As mulheres e a enologia no sul do país: a história do Colégio de Viticultura e Enologia na cidade de Bento Gonçalves-RS, Brasil (1959-2019)

Main Article Content

Edson Carpes Camargo
Edla Eggert

Resumo

Esse texto volta-se para uma narrativa da história do Colégio de Viticultura e Enologia, criado em 1959 na cidade de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul e que hoje integra o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. Nosso objetivo é apresentar a história da instituição escolar pontuando recortes da história de vida de Adelina Maioli, a primeira mulher a figurar entre o corpo discente do curso Técnico em Enologia. O processo metodológico perpassou a análise documental, bem como a realização de entrevista semiestruturada. Ao admitir o ingresso da primeira estudante em 1959, a instituição despertou a curiosidade sobre outras mulheres para estudarem nessa escola técnica, abrindo caminhos e possibilitando que o olhar de quem pesquisa se tornasse menos rígido sobre as janelas da história que se abrem para as relações de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Camargo, E. C., & Eggert, E. (2019). As mulheres e a enologia no sul do país: a história do Colégio de Viticultura e Enologia na cidade de Bento Gonçalves-RS, Brasil (1959-2019). Cadernos De História Da Educação, 18(3), 656-671. https://doi.org/10.14393/che-v18n3-2019-5
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Edson Carpes Camargo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (Brasil)

Edson Carpes Camargo
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (Brasil)
https://orcid.org/0000-0002-1274-3448
http://lattes.cnpq.br/4271557203774923
edson.camargo@feliz.ifrs.edu.br

Edla Eggert, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil)

Edla Eggert
Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil)
http://orcid.org/0000-0002-1980-7053
http://lattes.cnpq.br/8360909218928418
edla.eggert@pucrs.br

Referências

ANDERLE, Marilei. Histórico da Escola Federal Presidente Juscelino Kubitschek. Bento Gonçalves: UCS, mimeografado, 1998.

BANDEIRA, Lourdes. A contribuição da crítica feminista à ciência. Estudos Feministas, v. 16, n. 1, p. 207-228, 2008. https://doi.org/10.1590/s0104-026x2008000100020

BOHNSACK, Ralf. A interpretação de imagens e o Método Documentário. Sociologias, n. 18, p. 286-311, 2007. https://doi.org/10.1590/s1517-45222007000200013

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados as Escolas de Aprendizes e Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Rio de Janeiro, setembro de 1909.

_____. Decreto-Lei nº 9.613, de 20 de agosto de 1946. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Ensino Agrícola. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, 22 de agosto de 1946.

_____. Decreto nº 538, de 23 de janeiro de 1962. Aprova o Regulamento da Escola de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério de Estado dos Negócios da Agricultura, 1962.

_____. Decreto nº 53.558, de 13 de fevereiro de 1964. Altera a denominação de escolas de iniciação agrícola, agrícolas e agrotécnicas. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Agricultura, 22 de fevereiro de 1964.

_____. Decreto nº 60.731, de 19 de maio de 1967. Transfere para o Ministério da Educação e Cultura os órgãos de ensino do Ministério da Agricultura e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Agricultura, 22 de maio de 1967.

_____. Decreto nº 72.434, de 9 de julho de 1973. Cria a Coordenação Nacional do Ensino Agrícola - COAGRI - no Ministério da Educação e Cultura, atribuindo-lhe autonomia administrativa e financeira e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 10 de julho de 1973.

_____. Relatório Geral do Ministério da Educação e Cultura de 1977. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 1977.

_____. Diretrizes de Funcionamento de Escolas Agrotécnicas. Brasília: MEC/SENETE, 1990.

_____. Decreto 2.406 de 27 de novembro 1997. Regulamenta a Lei Federal nº 8.948/94 (trata de Centros de Educação Tecnológica). Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 27 de novembro de 1997.

_____. Lei 11.892/2008, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 29 de dezembro de 2008.

CARDOSO, Sergio Ricardo Pereira. Os primórdios da educação profissional em Viticultura e Enologia na região da Serra Gaúcha. # Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, v. 1, n. 2, 2012. https://doi.org/10.35819/tear.v1.n2.a1756

COOPERATIVA Escolar e de Trabalho Dos Alunos do Colégio de Viticultura e Enologia Ltda. Livro Ata nº 1, p. 1-100, 1979.

DEL PRIORI, Mary. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidade e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

FIGUEIREDO, Luiz Carlos de. O gênero na educação tecnológica: uma análise de relações de gênero na socialização de conhecimentos da Área de Construção Civil do Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso. 2008, 146 f. Dissertação (Mestrado em Política Científica e Tecnológica) - Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2008.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. de Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2006.

JALFIM, Anete. Elementos para o estudo da agroindústria vinícola: uma abordagem da Cooperativa Vinícola Aurora. Ensaios FEE, v. 14, n. 2, p. 689-708, 1993.

KOLLER, Claudio Adalberto. A perspectiva histórica da criação da Escola Agrotécnica Federal de Rio do Sul e a sua relação com o modelo agrícola convencional. 2003, 182 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2003.

LUPORINI, Teresa Jussara. Memória e fontes iconográficas: os desafios para a pesquisa em história da educação. Revista Diálogo Educacional, v. 5, n. 14, p. 1-29, 2005. https://doi.org/10.7213/rde.v5i14.7379

MACHADO, Lucília R. de Sousa. Educação e divisão social do trabalho: contribuição para o estudo do ensino técnico industrial brasileiro. São Paulo: Autores Associados; Cortez, 1982.

MAIOLI, Adelina Maria Mussoi. Entrevista. Maio de 2013. Entrevista oral concedida a Edson Carpes Camargo.

MARQUES, Oscilene Simões. Análise Curricular da Implementação da Reforma da Educação Profissional na Escola Agrotécnica Federal de Colatina/ES. 2005, 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2005.

SILVA, Henrique M. Alguns apontamentos sobre o uso de fotografias em pesquisas históricas. Revista de História Regional, v. 5, n. 2, 2000.

SILVA, Lidiane Rodrigues Campêlo da et al. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. In: IX Congresso Nacional de Educação–EDUCERE–III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, Paraná. 2009. p. 4554-4566.

SOUZA, Flávio Abreu de. Mudanças promovidas no setor vitivinícola do Rio Grande do Sul pela inserção de profissionais especializados nas áreas de viticultura e enologia. 2005, 159 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

TAVARES, Carlos Alberto. A formação do técnico em agropecuária no sistema escola–fazenda. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, v. 4, p. 314-339, 2007.