O U dy grudy na Distanteresina: tropicália, contracultura e a moderna canção popular no Piauí

  • Hermano Carvalho Medeiros
Palavras-chave: moderna canção popular piauiense, contracultura, tropicália.

Resumo

Em 1973, um grupo de jovens estreou em Teresina o espetáculo U dy grudy... ou como diz Daniel Más, referido na imprensa como o “primeiro show montado no Piauí”. Além das apresentações musicais, ele contou com leituras de poemas, intervenções teatrais e improvisos cênicos que mesclavam os arcaísmos e as modernidades culturais brasileiras numa espécie de happening tropicalista-contracultural. Neste artigo procura-se evidenciar ― mais do que pensar as influências dos tropicalistas e da contracultura na periferia do mercado de bens culturais nacional ― as apropriações e fabricações simbólicas no processo de produção e criação desse evento. Mais ainda, buscase ressaltar como, então, a canção popular foi tomada como expressão não apenas de consumo estético ou de entretenimento, mas também como instrumento de elaboração crítica e veículo de proposição de determinadas visões de mundo no panorama das artes do Brasil daqueles anos. E, nesse contexto, U dy grudy pode ser visto como um prelúdio da constituição da moderna canção popular piauiense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hermano Carvalho Medeiros

Mestre em História pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Doutor em História pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Coorganizador do livro História & música popular. Teresina: Edufpi, 2013.

Referências

ANDRADE, José Maria Vieira de. Rádio Pioneira de Teresina: “a emissora que não para”. In: NASCIMENTO, Francisco Alcides do e SANTIAGO JR., Francisco das Chagas Fernandes (orgs.). Encruzilhadas da história: rádio e memória. Recife: Bagaço, 2006.

ARAÚJO, Paulo Cesar de. Eu não sou cachorro, não: música popular e ditadura militar. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

AVE SANGRIA. Ave Sangria, LP Continental, 1974.

BAHIANA, Ana Maria. Nada será como antes: MPB anos 70 – 30 anos depois. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2006.

BARROS, Patrícia Marcondes de. Provocações brasileiras: a imprensa contracultural made in Brazil – coluna Underground (1969-1971), Flor do Mal (1971) & a Rolling Stone brasileira (1972-1973). Tese (Doutorado em História) – Unesp, Assis, 2007.

BASTOS, Cristiano. Agreste psicodélico. Rolling Stone, 24. ed. São Paulo, 18 set. 2008. Disponível em <http://rollingstone.uol.com.br/edicao/24/agreste-psicodelico#imagem0>.

BETHÂNIA, Maria. Drama - 3º ato (ao vivo), LP Philips, 1973.

BOSI, Ecléa. O tempo vivido da memória: ensaios de psicologia social. 2. ed. São Paulo: Ateliê, 2003.

BRANDÃO JÚNIOR, Ernani José. Um formigueiro sobre a grama: a produção histórica da subjetividade underground em Teresina-PI na década de 1970. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – UFPI, Teresina, 2011.

BRANDÃO, Laura Lene Lima. Juventudes em trânsito: práticas juvenis, espacialidades e corporalidades em Teresina na década de 1970. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – UFPI, Teresina, 2015.

BRITO, Fábio Leonardo Castelo Branco. Torquato Neto e seus contemporâneos: vivências juvenis, experimentalismo e guerrilha semântica em Teresina. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – UFPI, Teresina, 2013.

CASTELO BRANCO, Edwar de Alencar. Táticas caminhantes: cinema marginal e flanâncias juvenis pela cidade. Revista Brasileira de História, v. 27, n. 53, São Paulo, 2007.

CASTELO BRANCO, Edwar de Alencar. Todos os dias de paupéria: Torquato Neto e a invenção de tropicália. São Paulo: Annablume, 2005.

CASTRO, Francisco José Leandro Araújo de. Virar ao avesso os sentidos: linguagem, micropolítica e (re)apropriação midiática no jornalismo experimental juvenil teresinense nos anos iniciais da década de 1970. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – UFPI, Teresina, 2014.

CATROGA, Fernando. Os passos do homem como restolho do tempo: memória e fim do fim da história. Coimbra: Almedina, 2009.

CORREA, Priscila Gomes. Performance e resistência no Festival Phono 73. Disponível em <http://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502795338_ARQUIVO_PerformanceeResistencianoFestivalPhono73textocompletojulho2017.pdf>.

CÔRTEZ, LULA e RAMALHO, Zé. Paêbiru: o caminho da montanha do sol, LP Solar, 1975.

COSTA, Carmen. Carmen Costa, 78 rpm Copacabana, 1953.

DIETRICH, Peter. Araçá azul: uma análise semiótica. Dissertação (Mestrado em Linguística) – USP, São Paulo, 2003.

DINIZ, Sheyla Castro. Desbundados e marginais: MPB e contracultura nos “anos de chumbo”. Tese (Doutorado em Sociologia) – Unicamp, Campinas, 2017.

FAVARETTO, Celso Fernando. Tropicália, alegoria, alegria. 2. d. São Paulo: Ateliê, 1996.

FONTINELES, Cláudia Cristina da Silva. O recinto do elogio e da crítica: maneiras de durar de Alberto Silva na memória e na história do Piauí. Tese (Doutorado em História) – UFPE, Recife, 2009.

FRANCO, Walter. Ou não, LP Continental, 1973.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2003.

LIMA, Frederico Osanan Amorim. Curto-circuitos na sociedade disciplinar: super-8 e contestação juvenil em Teresina (1972-1985). Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – UFPI, Teresina, 2007.

LUNA, João Carlos de Oliveira. O udigrudi da pernambucália: história e música do Recife (1968-1976). Dissertação (Mestrado em História) – UFPE, Recife, 2010.

MELLO, Zuza Homem de. A era dos festivais: uma parábola. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2003.

MOURA Elaine de, OLIVEIRA Susana de e VERNIERI Sâmia. Roque Moreira em Seu gosto na berlinda: aspectos do programa do maior disc jockey popular piauiense. 2011. Disponível em<http://www.intercom.org.br/papers/regionais/nordeste2011/resumos/R28-0525-1.pdf>.

NAPOLITANO, Marcos. A MPB sob suspeita: a censura musical vista pela ótica dos serviços de vigilância política (1968-1981). Revista Brasileira de História, v. 24, n. 47, São Paulo, 2004.

NAPOLITANO, Marcos. MPB: a trilha sonora da abertura política (1975/1982). Estudos Avançados, v. 24, n. 69, São Paulo, 2010.

NAVES, Santuza Cambraia. A canção popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

NOGUEIRA, Cícero de Brito. Sem palavras: humor e cotidiano nas histórias em quadrinhos de Arnaldo Albuquerque. Dissertação (Mestrado em História do Brasil) – UFPI, Teresina, 2010.

O Dia, Teresina, 3 e 4 abr. 1977.

O Estado, Teresina, 5 ago. 1975.

O Dia, Teresina, 4 e 5 set. 1977.

O Dia, Teresina, 21 set. 1974.

O Estado, Teresina, 30 set. 1973.

O Dia, Teresina, 19 nov. 1970.

O Dia, Teresina, 23 nov. 1973.

O Estado, Teresina, 4 dez. 1973.

O Estado, Teresina, 7 dez. 1973.

O Dia, Teresina, 28 e 29 dez. 1975.

OLIVEIRA, Edmar. De olho nas coisas – notícias universitárias. O Estado, Teresina, 30 set. 1973.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

PARANHOS, Adalberto. Novas bossas e velhos argumentos (tradição e contemporaneidade na MPB). História & Perspectiva, n. 3, Uberlândia, jul.-dez. 1990.

PARANHOS, Adalberto. Política e cotidiano: as mil e uma faces do poder. In: MARCELLINO, Nelson C. (org.). Introdução às Ciências Sociais. 17. ed. Campinas: Papirus, 2010.

PARANHOS, Adalberto. À flor da pele: pulsações do desejo feminino na música popular brasileira dos anos. Disponível em <http://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502725439_ARQUIVO_Anpuh-Brasilia-2017. textoparaanais.pdf>.

PARANHOS, Adalberto. Música popular na contramão das políticas sexuais hegemônicas: Brasil, década de 1970. Contrapulso: Revista Latinoamericana de Estudios en Música Popular, v. 1, n. 1, Santiago, 2019.

QUEIROZ, Teresinha. Do singular ao plural. Recife: Bagaço, 2006, esp. cap. Juventude anos 60 no Brasil: modos e modas.

RABELO, Elson de Assis. A história entre tempos e contratempos: Fontes Ibiapina e a obscura invenção do Piauí. Dissertação (Mestrado em História) – UFRN, Natal, 2008.

REDUSINO, José de Jesus. Roque Moreira e Seu gosto na berlinda: uma análise da cultura popular na Rádio Pioneira de Teresina no período de 1970-1990. 2017. Disponível em <https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1488745925_ARQUIVO_ARTIGOSEUGOSTONABERLINDAPARASIMPOSIOTEMATICODEHISTORIA.pdf

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

RODRIGUES, Nelson. Nunca houve tamanha solidão na terra. In: O remador de Ben-Hur: confissões culturais. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

ROSZAK, Theodor. A contracultura: reflexões sobre a sociedade tecnocrática e a oposição juvenil. Petrópolis: Vozes, 1972.

ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta de Morais (orgs.). 8. ed. Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SÁ FILHO, Bernardo Pereira de. Cartografias do prazer: boemia e prostituição em Teresina (1930-1970). Dissertação (Mestrado em História) – UFPI, Teresina, 2006.

SOUZA, Paulo Gutemberg de Carvalho. História e identidades: as narrativas da piauiensidade. Teresina: Edufpi, 2010.

TORQUATO NETO. Os últimos dias de paupéria. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, 1982.

TORQUATO NETO. Torquatália: geleia geral. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.

VARGAS, Herom. A canção experimental de Walter Franco. Comunicação & Sociedade, n. 54, São Bernardo do Campo, jul.-dez. 2010.

VELOSO, Caetano. Araçá azul, LP Philips, 1973.

VELOSO, Caetano. Verdade tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

VILHENA FILHO, Paulo Henrique Gonçalves de. A experiência alternativa d’O Estado Interessante no contexto marginal da década de 70. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Cultura) – UFRJ, Rio de Janeiro, 1999.

WISNIK, José Miguel. O minuto e o milênio ou, por favor, professor, uma década de cada vez. In: NOVAES, Adauto. Anos 70. Rio de Janeiro: Europa, 1979.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção e leitura. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

Publicado
2020-06-10
Como Citar
Carvalho Medeiros, H. (2020). O U dy grudy na Distanteresina: tropicália, contracultura e a moderna canção popular no Piauí. Artcultura, 22(40), 129-150. https://doi.org/10.14393/artc-v22-n40-2020-56968
Seção
Minidossiê: Cenas musicais alternativas