Rádio Nacional, memória e modernidade

Herom Vargas

Resumo


No livro Chega de saudade: a história e a histórias da Bossa Nova, de 1990, o jornalista Ruy Castro dá pistas sobre uma interpretação comum a respeito da música popular brasileira da metade do século XX: a de que a bossa nova representa a novidade que inaugura a modernidade, contra estilos musicais e culturais anteriores, tratados como retrógrados e antigos. O autor elenca dezenas de histórias e depoimentos para reforçar esse argumento. Em um trecho, diz: “Mesmo os que achavam Jobim moderno por ‘Foi a noite’ e ‘Se todos fossem iguais a você’ tiveram um choque. Em menos de dois minutos, estas canções ficaram tão antigas quanto ‘Ninguém me ama’ – relíquias do romantismo noir dos homens mais velhos”.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14393/ArtC-V19n34-2017-1-17