ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS QUEIMADAS NO PARQUE NACIONAL DA SERRA DA CANASTRA (MG), ENTRE 1984 E 2017

Main Article Content

Cassiano Gustavo Messias
Marcos César Ferreira

Resumo

Desde os últimos 32 mil anos o fogo tem contribuído para a evolução do Cerrado. Contudo, queimadas muito frequentes, especialmente de natureza antrópica, podem levar à redução da vegetação nativa, tornando-se um problema para a longevidade de Unidades de Conservação. O objetivo geral deste trabalho é analisar a distribuição espacial das queimadas ocorridas no Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais, Brasil, entre 1984 e 2017. O mapeamento visual das cicatrizes foi realizado em Sistemas de Informações Geográficas, por meio de produtos Landsat, e foi gerado o mapa de recorrência de queimadas, que mostra a frequência de queimadas nesse intervalo de tempo. Os resultados mostram que o Chapadão da Babilônia é a área mais atingida, pois não é regularizado. No Chapadão da Canastra, por mais que as características dos ambientes sejam semelhantes ao Chapadão da Babilônia, as queimadas são menos frequentes, devido à regularização e ao desenvolvimento de ações de combate e prevenção de incêndios. Na zona de amortecimento as queimadas atingem áreas inferiores, pois são áreas menos propícias à propagação do fogo, mas o número de cicatrizes é muito superior aos Chapadões. A regularização fundiária é essencial para a redução do fogo no Chapadão da Babilônia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Cassiano Gustavo Messias, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências

Marcos César Ferreira, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências