Igreja Católica e a Ditadura Militar em Belo Horizonte na década de 1960: uma Igreja e duas militâncias

  • Adriano Cecatto

Resumo

A relação estabelecida entre Igreja e Estado no período da Ditadura Militar nos remete às transformações da própria Igreja e sua heterogeneidade de sujeitos e práticas, aproximações e distanciamentos do poder político. O objeto de estudo é a Igreja Católica de Belo Horizonte na década de 1960 e sua respectiva relação com o Estado, marcado pelo regime militar. Propomos analisar a relação entre Igreja e Estado, atentando para as tensões e conflitos entre essas instituições e internamente à própria Igreja e seus agentes. Na dimensão metodológica e documental, utilizaremos entrevistas. Podemos verificar que a Igreja de Belo Horizonte se caracterizou pela militância, tanto progressista como conservadora, que, em função dos conflitos internos dos grupos e práticas contraditórias, tardiamente posicionou-se contra o regime militar. Embora o clero se caracterizasse por assumir distintas opções políticas, principalmente em função das orientações de renovação eclesial proposta pelo Concílio Vaticano II, a hierarquia optou por uma postura de acomodação, tanto em relação ao Estado, quanto em relação aos seus agentes eclesiásticos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Cecatto

Doutorando em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atua principalmente nas seguintes temáticas: Catolicismo Brasileiro, Concílio Vaticano II, Ensino de História, Imagem, Formação Docente.

Publicado
2018-12-08
Seção
Artigo Livre