Da Pinacoteca ao Museu: formas de olhar e consagração política no Pará

  • Caroline Fernandes Silva Universidade Federal Fluminense
  • Moema de Bacelar Alves Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Museu, História, Poder

Resumo

No momento em que o Palácio Antônio Lemos, que abriga a sede da Prefeitura Municipal de Belém e seu único museu - Museu de Arte de Belém (MABE) - está passando por restauro, cabe a nós, historiadores e apreciadores das artes, levantarmos algumas interrogações sobre as escolhas que tem marcado esse espaço. Que narrativas foram criadas e que discursos vem sendo perpetuados? Este artigo problematiza algumas dessas questões a partir da discussão sobre as estratégias de consagração da figura política de Antônio José de Lemos, ex-intendente de Belém, e o processo de formação do acervo da Pinacoteca Municipal no discurso do museu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Fernandes Silva, Universidade Federal Fluminense
Caroline Fernandes é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, com apoio da CAPES, autora da dissertação de mestrado O moderno em aberto: os mundos da arte em Belém do Pará e a pintura de Antonieta Santos Feio defendida em 2009 na mesma instituição; formada em História pela Universidade Federal do Pará, foi estagiária do Museu de Arte de Belém de 2004 a 2005.
Moema de Bacelar Alves, Universidade Federal Fluminense
Moema Alves é aluna de mestrado do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, formada em História pela Universidade Federal do Pará, possui especialização em Conservação do patrimônio Cultural pelo Fórum Landi/UFPA e atuou com Coordenadora do setor de Ação Educativa do Museu de Arte de Belém de 2009 a 2011.
Publicado
2012-03-08
Seção
Arquivo, Documento e Memória