Tuca como lugar teatral de resistência: história e memória

  • Heloisa de Faria Cruz
Palavras-chave: Tuca, resistência, memória

Resumo

O artigo explora experiências históricas e processos memorialísticos que contribuíram para a construção da identidade do Tuca como lugar teatral no qual a mística da resistência se incorporou ao próprio edifício teatral. O argumento principal é o de que a identidade simbólica que a história confere ao edifício teatral é também tributária de movimentos deliberados da comunidade universitária, que, em conjunturas diversas, buscou atualizar sentidos e marcos dessa memória da resistência à ditadura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa de Faria Cruz

Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Departamento de História e do Programa de Estudos Pós-graduados em História da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pesquisadora do CNPq. Autora, entre outros livros, de São Paulo em papel e tinta: periodismo e vida urbana 1890/1915. 2. ed. São Paulo: Arquivo Público do Estado de São Paulo, 2013.

Referências

CATROGA, Fernando. Memória, história e historiografia. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015.

DIMAS, Antonio. O gosto duplo de vitória. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros: IEB, n. 40, São Paulo, 1996.

Dossiê Tuca-00546 - CDM-Tuca.

Dossiê Tuca-00553- CDM-Tuca.

Dossiês Cessão de Uso – Fundo Tuca CDM, Grupo Sonda de Orientação Cultural, 1966.

Dossiês Cessão de Uso – Fundo Tuca CDM, Leão XIII, 1971-1975.

FERNANDES, Simone Silva e NOVAES, Luiza Helena. Arte e memória: preservação do arquivo permanente do Teatro da Universidade Católica/Tuca da PUC-SP. Anais do Congresso de Arquivologia do Mercosul, 7, Viña del Mar, Chile, 2007. Disponível em <http://www.teatrotuca.com.br/cdm/index.html>.

GUINSBURG, Jacó, FARIA, João Roberto Gomes de e LIMA, Mariângela Alves de. Dicionário do teatro brasileiro: temas, formas e conceitos. São Paulo: Perspectiva, 2009.

LIMA, Evelyn Furquim Werneck. Espaço e teatro: do edifício teatral à cidade como palco. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

MARTINS FILHO, João Roberto. A guerra da memória: a ditadura militar nos depoimentos de militantes e militares. Varia História, v. 28, Belo Horizonte, 2002.

Memorial da resistência de São Paulo, Governo do Estado, Secretaria da Cultura, São Paulo, Secretaria da Cultura, 2019. Disponível em <http://memorialdaresistenciasp.org.br/memorial/default.aspx?mn=9&c=136&s=0.>.

Mostra virtual Memória PUC. Porandubas. Disponível em <http://www4.pucsp.br/cedic/porandubas/jornal.html>.

NOVAES, Luiza Helena et al. Visita monitorada à arte possível: uma crítica histórica a partir do acervo do Tuca. Dissertação (Mestrado em História) – PUC-SP, São Paulo, 2011.

PARANHOS, Kátia Rodrigues, LIMA, Evelyn Furquim Werneck e COLLAÇO, Vera. Cena, dramaturgia e arquitetura: instalações, encenações e espaços sociais. Rio de Janeiro: 7Letras, 2014.

PARANHOS, Kátia Rodrigues. Militância, arte e política: o teatro engajado no Brasil pós-1964, 2008. Disponível em <http://www.brasa.org/wordpress/Documents/BRASA_IX/Katia-Rodrigues-Paranhos.pdf>.

PARANHOS, Kátia Rodrigues. Teatro e trabalhadores: textos, cenas e formas de agitação no ABC paulista. Artcultura, v. 7, n. 11, Uberlândia, 2005.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, v. 2, n. 3, Rio de Janeiro, 1989.

Porandubas, n. 32, set. 1980.

Porandubas, n. 41, set, 1981.

Relatório Final da Comissão da Verdade Reitora Nadir Kfouri, da PUC-SP. Disponível em <https://www.pucsp.br/comissaodaverdade/home.html>.

RIBEIRO, Jorge Cláudio. Porandubas: um jornal universitário. Disponível em <https://www.academia.edu/38494193/Porandubas_o_jornal_da_PUC-SP_fase_1977_a_1985_>.

RIDENTI, Marcelo. O romantismo revolucionário da Ação Popular: do cristianismo ao maoísmo, 1998. Disponível em <http://www.cedema.org/uploads/Ridenti.pdf>.

RODRIGUES, Marly, SUNDFELD, Roberta e PEIRÃO, Solange. Tuca: 20 anos. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1986.

SERRONI, José Carlos. Teatros, uma memória do espaço cênico no Brasil. São Paulo: Senac, 2002.

SILVA, Carla Fernanda da. Vamos demolir o Tuca: o teatro universitário como movimento de resistência ao regime militar. Anais do Seminário Internacional História do Tempo Presente, 2, Florianópolis, 2014.

TORRES NETO, Walter Lima. Sobre o trabalho com o espaço teatral. O Percevejo Online, v. 4, n. 1, Rio de Janeiro, 2012.

VILELA, Mauriney Eduardo. Teatro Amador Paulista (1963-1975): organização federativa, fazer teatral e resistência à ditadura. Tese (Doutorado em História Social) – PUC-SP, São Paulo, 2018.

Publicado
2020-06-10
Como Citar
de Faria Cruz, H. (2020). Tuca como lugar teatral de resistência: história e memória. Artcultura, 22(40), 108-126. https://doi.org/10.14393/artc-v22-n40-2020-56966
Seção
Minidossiê: Teatro(s) & práticas artísticas