História e etnografia a partir de uma peça cerimonial Mawé: a tábua de paricá

  • Marcel Mano
Palavras-chave: viagem filosófica, história indígena, mitologia e ritual

Resumo

O artigo busca situar histórica e etnograficamente uma peça coletada no segundo quarto do século XVIII pela expedição de Alexandre Rodrigues Ferreira. Trata-se da bandeja zoomorfa para a aspiração do pó narcótico paricá colhida entre os Mawé por volta de 1786 e mencionada por Ferreira também entre os Mura, ambos os grupos da área Madeira-Tapajós. Ao remeter tal peça para Lisboa o naturalista procedeu a uma ilustração com uma breve descrição do ritual e uma prancha representativa de seu uso. Embora conhecidos, tanto a bandeja como o ritual, hoje extintos, não foram ainda colocados em relação à história e etnologia dessa área. Assim, a partir de um diálogo entre Antropologia e História este texto apresenta a peça, sua ornamentação e aspectos que envolviam o ritual descritos por Ferreira, relacionandoos a alguns temas da mitologia, da etnografia e da etnohistória do grupo e da área que ocupam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcel Mano

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professor do Instituto de Ciências Sociais e dos Programas de Pós-graduação em Ciências Sociais e em História da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Coorganizador, entre outros livros, de A formação do professor de Ciências Sociais: desafios e possibilidades. Uberlândia: Edufu, 2018. 

Referências

ACUÑA, Cristobal de. Descobrimento do rio das Amazonas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1941.

BALÉE, William and GELY, Anne. Maneged forest sucesson in Amazônia: the Ka’apor case. Advances in Economic Botany, 7, 1989.

BARBOSA RODRIGUES, João. Exploração e estudo do valle do Amazonas: Rio Tapajós. Rio de Janeiro: Typografia Nacional, 1875.

BATES, Henry W. Um naturalista no Rio Amazonas. Belo Horizonte-São Paulo: Itatiaia/Edusp 1979.

BETENDORF, João Felipe de. Chronica da missão dos padres da Companhia de Jesus [1669]. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 72, 1910.

CARVALHO, José Candido de Melo. Viagem filosófica pelas Capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá (1783-1793): uma síntese em seu bicentenário. Belém: Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico e Museu Paraense Emilio Goeldi, 1983.

CARVALHO, Silvia Maria S. Jurupari estudos de mitologia brasileira. São Paulo: Ática, 1979.

CHAGNON, Napoleon. Yanomamo: the fierce people. 2. ed. New York: Holt, Rinehartand and Winston, 1974.

DOMINGUES, Ângela Maria Vieira. Os índios da Amazónia para um Naturalista do séc. XVIII. Ler História, n. 23, Lisboa, 1992.

FAUSTO, Carlos. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo: Edusp, 2001.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Viagem filosófica pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá: iconografia, v. I. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1971.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Viagem filosófica pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá: memórias – zoologia/botânica. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1972.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Memória sobre os instrumentos de que usa o gentio para tomar o tabaco – Paricá. In: Viagem filosófica pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1974.

FRIKEL, Protásio. Áreas de arboricultura pré-agrícola na Amazônia. Revista de Antropologia, v. 21, n. 1, São Paulo, 1978.

FRIKEL, Protásio. Mori – a festa do paricá – índios Kachuyana; Rio Trombetas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi: nova série Antropologia, n. 12, jul. 1961.

FRIKEL, Protásio. Mori –a festa do paricá. In: COELHO, Vera P. (org). Os alucinógenos e o mundo simbólico. São Paulo: EPU/Edusp, 1976.

FRITZ, Samuel. Mapa geográfico do Marañon o Amazonas año 1691. In: RIO BRANCO, Barão de. Atlas contenant um choice de cartes anteriéures conclua Utretchle 11 avril de 1713 entre Portugal et le France em memorie presente perle Etats unis du Brésil ao gouvernement de la France, tomo VI, 1899.

GALVÃO, Eduardo. Encontro de sociedades: índios e brancos no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

GOLDMAN, Irving. The Cubeo. Chicago: Universityof Illinois Press, 1979.

HARTMANN, Teckla. Artefactos indígenas brasileiros em Portugal. Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa, série 100 (1-2), 1982.

HERIARTE, Maurício de. Descrição do estado do Maranhão, Pará, Corupá e Rio Amazonas. In: VARNHAGEN, Francisco A de. (ed.) História Geral do Brasil. São Paulo-Brasília: Melhoramentos/Instituto Nacional do Livro, 1975, v. 3.

HUGH-JONES, Stephen. The palmand the Pleiades: initiation and cosmology in Northwest Amazonia. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.

KOCK-GRUNBERG, Theodor. Wörterlisten Tupy, Maué und Purubora. Jornal de la Société des Amedicanistes, 24 (1), 1932.

LABATE, Beatriz. Entrevista: uma antropologia que floresce fora da academia: Anthony Henman e el cactos San Pedrito. Revista de Estudos da Religião, ano 4, n. 1, São Paulo, 2004.

LATHRAP, Donald. O alto Amazonas. Lisboa: Verbo, 1975.

LEACOCK, Seth. Economic life of Maué Indians. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, n. 19, 1964.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil. Rio de Janeiro-Lisboa: Imprensa Nacional, 1943.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Locrudo y lococido. Mexico: Fondo de Cultura Económica, 1996 (Série Mitológicas, v. 1).

LÉVI-STRAUSS, Claude. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. 5. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

LORENZ, Sonia. Relatório sobre a situação Satere-Mawé. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista, 1984.

LOUKOTKA, Cestmír. Classification of south american indian languages. Los Angeles: University of California, 1968.

MAIA, J. G Soares e RODRIGUES, Willian A. Virola theiodora como alucinógena e toxica. Acta Amazônica, v. 4, n. 1, abr. 1974.

MANO, Marcel. As crônicas jesuíticas e a história indígena no médio Amazonas – séculos XVII e XVIII: os Tupinambaranas. Crítica e Sociedade: Revista de Cultura Política, v. 7, n. 1, Uberlândia, 2017.

MATTOS, João Wilkens de. Relatório da Diretoria Geral dos Indios, pelo seu Director Geral em 25 de agosto de 1858: anexo ao relatório que o Presidente de Província Francisco José Furtado apresentou à Assembleia Legislativa do Amazonas em 07 de setembro de 1858. Manaus: Typographia de José da Silva Ramos, 1858.

MENÉNDEZ, Miguel A. Uma contribuição para a etno-história da área Madeira-Tapajós. Revista do Museu Paulista, n. 28, 1981/1982.

MENSE, Hugo. Língua Mundurucu – vocabulários especiais – vocabulários Apalaí, Viaboi e Maué. Arquivos do Museu Paranaense, v. 1, Curitiba, 1974.

MÉTRAUX, Alfred. La civilization materialle dês tribus Tupi-Guarani. Paris: Librerie Orientaliste Paul Geuthner, 1928.

MORÁN, Emilio F. A ecologia humana das populações da Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1990.

NIMUENAJU, Curt. The Maué and Arapiun. In: Handbook of south americanindians. Washington: Bureau of south american ethnology, bulletin 143, v. III, 1948.

NIMUENDAJU, Curt. Textos indígenas. São Paulo: Loyola, 1982.

NUNES PEREIRA, Manuel. Ensaio de etnologia amazônica. Sobre uma peça etnográfica Maué. Cadernos Terra Imatura, n. 1, Manaus, Imprensa Pública, 1942.

NUNES PEREIRA, Manuel. Os índios Maués. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1954.

NUNES PEREIRA, Manuel. Moronguetá: um decamerón indígena. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

PIMENTA, Angela. Raízes antigas – em Manaus exposição traz acervo indígena do século XVIII. Veja, v. 30, n. 13, São Paulo, abr. 1997.

POSEY, Darrell A. Manejos de floresta secundária, capoeiras, campos e cerrados (Kayapó). In: RIBEIRO, Berta (org.). Suma etnológica brasileira: etnobiologia. Petrópolis: Vozes, 1986, v. 1.

RAMINELLI, Ronald e SILVA, Bruno da. Teorias e imagens antropológicas na viagem filosófica de Alexandre Rodrigues Ferreira (1783-1792). Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, v. 9, n. 2, Belém, maio-ago. 2014.

RAMINELLI, Ronald. Do conhecimento físico e moral dos povos. Mare Liberum, v. 22, n. 32, 2001.

REICHEL-DOLMATOFF, Gerardo. Amazonian cosmos: the sexual and religious symbolism of theTukano indians. Chicago: Universityof Chicago Press, 1971. SCHADEN, Egon. A mitologia heróica de tribos indígenas do Brasil. São Paulo: Edusp, 1989.

RODRIGUES, Ayron. Relações internas na família linguística Tupi-Guarani. Revista de Antropologia, v. 27/28, 1984/1985.

ROMANO, Jorge R. Índios proletários em Manaus: o caso dos Satere-Mawé citadinos. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – UnB, Brasília, 1982.

SÃO JOSÉ, João de. Viagem e visita ao sertão em o bispado do Grão-Pará em 1762 e 1763. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, v. 9, n. 1, 2, 3 e 4, 1847.

SEITZ, Georg J. Os Waiká e suas drogas. In: COELHO, Vera P. (org.) Os alucinógenos e o mundo simbólico: o uso de alucinógenos entre os índios da América do Sul. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária/Edusp, 1976.

SILVA, Arystides Resende e SALES, Agust. Crescimento e produção de paricá em diferentes idades e sistemas de cultivo. Advances in Forestry Science, v. 5, n. 1, Cuiabá, 2018.

SPIX, Johann Baptiste von e MARTIUS, Carl Friedrich P. von. Viagem pelo Brasil (1817-1820). 28. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1981.

STRADELLI, E. “La Leggenda del Jurupary” e outras lendas amazônicas. Caderno n. 4: Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, São Paulo, 1964.

SUSNIK, Branislava. Dispersión Tupi-Guarani pré-histórica: ensayo analítico. Assunción: Museu Etnográfico Andres Barbero, 1975.

UGGÉ, Enrique. Mitologías ateré-maué. Quito-Roma: Abya-Yala/MLAL, 1991.

UGGÉ, Enrique. As bonitas histórias Sateré-Mawé. Manaus: Imprensa Oficial/Secretaria de Educação do Estado do Amazonas, 1997.

WÁSSEN, S. Henry. Considerações sobre algumas drogas indígenas, em especial o rapé, e a parafernália pertinente. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, v. 3, São Paulo, 1993.

ZERRIES, Otto. Atributos e instrumentos rituais do xamã na América do sul não andina e o seu significado. In: HARTMANN, Tekla e COELHO, Vera P. (orgs.). Contribuição à Antropologia em homenagem ao Prof. Egon Schaden. São Paulo: Edusp, 1981.

Publicado
2020-06-10
Como Citar
Mano, M. (2020). História e etnografia a partir de uma peça cerimonial Mawé: a tábua de paricá. Artcultura, 22(40), 255-276. https://doi.org/10.14393/artc-v22-n40-2020-56987
Seção
Artigos