Revolução, contrarrevolução e homossexualidade em Cuba: alguns apontamentos

  • Jorge Luiz Teixeira Ribas

Resumo

Este artigo discute o conceito de "contrarrevolução" na historiografia da
Revolução Cubana, inserindo nesse campo de discussão a eliminação da
homossexualidade como objetivo político dos revolucionários, sendo os
homossexuais considerados pelo regime como contrarrevolucionários por
excelência. A ideia de contrarrevolução é ainda muito restrita a oposições
políticas contrárias à revolução (imperialismo, luta armada e organizações
políticas) negligenciando indivíduos que, malgrado não atuarem
deliberadamente contra o regime, foram combatidos como
contrarrevolucionários com base em critérios morais e sexuais. A
desconsideração dos homossexuais como contrarrevolucionários na
historiografia deve-se ao próprio silêncio existente na historiografia em
relação à perseguição homofóbica promovida pelo regime de Fidel Castro.
Dessa forma, serão abordados os critérios e atividades que têm definido o
campo dos opositores ao regime revolucionário na historiografia,
apontando para as limitações e possibilidades do termo, propondo o
alargamento do debate e aprofundando a compreensão do fenômeno, com
base no delineamento da homossexualidade como lócus
contrarrevolucionário por parte da ideologia revolucionária instaurada em
1959 em Cuba.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luiz Teixeira Ribas

Mestre em História Social pela Universidade Estadual de Montes Claros. Orientado pela Profa. Dra. Ivete Batista da Silva Almeida.

Publicado
2018-12-19
Seção
Artigo Livre