MORFOLOGIA CÁRSTICA DO MACIÇO QUARTZÍTICO DA GRUTA DO SALITRE, DIAMANTINA - MG

Main Article Content

Hernando Baggio
Fernanda Cristina Rodrigues
Wallace Magalhães Trindade

Resumo

Este artigo teve com objetivo caracterizar a morfologia cárstica desenvolvida em rochas silicatadas - quartzitos da Gruta do Salitre em Diamantina-MG, inserida nos domínio litológicos do Supergrupo Espinhaço - Grupo Guinda (Formação Sopa Brumadinho). Três etapas de trabalho compuseram as bases metodológicas: revisão bibliográfica e cartográfica, interpretação de imagens satélite; pesquisas de dados secundários no Cadastro Nacional de Cavernas (CNC) e Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE); tabulação de dados. A segunda etapa consistiu em três campanhas de campo - 2009, 2010 e 2011 - prospecção; levantamento da morfologia cárstica e feições espeleológicas, observação e interpretação entre fatores litoestruturais, o carste e a deposição espeleológica. A terceira etapa ficou por conta da interpretação dos resultados obtidos, uso do software ArcGis 9.3. Constatou-se que a gênese da gruta do Salitre encontra-se relacionada ao processo de dissolução química. A deposição e o desenvolvimento das microfeições estão associadas ao direcionamento das linhas estruturais (SW-NE), que contribuíram para a percolação hídrica no maciço e esta, juntamente com os demais agentes intempéricos, ocasionaram a dissolução química do quartzito. As semelhanças entre as características cársticas desenvolvidas em rochas carbonáticas e não carbonáticas demonstram que a geomorfologia da área de estudo deve ser considerada carste e não pseudocarste. Afinal, a diferença corresponde apenas ao tamanho dos espeleotemas, devido às propriedades e composição mineralógica da rocha, uma vez que, litologias carbonáticas possuem maior friabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Hernando Baggio, professor adjunto - ufvjm

Professor adjunto da UFVJM, coordenador da laboratório de Geoquímica Ambiental, pós-doutor em geoquímica ambiental - UFOP,doutor em Geologia - UFMG, mestre em Geografia - UFMG. Linha de pesquisa em gemorfologia, geoquímica ambiental, hidrologia, análise ambiental. Atualmente coordena tres projetos de pesquisa - fomento FAPEMIG, CNPq e UNESCO.

Fernanda Cristina Rodrigues

Geográfa, atualmente atuando no setor privado.

Wallace Magalhães Trindade, UNIMONTES

Mestre em Geologia - UFMG, atualmente é professor de geomorfologia da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES