CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR CHUMBO EM CAÇAPAVA-SP.

Main Article Content

Raquel Henrique
Raul Borges Guimarães
Elivelton da Silva Fonseca

Resumo

Este artigo apresenta uma investigação confirmatória sobre a contaminação por chumbo no município de Caçapava-SP, tendo como objeto de análise a área de instalação de uma extinta fábrica recicladora de baterias automotivas. O principal agravante deste caso é a existência de toneladas de escória de chumbo armazenada de modo irregular nas instalações da fábrica. Para tanto, realizou-se quatro coletas de amostras do solo dentro dos limites da fábrica e uma coleta de amostra de água superficial de um córrego que passa próximo a sua divisa. Tendo como parâmetro de controle para as análises das amostras a resolução CONAMA 357/05 e 420/2009, a máxima identificada entre as amostras de solo foi 344%, acima do valor limite máximo estabelecido pela resolução. Já na amostra de água, o valor encontrado foi 56000% superior ao limite máximo permitido. Estes resultados apontam para uma contaminação ambiental por chumbo, mesmo após mais de dez anos de falência da empresa. O processo de exploração do chumbo tem-se apresentado como um grave problema de saúde pública, uma vez que o metal não possui função fisiológica para o corpo humano e este setor de atividades tem deixado um grande legado de contaminação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Raquel Henrique, FCT Unesp

Possui graduação de Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2011) e Bacharel em Geografia pela mesma instituição. Formou-se em Técnica em Agrimensura em julho de 2012. Possui conhecimento em SIGs e CADs, como SPRING e AUTOCAD, e topografia. Na área de Geografia, possui experiência em Geografia Humana, com ênfase na Geografia da Saúde.

Raul Borges Guimarães, FCT Unesp

Possui graduação em Geografia - Licenciatura e Bacharelado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1985), mestrado em Geografia Humana pela Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da USP (1994), doutorado em Geografia (Geografia Humana) pela mesma faculdade em 2000 e livre docência pela Faculdade de Saúde Pública da USP em 2008. Desenvolveu dois programas de pós-doutorado: em 2001, no Laboratório de Planejamento Urbano e Cidades Saudáveis da Universidade do Oeste da Inglaterra (UWE), em Bristol (Reino Unido); em 2009, no Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Geografia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, campus de Presidente Prudente. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia da Saúde, atuando também nos seguintes temas: geografia urbana, exclusão social, política pública e cartografia temática.

Elivelton da Silva Fonseca, FCT Unesp

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Viçosa (2005), mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2008) e doutorado em Geografia na Unesp de Presidente Prudente. Tem experiência na área de Geografia da Saúde e análise espacial de doenças veiculadas pelo ambiente. Atua como integrante do Laboratório de Biogeografia e Geografia da Saúde da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Unesp de Presidente Prudente, como colaborador do Centro de Laboratório Regional Instituto Adolfo Lutz de Presidente Prudente V.