Carnaval X Entrudo: Formas de Regrar o Carnaval no Rio de Janeiro em fins do Século XIX e Início do Século XX.

  • Fabiana Lopes da Cunha UNESP
Palavras-chave: Cultura

Resumo

O artigo tem como objetivo discutir as tentativas das autoridades do Rio de Janeiro em regrar os festejos carnavalescos e disciplinar os foliões. Algumas das formas de se fazer isso em fins do século XIX e início do XX, estão vinculadas à proibição do entrudo e ao uso de algumas fantasias utilizadas por mascarados avulsos, como as de índio e diabinho, que serão associadas ao atraso e à barbárie, e portanto, a um período da história que parte da intelectualidade do Rio de Janeiro queria esquecer. Tais manifestações estavam em desacordo com as transformações políticas, sociais, culturais e com a imagem de modernidade que a cidade do Rio de janeiro pretendia consolidar nesse período. Nossa principal fonte documental de análise serão as revistas ilustradas Fon-Fon! e Careta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Lopes da Cunha, UNESP
Bacharel e licenciada em História pela Universidade de São Paulo onde também concluiu seu mestrado e doutorado em História Social. Atualmente é docente da Uiversidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" onde coordena um Centro de Documentaçãoe Memória(CEDOM) com o objetivo de preservar a memória local e regional . Tem experiência na área de História com ênfase em História do Brasil , principalmente na área de História Cultural durante o período imperial e republicano até o fim do Estado Novo. Suas temáticas de interesse estão vinculadas à História Social da Cultura e História Atlântica, tais como: música popular, cultura popular (festas), produção cultural contemporânea , diáspora e patrimônio material e imaterial. Em 2004 publicou seu primeiro livro "Da Marginalidade ao Estrelato: O Samba na Construção da Nacionalidade(1917-1945)", pela Editora Annablume.
Publicado
2012-03-08
Seção
Dossiê: Cultura e Política no Brasil República: entre práticas e representações