Mulheres operárias e luta jurídica pela proteção à maternidade em Comarcas do Recôncavo baiano (1943-1949)

  • Edinaldo Antonio Oliveira Souza Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: Mulheres operárias, Legislação trabalhista, Justiça do Trabalho, Proteção à maternidade

Resumo

Já previsto no Regulamento Nacional da Saúde Pública, aprovado em 1923, o direito de proteção à maternidade foi instituído nas Constituições de 1934 e de 1937 e regulamentado no terceiro capítulo da CLT, que é dedicado à proteção do trabalho da mulher. Foi concebido na perspectiva do projeto corporativista e dos ideais paternalista e tutelar que informavam a política trabalhista do Estado Novo, especialmente em relação às mulheres operárias, ao mesmo tempo em que buscava atender a demandas emanadas da crescente participação feminina no conjunto do operariado brasileiro. A partir da analise de quatro processos trabalhistas movimentados nas Comarcas de Cachoeira e de Nazaré, no Recôncavo baiano, no período compreendido entre 1943 e 1949, este artigo pretende avaliar, no plano da experiência vivida e no domínio da lei, as implicações desse instrumento jurídico na dinâmica das relações de trabalho, da cultura e da cidadania da mulher operária

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edinaldo Antonio Oliveira Souza, Universidade do Estado da Bahia
Doutorando em História Social pela Universidade Federal da Bahia. Possui Mestrado em História pela mesma Universidade; Especailização em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana e Graduação em História pela Universidade do Estado da Bahia.
Publicado
2012-03-08
Seção
Dossiê: Cultura e Política no Brasil República: entre práticas e representações