Currículo e Educação Física: uma análise do documento de Minas Gerais de 1978

Main Article Content

Cláudio Pellini Vargas
Carlos Fernando Ferreira da Cunha Junior

Resumo

Em meados da década de 1980, emergiu no campo da Educação Física (EF) o conhecido Movimento Renovador. Trata-se de um período fortemente marcado pela influência das teorizações críticas sobre a área, seus professores e suas produções, bem como sobre a elaboração de documentos curriculares. Tendo encontrado potencialização a partir do período de reabertura política do Brasil, ao fim da ditadura militar, o referido movimento tem sido considerado pelos estudiosos da área como um momento de ruptura de paradigma, ou seja, a EF passou a não mais se pautar pela prática exclusiva de desenvolvimento da Aptidão Física no interior escolar. O presente trabalho objetivou analisar o documento curricular de EF escolar de Minas Gerais, publicado em 1978 pela Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais. Por meio de uma abordagem qualitativa de análise de conteúdo, verificamos a sólida presença das teorizações tradicionais de currículo em seu interior, mas destacamos, entretanto, rudimentos do debate crítico que inspirou o movimento citado. Na estrutura, apresentamos a descrição metodológica da investigação, uma síntese das teorizações curriculares e a contextualização da Educação e da EF na década de 1970 no Brasil. A análise é inspirada em referenciais teóricos consagrados na Educação e na EF. Por fim, sustentamos que o documento mineiro, no auge do governo militar, apresentava indícios de uma tensão, a qual já procurava caminhos mais críticos para a EF nas escolas.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Vargas, C. P., & Cunha Junior, C. F. F. da. (2018). Currículo e Educação Física: uma análise do documento de Minas Gerais de 1978. Cadernos De História Da Educação, 17(3), 763-779. https://doi.org/10.14393/che-v17n3-2018-9
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Cláudio Pellini Vargas, Centro Universitário Estácio Juiz de Fora / Colégio de Aplicação João XXIII da UFJF (Brasil)

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Professor Adjunto do Centro Universitário Estácio Juiz de Fora e do Colégio de Aplicação João XXIII da UFJF. E-mail: prof.pellini@yahoo.com.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4060-0401. LATTES: http://lattes.cnpq.br/8218150093623136.

Carlos Fernando Ferreira da Cunha Junior, Universidade Federal de Juiz de Fora (Brasil)

Doutor em Educação (UFMG). Professor do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE / UFJF) e da Faculdade de Educação Física e Desportos da UFJF. E-mail: carlos.fernando@ufjf.edu.br. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7365-9955. LATTES: http://lattes.cnpq.br/9346073096157486.

Referências

APPLE. M. W. Ideologia e Currículo. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BITTENCOURT, C. M. F. Disciplinas escolares: história e pesquisa. In: OLIVEIRA, M. A. T. de; RANZI, S. M. F. (Orgs.). História das disciplinas escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003.

BRACHT, V. A Constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cad. Cedes. Campinas, v. 19, n. 48, p. 69-88, ago. 1999.

BRACHT, V. Aprendizagem social e Educação Física. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRACHT, V.; ALMEIDA, F. Q. A política de esporte escolar no Brasil: a pseudovalorização da Educação Física. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 24, n. 3, p. 87-101, maio de 2003.

CAPARROZ, F. E. Entre a educação física na escola e a educação física da escola.Vitória: CEFD/UFES, 1997.

CHARLOT, B. A pesquisa educacional entre conhecimentos, políticas e práticas:especificidades e desafios de uma área de saber. Revista Brasileira de Educação, v. 11 n. 31 jan./abr. 2006. https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000100002.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da educação física. 2ª ed. revista. São Paulo: Cortez, 2012.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino da educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

CUNHA JUNIOR, C. F. F. da. O Imperial Collegio de Pedro Segundo e o ensino secundário da boa sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

CUNHA, L. A. Contribuição para a análise das interferências mercadológicas nos currículos escolares. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 48, p. 585-809, set./dez. 2011. https://doi.org/10.1590/S1413-24782011000300004.

FERREIRA JÚNIOR, A.; BITTAR, M. Educação e ideologia tecnocrática na ditadura militar. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p. 333-355, set./dez. 2008. https://doi.org/10.1590/S0101-32622008000300004.

GERMANO, José Wellington. Estado militar e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez, 1993.

LOPES, A.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011. Apoio: Faperj.

MACHADO, T. da S.; BRACHT, V. O impacto do movimento renovador da educação física nas identidades docentes: uma leitura a partir da “teoria do reconhecimento” de Axel Honneth. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 3, 849-860, jul./set. de 2016.

MEDINA, J. P. S. A Educação Física cuida do corpo... e “mente”. 24ª ed. Campinas: Papirus, 1983.

MINAS GERAIS. Governo do Estado.Secretaria de Estado da Educação. Assessoria de Educação Física e Desportos Escolares da Superintendência Educacional. A Educação Física no Ensino de Primeiro Grau. 1978.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5ª ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1998.

MOREIRA, A. F. B. A constituição e os rumos iniciais dos estudos de currículo no Brasil. In: PARAÍSO, M. A. (Org.). Antonio Flavio Barbosa Moreira: Pesquisador em currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. da. Currículo, cultura e sociedade. 12ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. Educação Física, currículo e cultura. São Paulo: Phorte, 2009.

NOBREGA, T. P. da; MENDES, M. I. B. de S.; GLEYSE, J. Compreensões de corpo na educação física: análise de conteúdo das revistas EPS (França) e RBCE (Brasil). Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Porto Alegre,v. 38,n. 3,p. 227-234,set.2016. https://doi.org/10.1016/j.rbce.2016.02.011.

PACHECO, J. A. A educação para a cidadania: o espaço curricularmente adiado. Revista Teias, UERJ, v. 01, n. 02, 2001.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

ROMANELLI, O. História da Educação no Brasil. 8ª ed. Petrópolis: Vozes, 1978.

SACRISTÁN, J. G. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3ª Porto Alegre: Artmed, 2000.

SOARES, C. Educação Física: raízes europeias e Brasil. 4ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.