ESTUDO DA CO-PRESENÇA DE VARIÁVEIS SÓCIO-AMBIENTAIS E A OCORRENCIA DE ENTEROPARASITOSES EM OURO PRETO, MG.

Main Article Content

Elivelton da Silva Fonseca
George Luis Lins Machado Coelho
Ana Clara Mourão Moura

Resumo

RESUMO - O objetivo do trabalho é discutir a correlação espacial entre a distribuição de enteroparasitoses de veiculação hídrica e por solos contaminados e as condições sócio-ambientais da cidade de Ouro Preto. O conjunto de dados é resultante de coletas de exames do Lapac-UFOP, dados de infra-estrutura/domicílios coletados pelo LEPI-UFOP e Secretaria Municipal de Saúde de Ouro Preto (SMS-OP) e dados do censo 2000. Realizou-se a junção dos dados de exames com os dados de infra-estrutura através da geocodificação dos endereços. O tratamento dos dados de saneamento/setor censitário foram as conversões vetor/raster. Os dados de exames/domicílios foram tratados na análise espacial por kernel. As varreduras espaciais mostraram forte correlação espacial entre a ocorrência de enteroparasitoses e a média de renda baixa (100%), a alta concentração de pessoas/setor (92,29%), a baixa infra-estrutura de coleta e destinação do esgoto (78%) e a baixa escolaridade (70%). Uma fraca correlação espacial foi observada da baixa infra-estrutura de coleta e destinação do lixo (51%) e do abastecimento de água (18,74%) com as enteroparasitoses. Com o saneamento, variável que combina os dados de coleta e destinação do lixo e do esgoto e o abastecimento de água, observou-se uma correlação significativa (59,37%). Na discussão dos resultados observou-se que: Morro Santana, Morro da Queimada, Antonio Dias, de ocupação mais recente, são áreas com prioridade de intervenções.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Elivelton da Silva Fonseca, Maria José da Silva Fonseca

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Viçosa (2005) e mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2008). Atualmente é aluno do curso de doutorado em Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (2009), linha de pesquisa Prevenção e Controle dos Agravos à Saúde. Tem experiência na área de Geografia da Saúde e análise espacial de doenças veiculadas pelo ambiente. Atua como integrante do grupo de pesquisa Geoschisto.