Arte anarquista no pós-Segunda Guerra: The Living Theatre e Laboratório de Ensaios

  • Cláudia Tolentino Gonçalves Felipe
Palavras-chave: arte anarquista, The Living Theatre, Laboratório de Ensaios

Resumo

Por meio de dois movimentos artísticos ocorridos no pós-Segunda Guerra (The Living Theatre e Laboratório de Ensaios), este artigo analisa a maneira como os anarquistas promoveram ações de transgressão e de experimentação da utopia anárquica. As práticas artísticas permitiram a construção de um campo de experimentação no qual as ideias libertárias poderiam ser efetivadas, vivenciadas e propagadas, minando os desdobramentos e valores associados à guerra, como trevas, fronteiras e individualismo. Essa concepção de arte, fundamentada na aliança entre estética e vida, não partiu de uma elaboração exclusivamente anarquista, mas foi apropriada pelos militantes como forma de combate à alienação e ao autoritarismo da sociedade vigente. A estética, com seu inesgotável potencial para instruir e incentivar a ação, tornou-se uma ferramenta de estímulo da sensibilidade libertária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Tolentino Gonçalves Felipe

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referências

AVELINO, Nildo. Anarquistas: ética e antologia de existências. Achiamé: Rio de Janeiro, 2004.

BECK, Julian. El Living Theatre. Madrid: Fundamentos, 1974.

BUBER, M. Histórias do Rabi. São Paulo: Perspectiva, 1995.

BUBER, Martin. Paths in utopia. London: Routledge & Kegan Paul, 1949.

CAGE, John e RETALLACK Joan. Musicage: cage muses on words, art, music. John Cage in Conversation with Joan Retallack. Hanover: University Press of New England, 1996.

CAGE, John. A year from monday. Middletown: Wesleyan University Press, 1967.

CAGE, John. I–VI: John Cage. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

CARVALHO. Sérgio. Isto é um pistom. Isto pode fazer muito barulho. E pode fazer jazz. Mas v. sabe mesmo o que é jazz? Dealbar, ano I, n. 2, São Paulo, mar. 1966.

Dealbar, ano I, n. 6, São Paulo, jul. 1967.

Dealbar, ano I, n. 05, São Paulo, set. 1967.

Dealbar, ano II, n. 8, São Paulo, out. 1967.

Dealbar, ano II, n. 10, São Paulo, dez. 1967.

GITLIN, Todd. The sixties: years of hope, days of rage. New York: Bantam Books, 1987.

INNES, Christopher. Holy theatre: ritual and the avant garde. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

KOPESKY, Waldyr. Nós. Dealbar, ano I, n. 4, São Paulo, jan. 1967.

L’adunata dei Refrattari, ano XXXVIII, n. 45, Nova York, nov. 1959.

L’adunata dei Refrattari. Dinamica sociale, ano XLVII, n. 15, Nova York, jul. 1968.

MALINA, Judith. Diário de Judith Malina: o Living Theatre em Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro, 2008.

MATTOS, Manoel José. Conversa sobre arte contemporânea. Dealbar, ano I, n. 3, São Paulo, mar. 1966.

MIDDLETON, Deborah Kathleen. The theatre of affect. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade de Hull, Hull, 1993.

PASSETTI, Edson. Paradise now. Verve, n. 14, São Paulo, 2008.

PASSOS, Souza. O sentido artístico do anarquismo. A Plebe, ano XXXIII, n. 31, São Paulo, fev. 1951.

PENNER, James. The Living Theatre and its discontents: excavating the somatic utopia of Paradise Now. Ecumenica, v. 2, n. 1, 2009.

QUARTA, Cosmio. Utopia: gênese de uma palavra-chave. Revista Morus: utopia e renascimento, n. 3, Campinas, 2006.

RIBEIRO, Cristina Sanches. The Living Theatre e a criação coletiva: intersecções no teatro brasileiro. Dissertação (Mestrado em Teatro) – Udesc, Florianópolis, 2016.

RODRIGUES, Edgard. Entre ditaduras (1948-1962). Rio de Janeiro: Achiamé, 1993.

RODRIGUES, Thiago e SIMÕES, Gustavo. Para além do concerto: uma nota sobre a anarquia de John Cage. Verve, n. 29, São Paulo, 2016.

SIMÕES, Gustavo. Uma conversa com Judith Malina. Ecopolítica, n. 13, São Paulo, 2015.

VALVERDE, Antonio. Socialismo libertário, educação e autodidatismo: entrevista-depoimento com Jaime Cubero. Educação e Pesquisa, v. 34, n. 2, São Paulo, 2007.

VARGAS, Maria Thereza. Teatro operário na cidade de São Paulo. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento de informação e documentação artísticas do Centro de Pesquisa de Arte Brasileira, 1980.

VIANNA, Allyson Bruno. Anarquismo em papel e tinta: imprensa, edição e cultura libertária (1945-1968). Tese (Doutorado em História) – UFC, Fortaleza, 2014.

Publicado
2020-06-10
Como Citar
Tolentino Gonçalves Felipe, C. (2020). Arte anarquista no pós-Segunda Guerra: The Living Theatre e Laboratório de Ensaios. Artcultura, 22(40), 92-107. https://doi.org/10.14393/artc-v22-n40-2020-56965
Seção
Minidossiê: Teatro(s) & práticas artísticas