0000-0002-0160-1276
http://lattes.cnpq.br/5179048135412088
eteperes@gmail.com

Referências

AMANTINO, Márcia. Os escravos fugitivos em Minas Gerais e os anúncios do Jornal "O Universal"- 1825 a 1832. Locus. Revista de História, Juiz de Fora, v.12, n.2, p. 59-74, 2006.

BARBOSA, Marialva. Escravos letrados: uma página (quase) esquecida. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, v.12, n.1, 2009, p.1-19. https://doi.org/10.30962/ec.v12i1.371

BASTOS, Maria Helena Camara. A educação dos escravos e libertos no Brasil: vestígios esparsos do domínio do ler, escrever e contar (Séculos XVI a XIX). Cadernos de História da Educação, v. 15, n. 2, 2016, p. 743-768. https://doi.org/10.14393/che-v15n2-2016-15

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo, Boitempo Editorial, 2016.

FERRARO, Alceu R.; KREIDLOW, Daniel. Analfabetismo no Brasil: configuração e gênese das desigualdades regionais. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 29, n.2, p. 179-200, 2004.

FIGUEIREDO, Isabela. Cadernos de memórias coloniais. Lisboa, Editorial Caminho, S.A., 2015.

FONSECA, Marcus Vinicius. A educação dos negros: uma nova face do processo de abolição do trabalho escravo. Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco, 2002.

FREYRE, Gilberto. O Escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX: tentativa de interpretação antropológica, através de anúncios de jornais, de característicos de personalidade e de deformações de corpo de negros ou mestiços, fugidos ou expostos à venda, como escravos, no Brasil do século passado. Recife: Imprensa Universitária, 1963.

LUZ, Itacir Marques. Alfabetização e escolarização de trabalhadores negros no Recife oitocentista: perfis e possibilidades. Revista Brasileira de História da Educação. v.13. n.1 [31]. 2013, p. 69-94. https://doi.org/10.4322/rbhe.2013.015


MORAIS, Christianni Cardoso. Ler e escrever: habilidades de escravos e forros? Comarca do Rio das Mortes, Minas Gerais, 1731-1850. Revista Brasileira de Educação v. 12 n. 36 set./dez. 2007. pp. 493-504. https://doi.org/10.1590/S1413-24782007000300008

MOYSÉS. S. M. A. Leitura e apropriação de textos por escravos e libertos no Brasil do século XIX. In: Revista de Ciência e Educação - Educação e Sociedade. São Paulo: Papirus, n.48, agosto/1994.

OLIVEIRA, Klebson. Negros e escrita no Brasil do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo linguístico. Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística (Doutorado em Letras). Salvador, Bahia, 2005. 1198p; 2v. http://www.repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/12042. Acesso em 15 jan. 2018.

ORO, Ari. Religiões Afro-Brasileiras do Rio Grande do Sul: Passado e Presente Estudos Afro-asiático. v.24, n.2, Rio de Janeiro, 2002. pp. 345-384. https://doi.org/10.1590/S0101-546X2002000200006

RECENSEAMENTO DO BRAZIL EM 1872. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv25477_v1_br.pdf. Acesso em 01 jul. 2019.

ROSA Sonia. Quando a escrava Esperança Garcia escreveu uma carta. Ilustração: Luciana Justiniani Hees. Rio de Janeiro: Pallas Editora, 2012.

SILVA, Alexandra Lima da. Flores de Ébano: a educação em trajetórias de escravizadas e libertas. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvador, v.4, n.10, p.299-311 jan./abr. 2019. https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2019.v04.n10.p299-311

SOUZA, Elio Ferreira de. A “carta” da escrava Esperança Garcia do Piauí: uma narrativa precursora da literatura afro-brasileira. 2015. Disponível em http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2015_1455937376.pdf. Acesso em 15 jan. 2018.

SCHWARCZ, Lilia M. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

VASCONCELOS, Maria Celi C. A casa e os seus mestres. Rio de Janeiro: Gryphus, 2005.

VILLELA, Heloísa de O. O Mestre Escola e a Professora. In: LOPES, Eliane et. al. 500 anos de Educação no Brasil. 2ª ed. Autêntica. Belo Horizonte, 2000.

WISSENBACH, Maria Cristina C. Cartas, procurações, escapulários e patuás: os múltiplos significados da escrita entre escravos e forros na sociedade oitocentista. In: Revista Brasileira de História da Educação. São Paulo: Autores Associados, n.4, jul./dez., 2002. p.103-122.








Jornais

A FEDERAÇÃO. Órgão do Partido Republicano. Sabbado, 24 de outubro de 1885, Nº 242, p. 02, Porto Alegre, 1885. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 05 mar. 2018.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. Sexta feira, 2 de novembro de 1821, p. 02, Rio de Janeiro, 1821. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 05 mar. 2018.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. Terça feira, 28 de maio de 1822, p. 02, Rio de Janeiro, 1822. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 05 mar. 2018.

DIÁRIO DO RIO DE JANEIRO. Segunda Feira, 12 de junho de 1826, N. 09, p. 02, Rio de Janeiro, 1826. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 23 jun. 2019.

GAZETA DO RIO DE JANEIRO. Impressão Regia. Quarta feira, 15 de julho de 1812, Nº 57, p. 02, Rio de Janeiro, 1812. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 22 mar. 2017.

GAZETA DO RIO DE JANEIRO. Impressão Regia. Quarta feira, 8 de junho de 1814, Nº 46, p. 02. Rio de Janeiro, 1814. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 03 jun. 2017.

GAZETA DO RIO DE JANEIRO. Impressão Regia. Sabbado, 22 de julho, 1815, Nº 58, p. 02. Rio de Janeiro, 1815. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 03 jun 2017.

GAZETA DO RIO DE JANEIRO. Impressão Regia. Quarta feira, 18 de setembro de 1819, Nº 74, p. 02, Rio de Janeiro, 1819. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 22 mar. 2017.

GAZETA DO RIO DE JANEIRO. Impressão Regia. Sabbado, 1º de abril de 1820, s/n, p. 02, Rio de Janeiro, 1820. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 22 mar. 2017.

GAZETA DO RIO DE JANEIRO. Impressão Regia. Sabbado, 07 de abril de 1821, Nº 28, p. 02, Rio de Janeiro, 1821. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 22 mar. 2017.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Bahia. Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva. Terça feira, 3 de agosto de 1813, Nº 62, p. 02. Bahia, 1813. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 03 jun 2017.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Bahia. Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva. Sexta feira, 21 de outubro de 1814. Nº LXXXVV. Bahia, 1814. Acesso em 22 mar. 2017.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Bahia. Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva. Terça feira, 14 de abril de 1818, Nº 30, p. 02. Bahia, 1818. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 03 jun 2017.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Bahia. Typographia de Manoel Antonio da Silva Serva. Sexta feira, 1º de janeiro de 1819, Nº 01, p. 02. Bahia, 1819. Disponível em Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital Brasileira: http://memoria.bn.br/hdb/periodo.aspx. Acesso em 03 jun 2017.

JORNAL CAXIENSE, Segunda feira, 11 de mayo de1816, N. 10, p. 03, Rio de Janeiro, 1816.

O PUBLICADOR OFICIAL, Sabado,18 de maio de 1833, N. 160, p. 02, Rio de Janeiro, 1833.