AS POSSIBILIDADES DA REVOLUÇÃO CULTURAL: UM PARALELO ENTRE AS CONCEPÇÕES DE HERBERT MARCUSE E HENRI LEFEBVRE

Main Article Content

Paulo Irineu Barreto Fernandes
Rosselvelt José Santos

Resumo

O objetivo deste artigo é estabelecer uma relação entre as concepções de revolução cultural em Marcuse e Lefebvre, a partir da maneira como os dois filósofos visualizaram a revolução, no contexto do capitalismo. Os pontos de partida são: a crítica marcuseana ao caráter afirmativo da cultura e a crítica de Lefebvre à ideologia capitalista. Defende-se a hipótese de que as razões que levaram Marcuse a se aproximar das manifestações artísticas revolucionárias foram as mesmas que fizeram Lefebvre se aproximar do estudo do cotidiano. Para realizar a pesquisa, a metodologia aplicada foi revisão de literatura e leitura de obras dos autores em que as questões propostas aparecem com mais frequência, a saber: o texto "33 teses", do livro Tecnologia, guerra e fascismo, os textos "A arte na sociedade unidimensional" e "Sobre o caráter afirmativo da cultura", de Marcuse e os textos "Filosofia e conhecimento do cotidiano", "Como nomear a sociedade atual?" e "Rumo a uma revolução cultural permanente", do livro A vida cotidiana no mundo moderno, de Lefebvre. Concluímos, provisoriamente, que enquanto em Marcuse a revolução cultural exige uma mudança na sensibilidade; em Lefebvre, a revolução cultural se dá no próprio processo do cotidiano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Paulo Irineu Barreto Fernandes, Instituto Federal do Triângulo Mineiro

Doutorando em Geografia Humana e Cultural no Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlãndia - Professor de Filosofia no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro

Rosselvelt José Santos, Universidade Federal de Uberlândia

Professor Associado IV da Universidade Federal de Uberlândia.