Germinação e crescimento de plântulas de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong em função da localização da semente no fruto e regimes de temperatura

  • Bruno França da Trindade Lessa Universidade Federal do Ceará
  • João Paulo Nobre de Almeida Universidade Federal do Ceará
  • Charles Lobo Pinheiro Universidade Federal do Ceará
  • Francisco Carlos Barboza Nogueira Universidade Federal do Ceará
  • Sebastião Medeiros Filho Universidade Federal do Ceará

Abstract

O conhecimento dos aspectos que envolvem todo o mecanismo do processo de germinação de sementes em espécies florestais ainda se encontra muito aquém em comparação com as espécies cultivadas. Objetivou-se estudar a influência da localização da semente no fruto sobre a germinação e crescimento de plântulas de tamboril (Enterolobium contortisiliquum) sob dois regimes de temperatura. Foram separadas as sementes das regiões proximal, central e distal do fruto. As sementes de cada região foram submetidas aos testes de primeira contagem, porcentagem final e índice de velocidade de germinação, em dois regimes de temperatura (25 °C constante e 20-30 °C alternados), além do envelhecimento acerado. As plântulas provenientes desses testes foram analisadas pelas determinações do comprimento e massa seca da parte aérea, raiz e total. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, seguindo um esquema fatorial 3x2 (três regiões e duas temperaturas) com quatro repetições. Os dados com distribuição normal foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey (5%); quando não normal utilizou-se o teste não paramétrico de Mann-Whitney (5%). Houve interação dos fatores para o índice de velocidade de germinação, comprimento total, massa seca total e massa seca da parte aérea das plântulas. Não se observou diferenças entre as localizações para as variáveis de avaliação das plântulas. Quanto à germinação, sob 25 °C as sementes da região distal do fruto germinaram mais rapidamente. Independente dos tratamentos a porcentagem de germinação foi sempre superior a 95%, mesmo quando envelhecidas. Conclui-se que não há diferença entre as temperaturas de 25 e 20-30 °C para a germinação de tamboril; que a localização das sementes no fruto não influencia na formação das plântulas; e que a velocidade de germinação e o crescimento das plântulas provenientes de sementes das regiões proximal e distal são mais sensíveis às mudanças de temperatura.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Bruno França da Trindade Lessa, Universidade Federal do Ceará
Engenheiro Agrônomo, Mestre em Agronomia-Fitotecnia, Doutorando em Agronomia-Fitotecnia.
João Paulo Nobre de Almeida, Universidade Federal do Ceará
Engenheiro agrônomo, Mestrando em Agronomia-Fitotecnia.
Charles Lobo Pinheiro, Universidade Federal do Ceará
Técnico agrícola, graduando em Engenharia Agronômica.
Francisco Carlos Barboza Nogueira, Universidade Federal do Ceará
Engenheiro agrônomo, Mestre em Agronomia, Doutor em Ecologia e Recursos Naturais.
Sebastião Medeiros Filho, Universidade Federal do Ceará
Professor Associado ii, Engeheiro Agrônomo, Mestre e Doutor em Agronomia.
Published
2014-08-05
How to Cite
Lessa, B. F. da T., Almeida, J. P. N. de, Pinheiro, C. L., Nogueira, F. C. B., & Medeiros Filho, S. (2014). Germinação e crescimento de plântulas de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong em função da localização da semente no fruto e regimes de temperatura . Bioscience Journal, 30(5). Retrieved from http://www.seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/22419
Section
Agricultural Sciences