Ipseidade e alteridade nas obras sobre educação do jovem Nietzsche

  • Fernando de Sá Moreira Instituto Federal do Paraná (IFPR)
Palavras-chave: Si-mesmo, Ipseidade, Alteridade, Educação, Autencidade

Resumo

O presente artigo propõe uma interpretação do tema da identidade pessoal nos escritos sobre educação do jovem Nietzsche. A reflexão nietzschiana sobre a educação é perpassada pelo conceito de si-mesmo e sua contraparte, o outro. Cada um desses conceitos desempenha papéis importantes na formação do indivíduo e possuem duas subdivisões básicas: o outro fora do indivíduo, o outro no interior do indivíduo, o si-mesmo no interior do indivíduo e o si-mesmo acima do indivíduo. O resultado é um si-mesmo mutável, mas não completamente sujeito à educação, e uma alteridade como ferramenta para o fortalecimento de identidades do indivíduo.

Palavras-chaves: Si-mesmo. Ipseidade. Alteridade. Educação. Autenticidade. 

Ipseity and otherness in the works on the education of the young Nietzsche

This paper proposes an interpretation of the theme personal identity in the writings on the education of the young Nietzsche. Nietzsche’s thought on education is permeated by the concept of self and its counterpart, the other. Each of these concepts plays important roles in the formation of the individual and have two basic subdivisions: the other outside the individual, the other inside the individual, the self inside the individual and the self above the individual. The result is a mutable self, but not completely susceptible to education, and an otherness as tool, with which the individual strengths its own identity.

Keywords: Self. Ipseity. Otherness. Education. Authenticity. 

Selbstigkeit und Andersheit in den Werken über Erziehung vom jungen Nietzsche Zusammenfassung: Dieser Aufsatz legt eine Interpretation für das Thema persönliche Identität in den Werken über Erziehung und Bildung vom jungen Nietzsche dar. Nietzsches Gedanken über solches Thema ist reich an Überlegungen über den Begriff „Selbst“ und sein Gegenstück, d. h. „das Andere“. Jede dieser Begriffe spiele wichtige Rollen für die Bildung des Einzelnen und habe zwei grundsätzliche Unterteilungen: das außerhalb des Einzelnen liegende Andere, das innerhalb des Einzelnen liegende Andere, das innerhalb des Einzelnen liegende Selbst und das über den Einzelnen liegende Selbst. Das Ergebnis sei zwar ein veränderliches Selbst, aber kein völlig durch Erziehung veränderliches Selbst, und eine Andersheit, die als Werkzeug zum Stärkung der einzelnen Identitäten dienen könne. Schlüsselwörter: Selbst. Selbstigkeit. Andersheit. Erziehung. Authentizität.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando de Sá Moreira, Instituto Federal do Paraná (IFPR)

Doutor em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Professor de História e Filosofia da Educação no Curso de Licenciatura em Física e Professor de Filosofia em Cursos de Ensino Médio integrados ao Ensino Técnico do Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Referências

AZEREDO, V. (2008). Nietzsche e a aurora de uma nova ética. São Paulo: Humanitas; Ijuí: Unijuí. https://doi.org/10.5007/1677-2954.2009v8n1p85

BROESE, K.; KOSSLER, M.; SALAQUARDA, B. (Hrsg.). (2007). Die Deutung der Welt: Jörg Salaquardas Schriften zu Arthur Schopenhauer. Würzburg: Königshausen & Neumann.

DIAS, R. (2009). Amizade estelar: Schopenhauer, Wagner e Nietzsche. Rio de Janeiro: Imago.

______. (2011). Nietzsche, vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

GIACOIA JR, O. (2004). Sobre tornar-se o que se é. In: SALLES, João Carlos (Org.). Schopenhauer e o idealismo alemão. Salvador: Quarteto.

______. (2012). Nietzsche x Kant: uma disputa permanente a respeito de liberdade, autonomia e dever. Rio de Janeiro; São Paulo: Casa da palavra; Casa do saber.

ITAPARICA, A. (2004). Schopenhauer, Nietzsche e o ponto de vista do ideal. In: SALLES, J. C. (org.). Schopenhauer & o idealismo alemão. Salvador: Quarteto.

LAROSSA, J. (2009). Nietzsche & a educação. Tradução de Semíramis Gorini da Veiga. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

LOPES, R. (2008). Ceticismo e vida contemplativa em Nietzsche. Tese de doutorado apresentada ao Departamento de Filosofia da UFMG.

MACHADO, R. (2002). Nietzsche e a verdade. 2ª edição. Rio de Janeiro: Graal.

MARTON, S. (2000). Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. 2ª ed. Belo Horizonte: Editora UFMG.

MÜLLER-LAUTER, W. (1997). A doutrina da vontade de poder em Nietzsche. Apresentação de Scarlett Marton e tradução de Oswaldo Giacoia Júnior. São Paulo: Annablume.

______. (2009). Nietzsche: sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. Tradução de Clademir Araldi. São Paulo: Editora Unifesp.

NIETZSCHE, F. (1999). Sämtliche Werke: Kritische Studienausgabe in 15 Bänden. Edição organizada por G. Colli e M. Montinari. Berlim: Walter de Gruyter.

______. (2003). Escritos sobre Educação. Tradução, apresentação e notas de N. C. de M. Sobrinho. São Paulo: Loyola.

______. (2003). Segunda consideração intempestiva: da utilidade e desvantagem da história para a vida. [Versão Kindle]. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

______. (2007). Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Tradução e prefácio de P. Süssekind. 4ª ed. Rio de Janeiro: 7Letras.

______. (2007). O nascimento da tragédia: ou helenismo e pessimismo. Tradução, notas e posfácio de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras.

______. (2007). Sobre verdade e mentira. Tradução de F. M. Barros. São Paulo: Hedra.

______. (2008). Ecce Homo: como alguém se torna o que é. Tradução, notas e posfácio de P. C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras.

______. (2009). Wagner em Bayreuth: quarta consideração extemporânea. [Versão Kindle]. Tradução de Anna Hartmann Cavalcanti. Rio de Janeiro: Zahar.

______. (2009-). Digitale Kritische Gesamtausgabe von Nietzsches Werken und Briefen. Edição organizada por Paolo D'Iorio, baseada na edição crítica de G. Colli e M. Montinari e publicada pela Nietzsche Source. Edição eletrônica. Recuperado de: http://www.nietzschesource.org/#eKGWB. Acesso em: 23 mar. 2018.

______. (2012). Sobre Schopenhauer. Revista Lampejo, vol. 1, n. 2, Fortaleza.

SCHLECHTA, K. (1997). Le cas Nietzsche. Traduzido por André Cœuroy. Paris: Gallimard.

SCHOPENHAUER, A. (1977). Zürcher Ausgabe: Werke in zehn Bänden. Zürich: Diogenes.

______. (2005). O mundo como vontade e como representação. Tomo I. Tradução de J. Barboza. São Paulo: Unesp.

______. (2014). O mundo como vontade e representação. Tomo II. Volume 1. Tradução de E. R. da Fonseca. Curitiba: Editora UFPR.

. (2014). O mundo como vontade e representação. Tomo II. Volume 2. Tradução de E. R. da Fonseca. Curitiba: Editora UFPR.

WEISSMANN, K. (1980). A vida de Schopenhauer. Belo Horizonte: Itatiaia.

Publicado
2018-08-30
Como Citar
Moreira, F. de S. (2018). Ipseidade e alteridade nas obras sobre educação do jovem Nietzsche. EDUCAÇÃO E FILOSOFIA, 32(65). https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v32n65a2018-17
Seção
Artigos