Impacto do Disclosure no Risco e no Valor das Companhias Brasileiras de Capital Aberto
PDF Português
PDF English (English)

Palavras-chave

Disclosure
Gestão de Risco
Valor de Empresas
Transparência
Empresas Brasileiras

Como Citar

Silva, V. P., & Muntaser, J. (2020). Impacto do Disclosure no Risco e no Valor das Companhias Brasileiras de Capital Aberto. Management in Perspective, 1(1), 34-58. https://doi.org/10.14393/MIP-v1n1-2020-46836

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar a influência do disclosure no risco e no valor de empresas brasileiras não financeiras de capital aberto no período de 2011 a 2015. O disclosure foi medido a partir de relatórios anuais nos sites das empresas; a presença de uma sessão relacionada aos fatores de risco que podem influenciá-las e a disponibilidade de informações relacionadas ao risco, criação de valor e projeções. As variáveis de risco foram medidas pelo Beta, pelo Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) e pela volatilidade das ações. O valor das empresas foi mensurado pelo Índice Market-to-Book, pelo valor de mercado das companhias e pelo Q de Tobin. Os resultados mostram que as empresas investigadas apresentam baixo nível de divulgação de informações no período estudado. A análise de regressão com dados em painel mostrou relação positiva e significativa entre a adesão aos níveis diferenciados de Governança Corporativa (GC) da BM&FBovespa e o Custo Médio Ponderado de Capital. Entretanto, quando o nível de GC foi ponderado pela disponibilidade de uma sessão específica destinada aos fatores de risco, obteve-se uma relação negativa e significativa entre essa variável e o WACC. Adicionalmente, constatou-se uma relação negativa significativa entre a GC e o risco sistemático das ações (BETA). O disclosure e a GC não apresentaram relação estatisticamente significante com o valor. O estudo avalia a transparência no processo de comunicação entre gestores e acionistas de empresas brasileiras e mostra o papel da divulgação voluntária para os tomadores de decisão.

https://doi.org/10.14393/MIP-v1n1-2020-46836
PDF Português
PDF English (English)

Referências

Almeida, M. A. & Santos, J. F. (2016). Estrutura de capital e divulgação voluntária de informações de responsabilidade social corporativa das empresas brasileira. Revista de Ciências da Administração, 18(45), 109-126. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2016v18n45p109

Alves, L. C., Gonçalves, F. V., & Peixoto, F. M. (2014). Risco e transparência no Brasil: um estudo sobre o gerenciamento de resultados. Revista Brasileira de Administração Científica, 5(3), 203-221. https://doi.org/10.6008/SPC2179-684X.2014.003.0012

Baum, C. F. (2001). Residual diagnostics for cross-section time series regression models. Stata Journal, 1(1), 101-104. https://doi.org/10.1177/1536867X0100100108

Bertomeu, J., Beyer, A., & Dye, R. A. (2011). Capital structure, cost of capital, and voluntary disclosures. The Accounting Review, 86(3), 857-886. https://doi.org/10.2308/accr.00000037

BM&FBovespa. Bolsa De Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo. Diretrizes de governança corporativa. Recuperado de http://ri.bmfbovespa.com.br/fck_temp/26_2/Diretrizes_de_Governanca_Corporativa_da_BMFBOVESPA.pdf.

Bushman, R. M. & Smith, A. J. (2003). Transparency, financial accounting information, and corporate governance. Economic Policy Review, 9(1), 65-87.

Carvalhal-da-Silva, A. L. & Leal, R. P. C. (2005). Corporate Governance Index, firm valuation and performance in Brazil. Revista Brasileira de Finanças, 3(1), 1–18.

Castro Junior, F. H. F., Conceição, P. M., & Santos, D. (2011). A relação entre o nível voluntário de transparência e o custo de capital próprio das empresas brasileiras não financeiras, Revista Eletrônica de Administração, 70(3), 617-635. https://doi.org/10.1590/S1413-23112011000300002

Chung, K. H. & Pruitt, S. W. (1994) A simple approximation of Tobin's Q. Financial Management, 23(3), 70-74. https://doi.org/10.2307/3665623

Damodaran, A. (2002). Finanças corporativas aplicadas. Porto Alegre: Bookman.

Dantas, J. A., Zendersky, H. C., Santos, S. C., & Niyama, J. K. (2005). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Economia e Gestão, 5(11), 56-76.

Doná, A. L., Marques, K. C. M., Moribe, A. M., & Hercos Junior, J. B.(2015). Fatores determinantes do conteúdo divulgado no relatório de administração de empresas brasileiras. Revista Universo Contábil, 11(4), 82-106. https://doi.org/10.4270/ruc.2015433

Gil, A. C. (2002). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas.

Greene, W. H.(2008). Econometric Analysis. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Guay, W. R. & Verrecchia, R. E. (2018). Conservative disclosure. Journal of Financial Reporting, 3(1), 73-92. https://doi.org/10.2308/jfir-52051

Hausman, J. A. (1978). Specification tests in econometrics. Journal Of The Econometric Society, 46(6), 1251-1271. https://doi.org/10.2307/1913827

Holtz, L. & Sarlo Neto, A. (2014). Efeitos das características do conselho de administração sobre a qualidade da informação contábil no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 25(66), 255-266. https://doi.org/10.1590/1808-057x201412010

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. Recuperado de http://www.ibgc.org.br/userfiles/2014/files/CMPGPT.pdf.

Iyengar, S. & Lepper, M. (2000). When Choice is Demotivating: Can One Desire Too Much of a Good Thing? Journal of Personality and Social Psychology, 76(6), 995-1006. https://doi.org/10.1037/0022-3514.79.6.995

Jensen, M. C. & Meckling, William H.(1976). Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs, and Capital Structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Kennedy, P. (2009). Manual de Econometria. Rio de Janeiro: Campus Elsevier.

Lameira, V. J.(2012). As Relações entre Governança e Risco nas Companhias Abertas Brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14(42), 7-25.

Langer, E. J. & Rodin, J. (1976). The Effects of Choice and Enhanced Personal Responsibility for the Aged: A Field Experiment in an Institutional Setting. Journal of Personality and Social Psychology, 34(2), 191-198. https://doi.org/10.1037/0022-3514.34.2.191

Lanzana, A. P., Silveira, A. D. M., & Famá, R.(2006, setembro). Existe Relação entre Disclosure e Governança Corporativa no Brasil? Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, EnANPAD. Salvador, BA. Brasil, 30.

Leuz, C. & Wysocki, Peter D. (2016). The economics of disclosure and financial reporting regulation: Evidence and suggestions for future research. Journal of Accounting Research, 54(2), 525-622. https://doi.org/10.1111/1475-679X.12115

Lopes, A. B. & Walker, M. (2008). Firm-Level Incentives and the Informativeness of Accounting Reports: An Experiment in Brazil. Working Paper. Recuperado de http://ssrn.com/abstract=1095781.

Malacrida, M. J. C. & Yamamoto, M. M. (2006). Governança Corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade & Finanças. Ed. Comemorativa, 65-79. https://doi.org/10.1590/S1519-70772006000400006

Marques, V. A., Silva, F. G. D., Louzada, L. C., Amaral, H. F., & Souza, A. A. (2015). Qualidade informacional e nível de transparência: um estudo entre empresas ganhadoras e não ganhadoras do troféu transparência Fipecafi-Serasa Experian. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 14(2), 769-796. https://doi.org/10.18593/race.v14i2.5912

Michelon, G., Pilonato, S. & Ricceri, F. (2015). CSR reporting practices and the quality of disclosure: An empirical analysis. Critical perspectives on Accounting, 33(C), 59-78. https://doi.org/10.1016/j.cpa.2014.10.003

Moreira, R. L., Colauto, R. D. & Amaral, H. F. (2010). Conservadorismo condicional: estudo a partir de variáveis econômicas. Revista Contabilidade & Finanças, 21(54), 64-84. https://doi.org/10.1590/S1519-70772010000300006

Peixoto, F. M. (2012). Governança corporativa, desempenho, valor e risco: estudo das mudanças em momentos de crise (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Perobelli, F. F. C., & Ness Jr., W. L. (2000, setembro). Reações do mercado acionário a variações inesperadas nos lucros das empresas: um estudo sobre a eficiência informacional no mercado brasileiro. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. EnANPAD, Florianópolis, SC, Brasil, 24.

ROCHA, C. F. P.; PROCIANOY, J. L. (2004). Disclosure das companhias abertas brasileiras: um estudo exploratório. GESTÃO.Org - Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 2(3), 1-14.

Schadewitz, H. J. & Blevins, D. R. (1998). Major Determinants of Interim Disclosures in an emerging market. American Business Review, 16(1), 41-55.

Schulz, R. (1976). Effects of Control and Predictability on the Physical and Psychological Well-being of the Institutionalized Aged. Journal of Personality and Social Psychology, 33(5), 563-573. https://doi.org/10.1037/0022-3514.33.5.563

Silveira, A. D. M. (2004). Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil (Tese de Doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Skaife, H. A., Collins, D. W., & Lafond, R. (2004). Corporate Governance and the Cost of Equity Capital. Working Paper. Recuperado de SSRN de http://ssrn.com/abstract=639681.

Wong, S. C. Y. (2009).Uses and Limits of Conventional Corporate Governance Instruments: Analysis and Guidance for Reform (Integrated version). Recuperado de Private Sector Opinion, Global Corporate Governance Forum de http://ssrn.com/abstract=1409370.

Wooldridge, J. M. (2002). Econometric Analysis of Cross Section and Panel Data. London: MIT Press.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.