AGRONEGÓCIO E MUDANÇAS ESPACIAIS: UM ESTUDO DE CASO DO ESPAÇO BARREIRENSE

Main Article Content

Ueliton Basílio de Souza
Pablo Santana Santos
Paulo Roberto Baqueiro Brandão

Resumo

O Agronegócio iniciou sua expansão nos Cerrados do estado da Bahia no final da década de 1970, e a cidade de Barreiras por ocupar uma posição centralizadora na mesorregião do Extremo Oeste Baiano acabou por sofrer os maiores impactos da implantação da agricultura moderna. O artigo analisa o desmatamento ocorrido no município de Barreiras-BA e avalia o impacto desta ocupação histórica na expansão da área urbana deste município, em intervalos temporais de dez anos, tendo como subsídio as imagens dos satélites MSS/LANDSAT-2 e TM/LANDSAT-5. Assim, buscou-se trazer a configuração espacial urbana e municipal estabelecida no município a partir da instalação da agricultura moderna na década de 1980. É necessário entender de forma clara e crítica os impactos gerados sobre Barreiras, para que a compreensão dos erros que foram cometidos no passado possa auxiliar na implementação de política públicas que enfrentem os problemas sociais e estruturais que afligem a população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Ueliton Basílio de Souza, Guará Consultoria Ambiental/Pesquisador

Graduação em Geografia pela Universidade Federal da Bahia. Pesquisador do núcleo de geoprocessamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Atualmente é pesquisador da Guará Consultoria Ambiental. Tem experiência na área de geociências, com ênfase em sensoriamento remoto e Geoprocessamento, atuando principalmente nos seguintes temas: sensoriamento remoto, focos de calor, pluviometria, sensoriamento remoto, agronegócio e cerrado.

Pablo Santana Santos, Universidade Federal do Oeste da Bahia/Professor Adjunto.

Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Goiás - UFG/LAPIG. Possui Mestrado em Sensoriamento Remoto pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE (2007), e Graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2003). Atualmente é Professor Adjunto e Coordenador do Laboratório de Geoprocessamento da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB). Tem experiência na área de Sensoriamento Remoto, Cartografia e Geoprocessamento, atuando principalmente nos seguintes temas: Uso da Geotecnologia no Planejamento e Monitoramento Ambiental, Aplicações dos Principais Sensores Remotos, Fundamentos de Radiometria, Processamento Digital de Imagens, Análise Espacial de Dados Geográficos, Cartografia Digital, Previsão de Safras Agrícolas, Estatística Aplicada ao Sensoriamento Remoto, Modelagem Espacial e Classificação de Imagens.

Paulo Roberto Baqueiro Brandão, Universidade Federal do Oeste da Bahia/Professor Adjunto.

Graduação em Geografia (Licenciatura) pela Universidade Federal da Bahia, especialização em Gerenciamento Ambiental pela Universidade Católica do Salvador, mestrado em Geografia pela Universidade Federal da Bahia e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor Adjunto dos cursos de Geografia, Bacharelado Interdisciplinar em Humanidades e do Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), Campus Edgard Santos, em Barreiras (BA). Atualmente ocupa o cargo de Pró-Reitor de Extensão e Cultura dessa Instituição Federal de Ensino Superior. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Urbana, Geografia Histórica e Geografia do Turismo.