DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE PULMONAR NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO NORTE DO BRASIL.

  • Isabelle Ribeiro Barbosa Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva - Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Cândida Lisiê Fernandes Cosme
Palavras-chave: Tuberculose, Tuberculose pulmonar, Epidemiologia, Distribuição espacial, Brasil.

Resumo

A Tuberculose é uma endemia de grande impacto na saúde pública brasileira, e o uso de mapas para análise da espacialização de indicadores torna-se uma importante ferramenta para subsidiar as ações de controle dessa doença. O objetivo desse estudo foi analisar a distribuição espacial dos casos novos de tuberculose pulmonar na região Norte do Brasil. Trata-se de um estudo ecológico que utiliza a distribuição espacial de dados secundários de casos novos de tuberculose diagnosticados em residentes nos municípios do Norte do Brasil nos anos de 2005 a 2010. Analisou-se os principais indicadores da doença. Foram diagnosticados 41.832 casos novos de Tuberculose; o estado do Amazonas registrou a maior incidência; 84,9% dos casos foram classificados como Tuberculose pulmonar; a taxa de letalidade foi de 5,43%. Os municípios com as maiores médias anuais de casos novos foram Manaus, Belém e Ananindeua. O percentual de co-infecção com o Vírus da Imunodeficiência Humana foi de 4,17%; 1533 casos foram registrados em menores de 15 anos. A taxa de cura foi menor que 85% em mais de 80% dos municípios. Os indicadores de Tuberculose na Região Norte do Brasil estão aquém das metas preconizadas pelo Ministério da saúde, apontando para a necessidade de implementação de políticas de saúde voltadas para populações residentes em áreas de maior risco.

Biografia do Autor

Isabelle Ribeiro Barbosa, Programa de pós-graduação em Saúde Coletiva - Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Farmacêutica Bioquímica, Especialista em Epidemiologia, Especialista em saúde Pública, Mestre em Ciências Biológicas, Doutoranda em Saúde Coletiva.
Cândida Lisiê Fernandes Cosme
Enfermeira, Especialista em Epidemiologia pela Universidade Federal de Goiás.
Publicado
2013-10-18