ANÁLISE ESPACIAL DOS NÍVEIS DE MERCÚRIO COMO INDICADOR DE MUDANÇA AMBIENTAL E DA QUALIDADE DO SOLO EM SISTEMAS AGROFLORESTAIS NO SUL DA AMAZÔNIA

Main Article Content

Joiada Moreira da Silva Linhares
Wanderley Rodrigues Bastos
Ronaldo de Almeida
Angelo Gilberto Manzatto
Igor Bruno Barbosa de Holanda
Maria Cristina Recktenvald
Deborah Pereira Linhares

Resumo

O sistema agroflorestal (SAF) é o uso da terra que integra no mesmo espaço o
cultivo de espécies agrícolas e silviculturais. O SAF é apontado como estratégico na
mitigação das emissões de dióxido de carbono (CO2) e, é uma alternativa de uso da
terra capaz de atenuar a remobilização de mercúrio em solo cultivado. O objetivo do
estudo foi analisar a variabilidade espacial das concentrações do mercúrio como
indicador de mudança ambiental e da qualidade do solo em diferentes sistemas de
uso e cobertura da terra no Assentamento Rural Umari, sul do Amazonas. Os
procedimentos metodológicos compreenderam a descrição das unidades
experimentais; procedimentos analíticos dos atributos físicos e químicos do solo e;
aplicação de métodos estatísticos espaciais e convencionais. Os solos sob SAF’s
com dez anos ou mais de implantação apresentaram elevada capacidade de
retenção de mercúrio quando comparado ao solo sob agricultura itinerante com ou
sem pousio. Portanto, admite-se que os SAF’s promovem melhorias à qualidade do
solo, contribuindo na retenção de mercúrio depositado na forma gasosa e
particulada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Joiada Moreira da Silva Linhares, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA

Licenciado e Bacharel em Geografia. Mestre e Doutor em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Pesquisador de apoio técnico no Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfang C. Pfeiffer, Universidade Federal de Rondônia. Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, campus Lábrea.

Wanderley Rodrigues Bastos, Fundação Universidade Federal de Rondônia_UNIR

Graduado em Ciências Biológicas pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques (1986), concluiu o mestrado (1997) e doutorado (2004) em Ciências Biológicas (Biofísica Ambiental) no Instituto de Biofísica Carlos Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Associado III pelo Departamento de Biologia; Coordenador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang Christian Pfeiffer desde 1999 e Bolsista de Produtividade CNPq desde 2006. Coordenou de 2007 a 2009 a Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia e atualmente faz parte do seu Colegiado. Integra também os Programas de Pós-Graduação de Biofísica da UFRJ e a Rede BIONORTE. Atuou como chefe do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Rondônia entre 2010/2012. Atuou como membro do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Pesquisa Translacional em Saúde e Ambiente na Região Amazônica (INCT-INPeTAm) coordenado pelo Instituto de Biofísica Carlos C. Filho da UFRJ. Atualmente integra o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para a pesquisa da Transferência de Materiais do Continente para o Oceano (INCT-TMCOcean) coordenado pelo Prof. Dr. Luiz Drude de Lacerda do Laboratório de Ciências do Mar da UFC. Desenvolve estudos na área de: Ambiente & Saúde; Biofísica Ambiental; Biogeoquímica de Poluentes e Ecotoxicologia Aquática (Amazônia).

Ronaldo de Almeida, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Rondônia (2004), mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2006) e doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012). Atuou como professor adjunto Universidade Federal do Amazonas. Atualmente é professor ADJ III da Universidade Federal de Rondônia. Tem experiência nas seguintes áreas: Ecologia com ênfase em Ecologia de reservatórios, atuando principalmente nos seguintes temas: Limnologia de reservatórios, contaminação ambiental e humana por mercúrio na região amazônica. Métodos cromatográficos e espectrométricos para a detecção de mercúrio em matrizes complexas.

 

Angelo Gilberto Manzatto, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Sou professor adjunto II da Universidade Federal de Rondônia (Unir, campus Porto Velho) com regime de dedicação exclusiva e, atuo na área de ecologia, dinâmica e estrutura de florestas amazônicas e ecologia de ecossistemas. Nos últimos anos venho participando como pesquisador colaborador em projetos multidisciplinares e interinstitucionais (CNPq/MCT/PPG7?FaseII; CNPq/CT-Hidro, CNPq/CT-Saúde e CNPq/Universal). Na graduação venho lecionando disciplinas de ecologia de campo, fundamentos de ecologia e de populações e ecologia de comunidades e biodiversidade para o curso de Ciências Biológicas da Unir no município de Porto Velho. Participo como membro permanente dos programas de pós-graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente da Universidade Federal de Rondônia e da REDE BIONORTE - Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal. Sou membro do Programa de Pesquisa em Biodiversidade - PPBIO em Rondônia e do Comité Gestor do INCT-Cenbam (Centro de Estudos da Biodiversidade Amazônica) e Vice-Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PGDRA/UNIR).

Igor Bruno Barbosa de Holanda, Fundação Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Biólogo graduado pela Universidade Federal de Rondônia-UNIR (2008). Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pelo Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente/Área de concentração: Monitoramento Ambiental, também pela Universidade Federal de Rondônia (2012). Técnico de nível superior no laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pfeiffer, Universidade Federal de Rondônia (2005-2014).Possuo experiência em: desenvolvimento regional sustentável, análises ambientais, ecotoxicologia, contaminação ambiental, banco de dados, SIG, geoprocessamento, georeferenciamento e sensoriamento remoto.

Deborah Pereira Linhares, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCA

Possui graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia pela Universidade Federal de Rondônia e mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2009). Atualmente é servidora efetiva (Técnica Administrativa em Educação) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas e pesquisador-colaborador do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental Wolfgang C. Pfeiffer.