A leitura gráfica da cidade: o Rio de Janeiro na street comics Zé Ninguém

  • Ivan Lima Gomes
Palavras-chave: Quadrinhos, grafite, Rio de Janeiro

Resumo

Ao deixar Nova York e adotar o Rio de Janeiro em 2001, Tito na Rua decidiu utilizar-se do grafite para imprimir sua marca como novo morador do lugar. Criou a street comics Zé Ninguém, uma história em quadrinhos (HQ) cuja narrativa se desenvolve em paredes grafitadas pela cidade. O personagem-título vive suas aventuras enquanto percorre paredes e vielas do Rio de Janeiro, suscitando debates em torno das possibilidades de interlocução entre os procedimentos técnicos e visuais próprios de duas artes gráficas e urbanas como as HQs e o grafite. As relações entre arte urbana e apreensão do espaço público, leitura de arte como leitura da cidade e as soluções criativas a partir do diálogo intermídias serão pontos desenvolvidos ao longo deste texto, tendo por base um olhar que historiciza as práticas de olhar e se interroga sobre o papel das artes na experiência de cidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivan Lima Gomes

Doutor em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professor da Faculdade de História e do Programa de Pós-graduação em História e do Mestrado Profissional de Ensino de História (ProfHistória) da UFG. Autor do livro Os novos homens do amanhã: projetos e disputas em torno dos quadrinhos na América Latina. Curitiba: Prismas, 2018.

Referências

AHRENS, J.; METELING, A. (eds.). Comics and the city: urban space in print, picture and sequence. New York/London: Continuum, 2010.

ARGAN, Giulio Carlo. A história da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAETENS, Jan e FREY, Hugo. The graphic novel: an introduction. New York: Cambridge University Press, 2015.

BALL, David e KUHLMAN, Martha (eds.). The comics of Chris Ware: drawing is a way of thinking. Jackson: University Press of Mississipi, 2010.

BALABAN, Marcelo. Poeta do lápis: sátira e política na trajetória de Angelo Agostini no Brasil Imperial (1864-1888). Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

BECKER, H. Art worlds and social types. American Behavioral Scientist, v. 19, n. 6, s./l., 1976.

BREDEHOFT, Thomas. The visible text: textual production and reproduction from Beowulf to Maus. Oxford: Oxford University Press, 2014.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo: Companhia das Letras, 1990

COLOMBINO, Jader. Notícias: Zé Ninguém. Porto Maravilha, 1 abr. 2015.

DIAS, Elaine Cristina. Debret: a pintura de História e as ilustrações de Corte da Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. 2001. Dissertação (Mestrado em História) – Unicamp, Campinas, 2001.

DITTMER, Jason. Narrating urban assemblages – Chris Ware and Building Stories. Social & Cultural Geography, v. 15, n. 5, s./l., 2014.

DOMINGUES, Bruno Willian Brandão. A cidade das aquarelas: o Rio de Janeiro nos registros de Jean-Baptiste Debret. Dissertação (Mestrado em História Social) – PUC-SP, São Paulo, 2018.

DUNNET, Oliver. Identity and geopolitics in Hergé’s Adventures of Tintin. Social and Cultural Geography, v. 10, n. 5, s/l., jun. 2009.

ECO, Umberto. The myth of Superman. Diacritics, v. 2, n. 1, Baltimore, mar.-maio 1972.

EXPILLY, Charles. Le Brésil tel qu’il est. 2. ed. Paris: Charlieuet Huillery Libraires Editeurs, 1863.

FERRELL, Jeff. Crimes of style: urban graffiti and the politics of criminality. Boston: Northeastern University Press, 1996.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca. O Rio de Janeiro que Hollywood inventou. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

FOSTER, Hal. Recodings: art, spectacle, cultural politics. 2. ed. San Francisco: Bay Press, 1987.

GROVE, Laurence. Comics in French: the European bande dessinée in context. Oxford/New York: Berghahn Books, 2010.

HARVEY, David. The right to the city. New Left Review, s/v., n. 53, London, set.-out. 2008.

KANNENBERG, Gene. Graphic text, graphic context: interpreting custom fonts and hands in contemporary comics. In: GUTJAHR, Paul; BENTON, Megan (orgs.). Illuminating letters: typography and literary interpretation. Boston: University of Massachusetts Press, 2001.

KING, Edward; PAGE, Joanna. Posthumanism and the graphic novel in Latin America. London: UCL Press, 2017

KNAUSS, Paulo. Grafite urbano contemporâneo. In: TORRES, Sônia (org.). Raízes e rumos: perspectivas interdisciplinares em estudos americanos. Rio de Janeiro: 7Letras, 2001.

KRAMER, Ronald. The rise of legal graffiti writing in New York and beyond. Cingapura: Palgrave Macmillan/Springer Nature, 2017.

MCCORMICK, Carlo; ROBINSON, Walter. Report from the East Village: slouching toward Avenue D. In: THOMPSON, Margo. American graffiti. New York: Parkstone International, 2009.

NORA, Pierre. Entre memória e história. A problemática dos lugares. Projeto História, v. 10, s/n., São Paulo, jul.-dez. 1993.

O’DONNEL, Julia. A invenção de Copacabana: culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2013.

OLIVEIRA, Flávia. Portfolio Alberto Serrano “Tito”, 14 mar. 2013.

PEREIRA, Sonia Gomes. Arte no Brasil no século XIX e início do XX. In: OLIVEIRA, Myriam Andrade Ribeiro de. (ed.). História da arte no Brasil: textos de síntese. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2013.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Muito além do espaço: por uma história cultural do urbano. Estudos Históricos, v. 8, n. 16, Rio de Janeiro, 1995.

RODRIGUEZ, Diogo. Quadrinhos de rua. Revista Trip, 19 jan. 2011.

SERRANO, Alberto (Tito na Rua). Zé Ninguém. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

SMOLDEREN, Thierry. Origins of comics : from William Hogarth à Winsor McCay. Jackson: University Press of Mississipi, 2014.

THOMÉ, Clarissa. ‘Zé Ninguém', personagem de 150 grafites, vira livro. Estadão, 3 mar. 2015.

VARTANIAN, Hrag. Rio’s street graphic novelist: an interview with Tito na Rua. BrazilNYC, 22 jun. 2009.

Publicado
2019-12-16
Como Citar
Lima Gomes, I. (2019). A leitura gráfica da cidade: o Rio de Janeiro na street comics Zé Ninguém. Artcultura, 21(39), 25 - 40. https://doi.org/10.14393/artc-v21-n39-2019-52024
Seção
Dossiê Quadrinhos & cultura visual: modos de ver e ler histórias