Mal-estar na filosofia nacional. Leitura estrutural: impasse e críticas

  • Amaro de Oliveira Fleck Universidade Federal de Lavras (UFLA)
Palavras-chave: Filosofia no Brasil, Método estrutural de análise de texto, Missão francesa, Universidade

Resumo

O assim chamado “método estrutural de análise de texto” tem persistido no pensamento filosófico brasileiro, apesar das críticas recebidas e de seus sinais de esgotamento. A presente investigação pretende aventar algumas hipóteses acerca da sobrevida de tal procedimento, assim como analisar a relativa ausência de participação da filosofia no debate público nacional quando comparada tanto com a presença de áreas próximas quanto com a sua participação no debate estrangeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANTES, Paulo. Um departamento francês de ultramar. São Paulo: Paz e Terra, 1994.
AVER, Gisleine. Das ruas à academia: por onde anda o filósofo? Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.
BRÉHIER, Émile. “La Philosophie et son passe”. Les Études philosophiques, 12e Année, n. 1/2. Compte-Rendu de Séances, p. 9-25, 1938.
CROCCO, Gabriella. “Méthode Structurale et systèmes philosophiques”. Revue de Métaphysique et de Morale, n. 1, p. 69-88, 2005.
DE MOURA, Carlos A. R. de. “Historia stultitiae e história sapientiae”. Em: Revista Discurso, n. 17, pp. 151-171, 1988.
DOMINGUES, Ivan. Filosofia no Brasil: legados e perspectivas – Ensaios metafilosóficos. São Paulo: Editora UNESP, 2017.
GOLDSCHMIDT, Victor. “Tempo histórico e tempo lógico na interpretação dos sistemas filosóficos”. Em: A Religião de Platão. P. 139-147. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1963.
GUÉROULT, Martial. “O problema da legitimidade da história da filosofia”. Em: Revista de História, v. 37, n. 75, p. 189-211, 1968.
LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
MARGUTTI, Paulo. “Sobre a nossa tradição exegética e a necessidade de uma reavaliação do ensino de filosofia no país”. Em: Kriterion, n. 129, pp. 397-410, 2014.
MAUGÜÉ, Jean. “O Ensino de filosofia e suas diretrizes”. Em: Revista Brasileira de Filosofia, v. 5, n. 20, p. 642-9, 1955.
MURCHO, Desidério. “A Natureza da filosofia e seu ensino”. Educação e Filosofia, v. 22, n. 44, 2008.
NOBRE, Marcos. “A filosofia da USP sob a ditadura militar”. Em: Novos Estudos CEBRAP, n. 53, pp. 137-150, 1999.
_____. “Da formação às redes: Filosofia e cultura depois da modernização”. Em: Cadernos de Filosofia Alemã, n. 19, pp. 13-36, 2012.
PEREIRA, Oswaldo Porchat. “Discurso aos estudantes sobre a pesquisa em filosofia”. Fundamento, v. 1, n. 1, 2010.
_____. “Meu ceticismo”. Em: Discurso, v. 46, n. 2, 2016.
TERRA, Ricardo. “Não se pode aprender filosofia, pode-se apenas aprender a filosofar”. Em: Revista Discurso, n. 40, pp. 09-38, 2010.
TORRES FILHO, Rubens Rodrigues. Ensaios de filosofia ilustrada. São Paulo: Iluminuras, 2004.
WOLFF, Francis. “Dilemas dos intelectuais”. Em: NOVAES, Adauto. O Silêncio dos intelectuais. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
Publicado
2019-12-18
Como Citar
Fleck, A. de O. (2019). Mal-estar na filosofia nacional. Leitura estrutural: impasse e críticas. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 33(67). Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/47388
Seção
Artigos