O processo de criação da Escola Nacional de Circo no Brasil: aproximações entre estado, cultura e educação

Main Article Content

Gláucia Andreza Kronbauer
Maria Isabel Moura Nascimento

Resumo

O circo tem forma diversas de organização e se configura, atualmente, como uma manifestação artística plural e que soube se adaptar às exigências da contemporaneidade. Muitas companhias têm na família elemento central, na itinerância um modo de vida, e na criança a garantia de sobrevivência. Em certo contexto, no entanto, parece que as relações intergeracionais deixaram de ser as principais responsáveis pela sobrevivência do circo e começaram a surgir instituições escolares específicas para a formação de artistas, como é o caso da Escola Nacional de Circo (ENC). As políticas para a educação e a cultura da década de 1970 no Brasil passaram a investir na formação de pessoal técnico e no direcionamento das ações culturais, minimizando a repressão dos anos de chumbo. Este texto teve o objetivo de analisar as relações entre o Circo, a educação, a cultura e o Estado brasileiro das décadas de 1970/80 que condicionaram a criação da ENC, instituição estatal e primeira do tipo na América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Kronbauer, G. A., & Nascimento, M. I. M. (2019). O processo de criação da Escola Nacional de Circo no Brasil: aproximações entre estado, cultura e educação. Cadernos De História Da Educação, 18(3), 688-711. https://doi.org/10.14393/che-v18n3-2019-7
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Gláucia Andreza Kronbauer, Universidade Estadual do Centro Oeste (Brasil)

Gláucia Andreza Kronbauer
Universidade Estadual do Centro Oeste (Brasil)
https://orcid.org/0000-0003-2338-7685
http://lattes.cnpq.br/3052430705928103
glaucia.kronbauer@gmail.com

Maria Isabel Moura Nascimento, Universidade Estadual de Ponta Grossa (Brasil)

Maria Isabel Moura Nascimento
Universidade Estadual de Ponta Grossa (Brasil)
Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPq
https://orcid.org/0000-0001-6243-9973
http://lattes.cnpq.br/9271546918567505
misabelnasc@gmail.com

Referências

BARTHOLO, R. Respeitável Público – os bastidores do fascinante mundo do circo. São Paulo: Elevação; Rio de Janeiro: Letras e Expressões, 1999.

BOLOGNESI, M. F. Philip Astley e o Circo Moderno: romantismo, guerras e nacionalismo. O Percevejo, v. 1, n. 1, p. 1-13, 2009.

BRASIL. Lei 5.692 de 11 de agosto de 1971. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília, DF: MEC, 1971.

BRASIL. Política Nacional de Cultura. Brasília, DF: MEC, 1975.

BRASIL. Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Brasília, DF: MEC/SETEC, 2014.

BRASIL. Decreto n.º 81.454, de 17 de março de 1978. Organização Administrativa do Ministério da Educação e Cultura. Brasília, DF: MEC, 1978.

CASTRO, A. V. O elogio da bobagem: palhaços no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Editora Família Bastos, 2005.

COHN, G. Problemas da Industrialização no século XX. In.: MOTA, C. G. (Org.). Brasil em Perspectiva. 12ª Ed. São Paulo, Rio de Janeiro: DIFEL, 1981, p. 283-316.

COSTA, M. M. F. O velho-novo circo: um estudo de sobrevivência organizacional pela preservação de valores institucionais. 1999. Dissertação (Mestrado em Administração Pública). Escola Brasileira de Administração Pública, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1999.

DUARTE, R. H. Noites circenses: espetáculos de circo e teatro em Minas Gerais no século XIX. 1993. Tese (Doutorado em História). Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 1993.

DUPRAT, R. M. Realidades e particularidades da formação do profissional circense no Brasil: rumo a uma formação técnica e superior. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Faculdade de Educação Física. Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP. Campinas, SP, 2014.

FISCHER, E. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1983.

HOBSBAWM, E. A Era das Revoluções. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

KRONBAUER, G. A.; NASCIMENTO, M. I. M. O circo e suas miragens: a Escola Nacional do Circo e a história dos espetáculos na produção acadêmica brasileira. Revista HISTEDBR On-Line, v. 13, n. 52, p. 238-249, 2013. https://doi.org/10.20396/rho.v13i52.8640240

KRONBAUER, G. A. O processo de criação da Escola Nacional de Circo no Brasil e a continuidade dos modos de vida dentro e fora da lona. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG. Ponta Grossa, PR, 2016.

KUENZER, A. Z. Educação e trabalho no Brasil: o estado da questão. Brasília: INEP; Santiago: REDUC, 1991.

LARA, C. De Pirandello a Piolim: Alcântara Machado e o teatro no modernismo. Rio de Janeiro: INACEN, 1987.

LOPES, D. C. A contemporaneidade da produção do Circo Chiarini no Brasil de 1869 a 1872. 2015. Dissertação (Mestrado em Artes). Instituto de Artes. Programa de Pós-Graduação em Artes. Departamento de Artes Cênicas. Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2015.

LUKÁCS, G. Para uma Ontologia do Ser Social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARX, K., ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MATHEUS, R. I. C. As produções circenses dos ex-alunos das escolas de circo de São Paulo, na década de 1980 e a constituição do Circo Mínimo. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Artes. Faculdade de Artes. Universidade Estadual Paulista, UNESP. São Paulo, 2016.

MEC/INACEN. Portaria n. 11, de 05 de maio de 1982. Cria a Escola Nacional do Circo. Brasília, DF: MEC/INACEN, 1982.

MÉZÁROS, I. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2008.

MINAYO, M. C. S. (org.); DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa Social – teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2010.

MOREIRA, A. Mercados Populares ou Camelódromos: nascimento e variações de um objeto arquitetônico. II Colóquio (Inter) Nacional sobre o comércio e cidade: uma relação de origem. Anais... Universidade de São Paulo, SP, 17 a 19 de março de 2008.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 2003.

PINTO, A. V. Ideologia e desenvolvimento nacional. MEC – Instituto Superior de Estados Brasileiros. Rio de Janeiro, 1959.

RAMOS, R. M. S. C. M. Respeitável Público: a Escola Nacional do Circo da Praça da Bandeira vem aí.... 2003. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdades de Educação, Centro de Educação e Humanidades, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003.

RIDENTI, M. Em busca do povo brasileiro. 2ª Ed. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

SAVIANI, D. O legado educacional do regime militar. Caderno Cedes, v. 28, n. 76, p. 291-312, 2008. https://doi.org/10.1590/s0101-32622008000300002

SILVA, E. O Circo: sua arte e seus saberes. 1996. Dissertação (Mestrado em História). Departamento de História, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1996.

SILVA, E.; ABREU, L.A. Respeitável Público... O circo em cena. Rio de Janeiro: Funarte, 2009.

SILVA, V. M. A construção da política cultural no regime militar: concepções, diretrizes e programas (1974-1978). 2001. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

SODRÉ, N. W. Quem é o Povo Brasileiro? Cadernos do Povo Brasileiro, v. 2. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1962.

SOUZA, M. G. A gestão de Orlando Miranda no SNT e os paradoxos da “hegemonia cultura de esquerda”. In.: XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH, São Paulo, junho de 2011. Anais... São Paulo, junho de 2011, p. 1-23.

SUBTIL, M. J. D. Marxismo, arte e educação: as potencialidades de humanização pela educação artística. In: SCHLESENER, A. H.; MASSON, G.; SUBTIL, M. J. (orgs). Marxismo(s) e educação. Ponta Grossa, PR: Editora UEPG, 2016.

TONET, I. Método Científico – uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukacs, 2013.

TORRES, A. O Circo no Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE; São Paulo: Atração, 1998.

TRÓTSKI, L. Cultura e Socialismo. (1926-27). Disponível em: http://www.marxismo.org.br. Tradução de Fabiano Adalberto, publicado em 21 de setembro de 2013.