IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS RELEVANTES PARA CONSERVAÇÃO COM BASE EM INDICADORES BIOLÓGICOS: SUBSÍDIO AO ZONEAMENTO DE DOIS PARQUES NACIONAIS NO CERRADO BRASILEIRO

Reuber Albuquerque Brandão, Renata Dias Françoso, Victor Botelho Graça Veras Batista

Resumo


A identificação de zonas de manejo de uma unidade de conservação é uma peça-chave para o sucesso de sua gestão. Esse zoneamento, proposto no plano de manejo, baseia-se nos atributos dos ecossistemas inseridos nos limites e entorno da unidade de conservação. No entanto, a proposição de zonas geralmente é um processo mais empírico que técnico. Isso ocorre devido à carência de ferramentas capazes de unir atributos ambientais e valores biológicos dispersos na paisagem. Aqui é apresentada uma ferramenta de análise que identifica regiões de diferentes graus de relevância biológica com base no cruzamento de camadas de informação espacial (declividade, altimetria, classes de vegetação), com um índice denominado Valor de Importância Biológica (VIB) produzido pela riqueza e grau de ameaça da fauna em diferentes pontos amostrais. Os registros pontuais de fauna foram obtidos durante uma Avaliação Ecológica Rápida dos Parques Nacionais da Serra da Bodoquena e Chapada dos Guimarães para seu plano de manejo. A importância das diferentes camadas de informação (biológica e espacial) foi ponderada utilizando ferramentas de GIS. Este método representou eficientemente as características da paisagem, ajudou a delimitar a zona de amortecimento e indicou a relevância de cada fitofisionomia das Unidades de Conservação na conservação da biodiversidade.

Palavras-chave


Zoneamento, Unidade de Conservação, Parque Nacional

Texto completo:

PDF