A Escola Oficina n.º 1 de Lisboa (1905-1987) e a afirmação de um processo de inovação pedagógica em Portugal

Main Article Content

Maria João Mogarro

Resumo

A Escola Oficina n.º 1 de Lisboa (1905-1987) foi a mais emblemática das escolas novas portuguesas, tendo desenvolvido o seu projeto inovador principalmente entre 1907 e 1919. No entanto, a sua existência inscreveu-se num tempo longo, tendo funcionado durante mais de oitenta anos. O modelo pedagógico inovador que a caracterizou foi impulsionado por Adolfo Lima e inspirou-se nos ideais libertários e anarquistas, matriz a partir da qual foram interpretados os princípios da Educação Nova. Esta Escola adotou muitas das práticas inovadoras deste movimento, como o self-government escolar, a valorização dos trabalhos manuais, a educação física e a educação estética. Colocou o aluno no centro do processo pedagógico, visando a sua educação integral. Definiu rituais e normas no quotidiano escolar, assim como práticas de saúde e higiene. A partir dos anos trinta, com o regime político salazarista, perdeu o seu carácter experimental e tornou-se uma escola “normal”, igual a outras escolas oficiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Mogarro, M. J. (2019). A Escola Oficina n.º 1 de Lisboa (1905-1987) e a afirmação de um processo de inovação pedagógica em Portugal. Cadernos De História Da Educação, 18(3), 790-816. https://doi.org/10.14393/che-v18n3-2019-12
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Maria João Mogarro, Universidade de Lisboa (Portugal)

Maria João Mogarro
Universidade de Lisboa (Portugal)
https://orcid.org/0000-0002-5841-9280
mjmogarro@ie.ulisboa.pt

Referências

Bandeira, F. (2003). Sousa, José Carlos de. In A. Nóvoa (dir.). Dicionário de educadores portugueses (pp. 1344-1346). Porto: Edições ASA.

Barreira, L. C. (2006). A função social da escola na ótica de Adolfo Lima, um educador português anarco-sindicalista. Série-Estudos - Periódico do Mestrado em Educação da UCDB. Campo Grande-MS, n. 22, jul./dez., pp. 193-204.

Barreira, L. C. (2008). A educação libertária nas páginas da Revista Educação (Lisboa, 1913). Educativa, Goiânia, v. 11, n. 2, jul./dez., pp. 193-219.

Barreira, L. C. (2010). A educação escolar nas páginas do Boletim da Escola-Oficina Nº. 1 de Lisboa: o ensino de ciências. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 4, jan./jun., pp. 73-84.

Barreira, L. C. (2013). Imprensa educacional em Portugal no início da República: Educação libertária e pedagogia soviética. Revista Teias, v. 14, n. 32, maio/ago., pp. 172-189.

Candeias, A. (1993). A Escola Oficina n.º 1 de Lisboa 1905-1930: Mudar a escola para mudar o mundo. Análise Psicológica, 4 (XI), pp. 447-463.

Candeias, A. (1994). Educar de outra forma – A escola oficina n.º 1 de Lisboa. 1905-1930. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Candeias, A. (2003). Lima, Adolfo Ernesto Godfroy de Abreu e. In A. Nóvoa (dir.). Dicionário de Educadores Portugueses (pp. 736-746). Lisboa: Edições Asa.

Castelo, C. (2003). Porto, César. In A. Nóvoa (dir.). Dicionário de Educadores Portugueses (pp. 1114-1115). Lisboa: Edições Asa.

Fernandes, R. (1979). A pedagogia portuguesa contemporânea. Lisboa: Instituto de Cultura Portuguesa.

Ferreira, M. (2003). Vieira Pinto Quartin, Deolinda Lopes. In A. Nóvoa (dir.). Dicionário de Educadores Portugueses (pp. 1446-1450). Lisboa: Edições Asa.

Figueira, M. H. (2003). Lima, António Godfroy de Abreu e. In A. Nóvoa (dir.). Dicionário de Educadores Portugueses (pp. 736-746). Lisboa: Edições Asa.

Figueira, M. H. (2004). Um Roteiro da Educação Nova em Portugal. Escolas Novas e Práticas Pedagógicas Inovadoras (1882-1935). Lisboa: Livros Horizonte.

Mogarro, M. J. & Namora, A. (2019). Uma escola no seu tempo: a Escola Oficina nº 1 entre o projeto inovador e a normalização institucional (1905-1987). In J. Pintassilgo & L.A.M. Alves (orgs.). Roteiros da Inovação Pedagógica: Escolas e experiências de referência em Portugal no século XX / Itineraries of pedagogical innovation: Reference schools and experiences in Portugal in the twentieth century (pp. 167-201). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Mogarro, M. J. (2006). Arquivo e Educação. A construção da memória educativa. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 02, pp. 71-84.

Mogarro, M. J. (2018). O modelo pedagógico da Escola Oficina nº 1: corpo, regras e práticas no quotidiano de uma instituição alternativa. Cadernos CEDES, Campinas, v. 38, n. 104, pp. 63-74. https://doi.org/10.1590/cc0101-32622018178007

Monteiro, J. L. (2013). O espólio zoológico e o ensino das ciências na Escola-Oficina Nº1, trabalho para a cadeira de Património Científico, Tecnológico e Industrial do Programa Doutoral em História, Filosofia e Património da Ciência e Tecnologia, FCT-UNL.

Monteiro, J. L. (2018). Lost and found between republicans and freemasons: a lost zoological collection found in a very particular school. Endeavour, 42 (2018), pp. 196-199. https://doi.org/10.1016/j.endeavour.2018.07.011

Nóvoa, A. (dir.) (1993). A imprensa de educação e ensino: repertório analítico (séculos XIX-XX). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Nóvoa, A. (dir.) (2003). Dicionário de Educadores Portugueses. Porto: Asa Editores.

Pintassilgo, J. & Alves, L.A.M. (orgs.) (2019). Roteiros da Inovação Pedagógica: Escolas e experiências de referência em Portugal no século XX / Itineraries of pedagogical innovation: Reference schools and experiences in Portugal in the twentieth century. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Pintassilgo, J. (2017). Anarquismo e educação nova em Portugal: o contributo de Adolfo Lima. Revista Espaço Acadêmico, n.º 196, set.