Edição e engajamento político: a Editora L&PM nos anos 1970

  • Flamarion Maués
Palavras-chave: edição política, história editorial no Brasil, editoras de oposição

Resumo

Este artigo discute a fusão entre ação editorial e engajamento político oposicionista no Brasil na década de 1970, durante a ditadura iniciada em 1964, analisando a atuação dos editores responsáveis pela Editora L&PM, de Porto Alegre, criada em 1974, e procurando entender como essa ação a transformou em uma casa editorial politicamente ativa, em âmbito regional e nacional. Acredito que este estudo colaborará para a compreensão da síntese entre edição e política no Brasil no período final da ditadura, bem como das relações e mediações então estabelecidas. Além disso, permitirá uma reflexão sobre o papel que a edição política desempenhou no Brasil, buscando uma visão mais ampla do seu significado.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flamarion Maués

Doutor em História pela Universidade de São Paulo (USP). Professor de História no Instituto Federal de São Paulo, campus Registro. É autor, entre outras obras, de Livros que tomam partido – edição e revolução em Portugal: 1968-1980. Lisboa: Parsifal, 2019. 

Referências

ABADE, João. As livrarias como tribuna. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 31 dez. 1977.

CAPORAL, Angela. De Edgar Vasques a Woody Allen. Jornal do Brasil, 20 maio 1978.

CONTAVE, Natalia de Figueiredo. Amor Veríssimo: estudo sobre a adaptação de crônicas de L. F. Veríssimo. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2016.

CYRNE, Moacy. Humor gráfico: do Sul ao Nordeste. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 10 jan. 1976.

GAJARDONI, Almyr. Tempo de política. Veja, São Paulo, 15 jun. 1977.

HAGE, Julien. Feltrinelli, Maspero, Wagenbach: une nouvelle génération d’éditeurs politiques d’extrême gauche en Europe Occidentale 1955-1982. Thèse (Histoire Contemporaine) – Université de Versailles Saint-Quentin-En-Yvelines-Batiment D’Alembert, Paris, 2010.

LIMA, Mário de Almeida. Prefácio. In: BROSSARD, Paulo. Oposição. Porto Alegre, L&PM, 1976.

LUCCHESE, Alexandre. Ivan Pinheiro Machado: pessoas que criam ideias para livros digitais não entendem de cultura. Zero Hora, Porto Alegre, 9 ago. 2014.

MACHADO, Ivan Pinheiro. Entrevista ao autor em 4 de julho de 2016.

MACHADO, Rosana Pinheiro e SALAINI, Cristian Jobi. Coleção L&PM Pocket: desafios do mercado editorial brasileiro. 2010.

MAUÉS, Flamarion. Os livros de denúncia da tortura após o golpe de 1964. Cadernos Cedem, v. 2, n. 1, São Paulo, 2011.

MAUÉS, Flamarion. Livros contra a ditadura: editoras de oposição no Brasil, 1974-1984. São Paulo: Publisher, 2013.

MOLLIER, Jean-Yves. Quando o impresso se torna uma arma no combate político: a França do século XV ao século XX. In: DUTRA, Eliana Freitas e MOLLIER, Jean-Yves (orgs.). Política, nação e edição: o lugar dos impressos na construção da vida política. Brasil, Europa e Américas nos séculos XVIII-XX, v. 1. São Paulo: Annablume, 2006.

NUNES, Augusto. Rude e franco. Veja, São Paulo, 15 fev. 1979.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. O velho general botou para quebrar. IstoÉ, São Paulo, 14 fev. 1979.

SILVA, Flamarion Maués Pelúcio. Editoras de oposição no período da abertura (1974-1985): negócio e política. Dissertação (Mestrado em História Social) – FFLCH-USP, São Paulo, 2006.

SIMONIN, Anne. Les éditions de Minuit, 1942-1955: le devoir d'insoumission. Paris: Imec, 1994.

VASQUES, Edgar. O consumo do não consumidor. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 9 nov. 1974.

VALLOTON, François. Edition et militantisme: le catalogue de La Cité: Editeur (1958-1967). In: BURNAND, Léonard, CARRON, Damien et JEANNERET, Pierre. Livre et militantisme: La Cité Editeur, 1958-1967. Lausanne: Editions d’en bas, 2007.

VERÍSSIMO, Luis Fernando. O analista de Bagé. Porto Alegre: L&PM, 1981.

Publicado
2019-12-16
Como Citar
Maués, F. (2019). Edição e engajamento político: a Editora L&PM nos anos 1970. Artcultura, 21(39), 155 - 171. https://doi.org/10.14393/artc-v21-n39-2019-52033
Seção
Artigos