Desenho rococó nos manuscritos do Brasil do século XVIII: caminhos e expressões

  • Antonio Wilson Silva de Souza
Palavras-chave: ornato, rococó, arte brasileira

Resumo

Este artigo aborda origens, características e difusão do rococó, destacando, de modo especial, a ornamentação dos manuscritos do Brasil no século XVIII. Apesar dos estudos realizados sobre o estilo, as peculiaridades do desenvolvimento do rococó merecem uma análise sempre atualizada e pormenorizada, sobretudo para se entender melhor a influência que a gravura francesa exerceu sobre a criação, o desenvolvimento e a propagação do estilo na Europa e no Brasil. A ênfase na ornamentação gráfica fundamenta o exame das suas particularidades, ao possibilitar maior entendimento sobre o significado que o desenho assume como manifestação autêntica da arte, o que permite afirmar que o rococó se tornou uma singular realidade na expressão da arte brasileira.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Wilson Silva de Souza

Doutor em História da Arte pela Universidade do Porto, de Portugal. Professor de História da Arte e de Desenho Artístico em vários cursos de graduação e de Teoria e História da Arte no Programa de Pós-graduação em Desenho, Cultura e Interatividade da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). 

Referências

ADÃO, Áurea. Estado absoluto e ensino das primeiras letras: as escolas régias (1772-1794). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

ALMADA, Márcia. Caligrafia artística no século XVIII: Brasil e Portugal enlaçados nas letras de Manoel de Andrade de Figueiredo. Navegações: Revista de Cultura e Literaturas de Língua Portuguesa, v. 4, n. 2, Porto Alegre, jul.-dez. 2011.

ALMADA, Márcia. Livros manuscritos iluminados na era moderna: compromissos de irmandades mineiras. Dissertação (Mestrado em História) – FFCHF-UFMG, Belo Horizonte, 2006.

BONNE, Jean-Claude. De l’ornement à l’ornementalité: la mosaïque absidiale de San Clement de Rome. Actes du Colloque International: le rôle de l’ornement dans la peinture murale du Moyen Âge. Poitiers, Université de Poitiers, 1997.

COLLE, Enrico. Il mobille rococó in Italia: arredi e decorazioni dal 1738 al 1775. Milano: Electa, 2003.

DECROSSAS, Michael et FLÉJOU, Luice (dirs.). Ornements. XVe-XVIIIe siècles: chefs-d’oeuvre de la Bibliothèque de l’INHA, collection Jacques Doucet. Paris: Mare & Martin/Inha, 2014.

GOMES, Luiz Vidal Negreiros. Desenhismo. 2. ed. Santa Maria: Editora daUFSM, 1996.

HERMAN, Sandrine. Estampes de l’ornementsous Louis XIV: création, interpretation & réception de l’oeuvre gravée de Paul Androuet du Cerceau (vers 1630-1710). Thèse (Doctorat) – École Doctorale VI-Paris IV/La Sorbonne, Paris, 2008.

HUNTER-STIEBEL, Penelope. The continuing curve. In: COFFIN, Sarah D. et al. Rococo: the continuing curve, 1730-2008. New York: Smithsonian’s Cooper-Hewitt, National Design Museum, 2008.

KLAUSING, Flávia Gervásio. O rococó religioso no Brasil e seus antecedentes europeus. Varia História, v. 20, n. 31, Belo Horizonte, jan. 2004.

LIEURE, Jules. La gravureen France au XVeme siècle: la gravure dans le livre et l’ornement. Paris et Bruxelles: Librairie Nationale d’Art d’Histoire G. Van Oest, Éditeur, 1927.

MANDROUX-FRANÇA, Marie-Thérèse. Information artistique et ‘mass media’ au XVIIIèmesiècle: la diffusion de l’ornement grave rococó au Portugal. Bracara Augusta, v. 27, n. 64, Braga, 1973.

MARQUES, Maria da Luz Vasconcelos e Souza Paula. Mobiliário português do aparato do século XVIII: credência, consolas e tremós. Dissertação (Mestrado em História da Arte) – Universidade do Porto, Porto, 1997.

MINGUET, Philipe. Esthétique du rococo. Paris: J. Vrin, 1966.

NÓBREGA, Michael Douglas dos Santos. Circulação de imagens lusitanas no Além-Mar: cultura histórica e cultura artística na azulejaria barroca de Teotónio dos Santos na Paraíba colonial. Dissertação (Mestrado em História) – UFPB, João Pessoa, 2015.

OLIVEIRA, Myriam Andrade Ribeiro de. Barroco e rococó nas igrejas do Rio de Janeiro. Brasília: IPHAN/Programa Monumenta, 2008, v. 1.

PEDRONI, Fabiana. Por uma definição do ornamento. Atas do IX Encontro de História da Arte: circulação e trânsito de imagens e ideias na História da Arte. Campinas, Unicamp/IFCH/CHAA, 2013.

PEREIRA, José Fernandes e PEREIRA, Paulo (orgs.). Dicionário da arte barroca em Portugal. Lisboa: Presença,1989.

REY, Alain. Dictionnaire de la langue française. Paris: Le Robert, 2000.

SANTIAGO, Camila Fernanda Guimarães. Os usos de gravuras europeias como modelos pelos pintores coloniais: três pinturas mineiras baseadas em uma gravura portuguesa que representa a Anunciação. Temporalidades, v. 3, n. 1, Belo Horizonte, jan.-jul. 2011.

SERRÃO, Joel e MARQUES, A. H. de Oliveira. Nova história da expansão portuguesa: o império luso-brasileiro (1750-1822). Lisboa: Estampa, 1986.

SOUZA, Antonio Wilson Silva de Souza. O desenho no Brasil do século XVIII: ornato de documentos e figurinos militares. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade do Porto, Porto, 2008.

THUILLIER, Jacques. Catalogues de la collection d’estampes de D. Jean V, roi de Portugal. Organisée par Marie-Thérèse Mandroux-França. Lisbonne/Paris: Fundação Calouste Gulbenkian/Bibliothèque Nationale de France-Fundação da Casa de Bragança, 2003.

Publicado
2019-12-16
Como Citar
Silva de Souza, A. W. (2019). Desenho rococó nos manuscritos do Brasil do século XVIII: caminhos e expressões. Artcultura, 21(39), 187 - 204. https://doi.org/10.14393/artc-v21-n39-2019-52035
Seção
Artigos