O Retrato do Cardeal Cristoforo Madruzzo, de Tiziano: o relógio e a política no Renascimento

  • Isabel Hargrave Gonçalves da Silva

Resumo

O Retrato do Cardeal Cristoforo Madruzzo foi pintado por Tiziano em 1552. Madruzzo foi anfitrião do Concílio de Trento, de onde era príncipe-bispo. Atuou como embaixador e porta-voz de Carlos V, imperador do Sacro Império Romano Germânico. Como cardeal romano, serviu a mais de cinco papas ao longo de quase trinta anos. Madruzzo encontrava-se como mediador entre as forças e os interesses papais e os do imperador. Seu retrato, pintado por Tiziano, deixa transparecer aspectos desse momento da história europeia. O cardeal é representado no ato de abrir uma cortina vermelha e revelar um precioso relógio mecânico. Longe de ser a primeira vez em que um relógio mecânico aparece num retrato, este se insere numa tradição iconográfica que atribui ao mecanismo diversas conotações morais, como a virtude da temperança, a vanitas, o memento mori. Além disso, o objeto passa a ser visto como um símbolo da regularidade do mundo que, com o advento da ciência, é cada vez mais racional e preciso. O relógio mecânico foi apreciado por colecionadores, como o próprio Carlos V, cujo interesse se devia, em parte, à proliferação de textos políticos que associavam a ação do governante às engrenagens de um mecanismo como o relógio. Enfim, o mecanismo faz-se personagem central da cena, cuja teatralidade brilhantemente construída por Tiziano nos fez percorrer toda essa trajetória.

Palavras-chave: Retrato. Renascimento. Tiziano. Cardeal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Hargrave Gonçalves da Silva
Doutoranda em História da Arte na University of Delaware. Mestre em História pela Universidade Estadual de Campinas.
Publicado
2015-12-18
Seção
Dossiê: Retratos